sexta-feira, 23 de abril de 2010

OS DOIS MOMENTOS PERIGOSOS NA VIDA...

Há dois momentos na vida que são perigosos, principalmente quando não há profundidade de caráter e nem vida espiritual consistente. O primeiro é quando se está no topo da montanha do sucesso; quando tudo o que se faz dá certo, quando as coisas acontecem melhor do que planejamos; quando tudo é motivo para celebração ou quando se alcançou uma posição de relevância e respeitabilidade. Você já ouviu dizer que o "sucesso é um terreno minado?"
Vamos usar, como ilustração, a "pirâmide do sucesso". Enquanto você está na parte baixa da pirâmide, o espaço para os seus movimentos é grande. Poucos o conhecem, ninguém presta muita atenção em você e suas ações não representam perigo ou ameaça... Esse é um tempo relativamente tranqüilo.
Enquanto o profeta Daniel era apenas mais um escravo na Babilônia, ninguém prestava atenção nele. Porém, na medida em que ele foi "subindo de posto", sendo reconhecido como alguém que estava fazendo toda a diferença no reino de Nabucodonozor, o espaço para os seus movimentos foi diminuindo. Cada degrau que ele subia, se expunha mais e era mais observado, analisado, notado, vigiado e perseguido. Chegaram ao ponto de vasculhar a sua vida para ver se achavam algo que comprometesse a sua integridade de caráter: "Então os presidentes e os sátrapas procuravam achar alguma prova contra Daniel, a respeito do reino, mas não conseguiam localizar nada que pudesse incriminá-lo ou culpá-lo por alguma coisa, porque ele era fiel, e não se achava nele nenhum vício nem culpa. Então esses homens disseram: Nunca acharemos ocasião alguma contra este Daniel, se não a procurarmos contra ele na lei do seu Deus"(Dn 6.4,5; grifo do autor).
O sucesso é muito perigoso, porque a tendência de quem está "no topo" é a de relaxar, de "baixar a guarda" e acreditar naquilo que não é verdade, ou seja, pensar possuir aquilo que, na verdade, não possui.
Diz a Bíblia que Daniel, como integrante do governo da Babilônia, conseguiu superar todas essas tentações; e se manteve íntegro e fiel a Deus, apesar de ter chegado ao "topo da pirâmide" do sucesso.
Alguém disse: "Dê poder a um homem, e conhecerás o seu verdadeiro caráter". Disse J. Blanchard: "Se o diabo não puder usar o fracasso para derrubar você, ele usará o sucesso".Os homens que têm sua vida construída segundo os princípios das Escrituras Sagradas não se perdem quando conquistam posições elevadas ou assumem qualquer tipo de poder. Pelo contrário, eles glorificam a Deus através de suas vidas.
Se este é o seu melhor momento, se você está experimentando sucesso em muitas áreas da vida, viva de forma criteriosa e disciplinada. Desenvolva sua comunhão com Deus, não tire os olhos de Jesus, vença a tentação de se relaxar, "baixando a guarda" e se tornando uma presa fácil do Inimigo. É no topo, no degrau mais alto, que o homem deve reconhecer que foi Deus quem o colocou ali. E esse reconhecimento é a sensação mais maravilhosa que pode ocorrer aos nossos olhos!
Os homens verdadeiramente grandes são aqueles que reconhecem a sua pequenez diante da grandeza do Criador Eterno, o Senhor Deus Todo-Poderoso. João Batista, aquele que veio preparar o caminho do Senhor, disse: "É necessário que ele cresça e que eu diminua" (Jo 3.30).
O segundo momento mais perigoso na vida é o tempo das perdas. O apóstolo Paulo chama esse tempo de dia mal: "Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir ao dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes" (Ef 6.13). Jesus começa a parábola falando de um pai que experimenta esse tempo. De repente, o filho caçula, aquele que todo pai sempre tem um cuidado especial, se rebela, manifestando algo extremamente maligno, destrutivo e inadmissível. Ele diz: "Pai, dá-me a parte dos bens que me pertence". Ele pede a sua parte da herança (Lc 15.12), porque deseja ir embora de casa.
