Massacre em Suzano: até onde jogos violentos podem influenciar a mente humana?

Semelhança entre assassino de Suzano  (direita) e personagem do jogo Free Fire  (esquerda) é notável. (Foto: Guiame) Autoridades ...

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Netflix cai numa armadilha e cede ao lobby dos cineastas de esquerda brasileiros

Apavorado com a possibilidade de ser taxado com pesada tributação em forma de contribuição (Condecine) para a indústria audiovisual, o serviço de streaming Netflix (adorado pelo público e reconhecido pela capacidade de prestar serviços com preço baixo) assume a mesma estratégia tentada por distribuidores e exibidores estrangeiros no Brasil: ceder aos caprichos do lobby cinematográfico brasileiro – mesmo que isso signifique contrariar sua própria base de clientes – na vã esperança de que, desta forma, a regulação tenha misericórdia de seu negócio. Não funcionou antes e não funcionará agora: quanto mais as empresas do setor cedem à intervenção, maior se torna a demanda dos cineastas nacionais por maiores concessões e (muito mais) dinheiro.

Resultado de imagem para NetflixO que o lobby do audiovisual nacional quer do Netflix? Duas coisas: cota de conteúdo brasileiro dentro do acervo disponível e taxação dos títulos estrangeiros, de modo que tal montante seja revertido para novas produções nacionais – o que, por sua vez, aumentará a oferta de títulos nacionais, o que renovará a sensação de que “não há espaço” para o Cinema Brasileiro, demandando uma nova rodada de intervenção, e assim sucessivamente, até o dia em que haverá mais filmes brasileiros que habitantes no território.

Como o Netflix responde a isso? Criando uma “competição” entre filmes brasileiros pré-escolhidos, um factoide semelhante àquele da rede de exibição Cinemark com um dia inteiro dedicado às produções nacionais. Desde que essa iniciativa iniciou, a cota de tela (a obrigatoriedade de reservar um número mínimo de sessões de cinema anuais para os filmes brasileiros) só aumentou.

Teoria da conspiração? Vejamos o Prêmio Netflix Brasil. Em sua segunda edição (a primeira, em 2013, foi vencida por um filme cujo protagonista era Gregório Duvivier), dez filmes concorrem pela preferência do público. Como se chegou a esta lista de filmes? Ligada à RioMarket, a comissão de jurados teve a atriz Alice Braga (apoiadora declarada do PT), o diretor Fernando Andrade (célebre pelo documentário “Quebrando o Tabu” e que atualmente adapta um livro de Dráuzio Varella, outro ícone da esquerda), o fotógrafo César Charlone (apoiador declarado do PT e de Dilma Rousseff), a diretora Adriana Dutra, mais dois youtubers e um ator. Dutra chegou a defender a obrigatoriedade de canais de TV aberta exibirem conteúdo independente, uma demanda da esquerda cinematográfica para impor sua própria produção ao grande público.

Entre os dez filmes impostos ao público na votação, pelo menos oito de seus diretores estão na lista de apoiadores de Dilma Rousseff citada. Se considerarmos que uma mesma cineasta aparece como diretora de dois filmes, podemos afirmar seguramente 90% dos filmes escolhidos pelo Netflix foram criados por petistas ou simpatizantes da ex-presidente. Não é necessária muita imaginação para formar um perfil ideológico e estético das produções oferecidas à audiência por essa lista e como ela não reflete a preferência do público brasileiro que acessa o serviço. A reação a ela reflete-se na baixa adesão à votação: foram somente 35 mil votos em mais de um mês de votação.

O que podemos esperar de todo esse movimento? Ao abrir espaço à esquerda cinematográfica, quase todos cineastas nacionais que atuam via mecanismos de incentivo público à produção, o Netflix segue o mesmo caminho trilhado anteriormente pelas grandes distribuidoras de Hollywood que atuam no Brasil: há anos implorando pelo perdão dos cineastas brasileiros pelo indesculpável sucesso dos filmes importados que o público prefere quando chega na bilheteria dos cinemas. Uma trégua impossível exatamente pelo fato – incompreensível aos executivos americanos – de que o objetivo dos revolucionários da esquerda no cinema brasileiro é o controle total de todas as etapas e setores da indústria cultural, não havendo espaço para bobagens burguesas como “preferência do público” ou “livre concorrência”.

Num futuro próximo, o aceno do Netflix piorará a oferta aos seus clientes e possivelmente resultará em mensalidades mais altas assim que a inevitável Condecine do streaming começar a funcionar. Não seria mais inteligente abraçar seu público e peitar o lobby dos cineastas e a meia dúzia de políticos esquerdistas que lhes dá suporte?


Produtor e diretor de filmes e documentários como “Reparação”, disponível no Youtube.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça comentários produtivos no amor de Cristo com a finalidade de trazer o debate para achar a verdade. Evite palavras de baixo calão, fora do assunto ou meras propagandas de outros blogs ou sites.

