sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Onde estão os Joões Batistas?

Costumo acessar o “globo, ponto, com” para ver as notícias do dia. Quando começa a nova temporada da maior excrescência da TV brasileira, dá nojo de abrir tal site. Na verdade, todos os portais de notícias têm as suas seções de imoralidade, mas, quando chega a época do aludido programa, as fotos e imagens eróticas passam a aparecer logo no topo da página, como se fosse a notícia mais importante do nosso país.

Mas veja que incoerência: alguns pastores têm pressionado a TV Globo a produzir uma novela com heroína evangélica! Ora, não seria melhor protestar contra a programação imoral e “embbburrecedora” que essa emissora tem apresentado diariamente? Que consenso há entre a luz e as trevas? Querem esses pastores prenderem-se a um jugo desigual? A imoralidade não os incomoda, contanto que haja uma heroína evangélica em uma novela?

Por outro lado, há evangélicos que se irritam com os pastores e expoentes do Evangelho que protestam contra os programas imorais da TV brasileira. Dizem que é inútil fazer isso. E que os incomodados devem mudar de canal ou, simplesmente, não ter em sua casa o “aparelho maldito”. Respeito quem pensa assim, mas discordo desse pensamento.

Não se conformar com o mundo denota o quê? Qual é a abrangência do mandamento contido em Romanos 12.2: “não vos conformeis com este mundo”? Não significa ignorar as coisas mundanas, como se elas sequer existissem, e sim opor-se a influências filosóficas, atitudes, condutas, ações, comportamentos, etc. prevalecentes no mundo. Ainda que todos os cristãos rejeitassem a programação da TV brasileira, deveríamos protestar contra a imoralidade que ela propaga. Ou só devemos pregar contra o pecado quando somos incomodados por ele, diretamente?

Mesmo não usando drogas nem se prostituindo, o pregador do Evangelho pode e deve verberar contra esses males, alertando a todos quanto às consequências da prostituição e do consumo de drogas. Similarmente, a despeito de não apreciar, de modo geral, a programação imoral da TV brasileira aberta, tampouco assisti-la — exceto com olhar crítico —, ele tem a liberdade e o dever de protestar contra aquela.

Cristãos conformados afirmam: “Deixe a Globo em paz. Troque de canal”. Bem, se João Batista tivesse sido como eles, não teria repreendido Herodes. E também não teria perdido a cabeça... Herodes não estava incomodando João Batista, diretamente, com o seu pecado. Mas esse servo do Senhor, inconformado, resolveu verberar contra o adultério cometido por aquele, simplesmente porque estava consciente de que era um protestante.

Ainda que corram o risco de “perder a cabeça”, os pregadores que se prezam devem protestar contra o pecado e pregar o Evangelho com verdade. Ainda há Joões Batistas no evangelicalismo brasileiro? Onde eles estão? Levantem-se! Não se calem! Como diria o saudoso “João Batista norte-americano” — David Wilkerson —, “Toquem a trombeta”.

Ciro Sanches Zibordi
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

VOCÊ ESPECIAL

GOOGLE +