Naquele tempo, a herança só era dividida após a morte do pai. A atitude desse filho estava sendo uma afronta, um desrespeito, uma agressão. Nas entrelinhas, ele estava dizendo: "Você não faz mais sentido na minha vida... Cansei. Para mim, se você morresse seria melhor". Se coloque no lugar de um pai que passou por isso e tente dimensionar a dor em sua alma.
Quanto vale um filho? Só quem gera, educa, protege, cura, sustenta e investe sabe qual é a intensidade da dor da perda de um filho.
Lembro-me de uma história que ouvi de uma mãe. Ela estava dando banho em um filho, quando ouviu os gritos de desespero da filha pequena no outro quarto. Ela então foi ver o que estava acontecendo. Para seu espanto, o outro irmão estava enforcando a irmãzinha. Ela pega a criança, já toda roxa e desfalecendo, e, desesperada, coloca a menina no carro e sai em direção ao hospital. Ao chegar no hospital, ela ficou sabendo que a tragédia era muito maior do que se podia imaginar. A criança socorrida não havia resistido. E, ao sair com o carro, às pressas, ela, sem perceber, passou com o veículo por cima do filho. E aquele outro filho, que estava tomando banho, por ser muito pequeno, acabou se afogando na banheira.
Jó também experimentou a dor da perda, pois em um único dia, ele presenciou o sepultamento de seus dez filhos. Toda perda de grande valor gera crise, e o grande desafio nesse tempo é: o que fazer para não se perder com as perdas?
Quantas pessoas, ao perder alguém ou algo de valor significativo, acabam se perdendo? Esposas que se perdem ao perder o marido; moças que se perdem ao perder um namorado; filhos que se perdem ao perder os pais; empresários que se perdem ao perder sua empresa!
Para os chineses, crise pode significar duas coisas: "perigo" ou "oportunidade de crescimento". Tudo depende da leitura que cada um faz.
O pai do "filho pródigo" fez uma leitura positiva da crise. É só observar a maneira como ele se comporta. Ele não desistiu dos seus projetos, dizendo: "Arrependo-me de ter gerado filhos". Pelo contrário, ele continuou acreditando nos filhos como herança do Senhor (Sl 127.3). Não desistiu deles. A maneira como você responde aos desafios em tempo de crise revela o tipo de leitura que você está fazendo do próprio Deus.
Há dois homens na Bíblia, cuja biografia serve de inspiração para todos nós. Os dois passaram por caminhos de aflições e souberam fazer uma leitura muito positiva das perdas que enfrentaram.
O primeiro é José, filho de Jacó com Raquel (Gn 30.22-24). Ele perdeu tudo ao ser vendido, como escravo, pelos próprios irmãos. O impressionante da história de José é que ele chegou ao Egito como escravo (Gn 37.36) e terminou como príncipe (Gn 41.41). O nome que ele colocou em um dos seus filhos resume como ele encarou as adversidades que enfrentou: "Ao segundo (José) chamou Efraim, e disse: Deus me fez crescer na terra da minha aflição" (Gn 41.52).
O segundo homem que soube fazer uma leitura positiva das adversidades foi o apóstolo Paulo. No capítulo 11 da sua primeira carta aos coríntios, ele descreve o quanto foi difícil esse tempo de provações.
"...em trabalhos, muito mais; em açoites, mais do que eles; em prisões, muito mais; em perigo de morte, muitas vezes.
Recebi dos judeus cinco quarentenas de açoites, menos um.
Três vezes fui açoitado com varas, uma vez fui apedrejado, três vezes sofri naufrágio, uma noite e um dia passei no abismo;
Em viagens, muitas vezes em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos dos da minha nação, em perigos dos gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos no mar, em perigos entre os falsos irmãos;
Em trabalhos e fadiga, em vigílias muitas vezes, em fome e sede, em jejum muitas vezes, em frio e nudez.
Além das coisas exteriores, me oprime cada dia o cuidado de todas as igrejas."
Quem enfraquece, que eu também não enfraqueça? Quem se escandaliza, que eu me não abrase?
Se convier gloriar-me, gloriar-me-ei no que diz respeito à minha fraqueza.
O Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que é eternamente bendito, sabe que não minto.
Em Damasco, o que governava sob o rei Aretas pôs guardas às portas da cidade dos damascenos, para me prenderem.
E fui descido num cesto por uma janela da muralha; e assim escapei das suas mãos" (2 Co 11.23-33).
O apóstolo Paulo nunca se deixou amargar com as experiências amargas que teve; muito pelo contrário, ele enfrentava as adversidades sem perder a doçura. As cartas que ele escreveu na prisão estão carregadas de expressões que revelam sua saúde interior. Só quem é capaz de fazer uma leitura positiva da crise pode declarar:
"E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência, e a paciência a experiência, e a experiência a esperança. E a esperança não traz confusão..." (Rm 5.3-5; grifo do autor).
É interessante que o apóstolo Paulo diz que a "crise" produz caráter. Quem consegue ter está percepção nunca se perde em meio às tribulações da vida. Pelo contrário, cresce. Este é o propósito de Deus em nos levar ao deserto: lugar de crescimento. Leighton disse: "A adversidade é a poeira do diamante com que os céus costumam polir as suas jóias". Você já parou para observar como a borboleta sofre para chegar a ser o que é?
Certo dia, uma pequena abertura apareceu no casulo. Um homem sentou-se e, por várias horas, ficou observando a borboleta e a forma de como ela se esforçava para fazer com que seu corpo passasse através daquele pequeno buraco. Então, ela parou de fazer qualquer progresso. Parecia que ela já havia avançado o mais que podia, e não conseguiria ir mais longe. O homem decidiu ajudar a borboleta: pegou uma tesoura e cortou o restante do casulo. A borboleta saiu facilmente, mas seu corpo estava murcho, era pequeno e tinha as asas amassadas. O homem continuou a observar a borboleta porque ele esperava que, a qualquer momento, as asas dela se abrissem e esticassem e fossem, então, capazes de suportar o corpo que iria se firmar com o tempo. Mas nada disso aconteceu. A borboleta passou o resto da sua vida rastejando, com um corpo murcho e com as asas encolhidas. Ela nunca foi capaz de voar. O que o homem, com sua gentileza e vontade de ajudar, não compreendia, era que o casulo apertado, e o esforço necessário para a borboleta passar através da pequena abertura, eram o modo com que Deus fazia para que o fluido do corpo da borboleta fosse para as suas asas tornando-a pronta para voar, uma vez que estivesse livre do casulo.
Algumas vezes, o esforço é justamente o que precisamos em nossa vida. Se Deus nos permitisse passar através de nossas vidas sem quaisquer obstáculos, Ele nos deixaria aleijados. Nós não seríamos tão fortes como poderíamos ter sido. Nós nunca poderíamos voar. É por esta razão que:
Quando pedimos Força, Deus nos dá Dificuldades para nos fazer forte.
Quando pedimos Sabedoria, Deus nos dá Problemas para resolver.
Quando pedimos Coragem, Deus nos dá Perigo para superar.
Quando pedimos Amor, Deus nos dá pessoas com Problemas para ajudar.
Quando pedimos Favores, Deus nos dá Oportunidades.
Na maioria das vezes, não recebemos nada do que pedimos, mas recebemos tudo o que precisávamos.
Aqueles que olham para a crise com as lentes do pessimismo, quase sempre são destruídos por ela. Só os otimistas conseguem enxergar oportunidades onde os pessimistas só vêem dificuldades. Se você deseja vencer em tempo de crise, aprenda a fazer uma leitura positiva e otimista das adversidades da vida.
O pai do "filho pródigo" perde, mas não se perde. Ele vence o absurdo da vida, protegendo a sua alma, guardando o seu coração e se enchendo de esperança. Sei que a maioria já passou ou está passando por um momento de crise. Em um tempo como esse, é necessário compreender que "Deus está no controle de todas as coisas". Ainda que se perca um filho, continue acreditando que filhos são herança do Senhor. Ainda que se perca o cônjuge, continue acreditando que o casamento é um projeto de Deus, ainda que você perca a família