Marcadores

REFLEXÕES NOTÍCIAS LIÇÕES BÍBLICAS VIDEOS ESCOLA DOMINICAL DEVOCIONAIS COMENTÁRIOS ESTUDOS SAMUEL VIEIRA VIDA CRISTÃ EVENTOS SERMÕES PASTORAIS SILAS MALAFAIA JOSÉ GONÇALVES 2º TRIMESTRE 2012 HERNANDES DIAS LOPES POLITICA ILUSTRAÇÕES ELINALDO RENOVATO FAMÍLIA SILAS DANIEL 4º TRIMESTRE 2012 ALEXANDRE COELHO ELIENAI CABRAL 1º TRIMESTRE 2013 2º TRIMESTRE 2013 3º TRIMESTRE 2014 EPÍSTOLA DE TIAGO EVANGELHOS 3º TRIMESTRE 2013 DILMA ROUSSEFF MENSAGENS APOLOGÉTICA APOSTOLO CASAMENTO EPÍSTOLAS 2º TRIMESTRE 2014 4º TRIMESTRE 2013 FOTOS 3º TRIMESTRE 2012 FILIPENSES PROFETAS 1º TRIMESTRE 2015 2º TRIMESTRE 2016 4º TRIMESTRE 2014 ADULTOS DANIEL DOUTOR OS DEZ MANDAMENTOS DONS ESPIRITUAIS LUCAS MANDAMENTOS ROMANOS 2º TRIMESTRE 2015 CPAD ESEQUIAS SOARES HOMOSSEXUALIDADE 1º TRIMESTRE 2014 3º TRIMESTRE 2015 AGENDA MARIO SALES ÊXODO ELIEZER DE LIRA E SILVA RENATO BROMOCHENKEL ANTÔNIO GILBERTO 4º TRIMESTRE 2015 CRIME JOVENS MARCOS POLICIA REFORMA SÉRIES CLAUDIONOR DE ANDRADE FÁBULAS VIOLÊNCIA AUGUSTUS NICODEMUS LOPES ECLESIASTES GENESIS SALMOS ADULTÉRIO AÉCIO NEVES CIRO SANCHES ZIBORDI MARINA SILVA NATAL 1º TRIMESTRE 2012 FORNICAÇÃO FÉ E OBRAS HERESIAS LUIS INÍCIO LULA DA SILVA MARCO FELICIANO PROVÉRBIOS REINALDO AZEVEDO ANO NOVO BRASIL DINHEIRO INVESTIGAÇÃO MYLES MUNROE NAMORO PRESBÍTERO PROSPERIDADE SANTIFICAÇÃO SERMÃO DO MONTE 4º TRIMESTRE 2011 COPA DO MUNDO ESCATOLOGIA GEREMIAS DO COUTO GLOBO MULHER NELSON NED NOVELAS PETROBRAS PETROLÃO PORNOGRAFIA SEXO DEPUTADOS DIÁCONO EDUCAÇÃO ENTREVISTA FESTA FILHOS LAVA JATO LIBERALISMO LIDERANÇA MAGNO MALTA. MARIA MARTA MARTINHO LUTERO OBREIROS ORAÇÃO PARÁBOLA PRESIDENTE SABEDORIA 1º TRIMESTRE 2016 1º TRIMESTRE 2018 ADORAÇÃO ATIVISMO ATOR C. H. BROWN CORRUPÇÃO CUBA DENZEL WASHINGTON DIVÓRCIO ELIAS FILMES GRATIDÃO ISRAEL JEAN WYLLYS MARCHA PARA JESUS NORBERT LIERTH OPERAÇÃO PREGADORES PROTESTO REYNALDO ODILO SACERDOTES SAMUEL F.M. COSTA SEXUALIDADE TEOLOGIA TRABALHO 3º TRIMESTRE 2016 4º TRIMESTRE 2008 4º TRIMESTRE 2016 4º TRIMESTRE 2018 ABEL AGIOTAGEM ALEGRIA AMIGOS AMIZADE AMY WINEHOUSE ANCIÃO ARROGÂNCIA BABILÔNIA BIBLIOLOGIA BISPO CAIM CALVÁRIO CHARLES HADDON SPURGEON CHARLES R. SWINDOLL CORDEIRO CRIANÇAS CRISTO CRITICAS CÓDIGO DA VINCI DESIGREJADOS ELIEZER RODRIGUES ENVELHECER EUNÁPOLIS EXPOSITIVO F FARSA FEMINISMO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO GOMORRA HERRY POTTER HOMILÉTICA HUMILDADE INIMIGOS INIMIZADE JEJUM JOHN ANKERBERG JOHN WELDON JORDÃO JUSTOS LARRY WILSON LEIS LÍNGUA MAR VERMELHO MARCHISMO MARK BROWN MESTRE MOISÉS MUSICA NAMOROj NETO GUERRIERI OSTENTAÇÃO PASCOA PERDÃO PILATOS PREFEITOS PROVAÇÕES RELIGIÃO SALVAÇÃO SEGURANÇA SELEÇÃO BRASILEIRA SENADOR SODOMA TEMOR TEMPERAMENTOS TENTAÇÃO TESTEMUNHO VINDA DE CRISTO WARREN WIERSBE WILLIAM MACDONALD XUXA ÍMPIOS ÓDIO