www.familiaegraca.com.br

quarta-feira, 21 de abril de 2010

O PROPOSITO DE DEUS PARA A FAMILIA

Vida Cristã

"Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; Se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela" (Salmo 127:1).
Deus nos criou e designou o casamento e a família como a mais fundamental das relações humanas. Em nosso mundo de hoje em dia, vemos famílias atormentadas pelo conflito e arrasadas pela negligência e o abuso. O divórcio tornou-se uma palavra comum, significando miséria e dureza para os múltiplos milhões de suas vítimas. Muitos homens jamais aprenderam a ser esposos e pais devotados. Muitas mulheres estão fugindo de seus papéis dados por Deus. Pais que não têm nenhuma idéia de como preparar seus filhos estão assim perturbados pelo conflito com seus rebentos rebeldes. Outros simplesmente abandonam seu dever, deixando filhos sem qualquer preparação ou provisão.
Para muitas pessoas, hoje em dia, a frase familiar e confortadora "Lar, Doce Lar" não é mais do que uma ilusão vazia. Não há nada doce ou seguro num lar onde há o abuso, a traição e o abandono.
Haver uma solução? Poderemos evitar tais tragédias em nossas famílias? Poderão os casais jovens manter o brilho do amor e do otimismo décadas depois de fazerem os votos no casamento? Haverá esperança de recuperação dos terríveis erros do passado?
A resposta para todas estas perguntas é SIM! As soluções raramente são fáceis. A construção de lares sólidos não acontece por pura sorte. Somente pelo retorno ao padrão de Deus para nossas famílias poderemos começar a entender as grandes bênçãos que ele preparou para nós em lares construídos sobre a rocha sólida da sua palavra. Consideremos brevemente alguns princípios básicos ensinados na Bíblia sobre a família.
O Propósito Básico de Deus para a Família
Quando temos dificuldade com a geladeira, entendemos que o fabricante, que escreveu o manual do usário, sabe mais sobre o aparelho do que nós. Lemos o manual para resolver o problema. Quando vemos tantos problemas nas famílias de hoje, só faz sentido que nosso Criador, que escreveu o "manual do usuário", sabe mais a respeito da família do que nós. Precisamos ler o manual para achar como construir e manter bons lares. Encontramos estas instruções na Bíblia. Ela nos guia em cada aspecto do serviço a ele, incluindo a realização de nossos papéis na família.
Casamento
A família começa com o casamento. Quando Deus criou Adáo e Eva, ele revelou seu plano básico para o casamento: "Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne" (Gênesis 2:24). Este plano é claro. Um homem ligado a uma mulher. Milhares de anos mais tarde, Jesus afirmou que este ainda é o plano de Deus. Ele citou este versículo e acrescentou: "Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem" (Mateus 19:6). Este casamento é uma relação para toda a vida. Somente a morte deve cortar este laço (Romanos 7:1-3).
Deus aprovou as relações sexuais somente dentro do casamento. Não há nada de mal ou impuro sobre as relações sexuais dentro de um casamento aprovado por Deus (Hebreus 13:4). Esposos e esposas têm a responsabilidade de satisfazer os desejos sexuais (dados por Deus) aos seus companheiros (1 Coríntios 7:1-5).
Todas as outras relações sexuais são sempre e absolutamente erradas. Relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo são absolutamente proibidas por Deus (Romanos 1:24-27; 1 Coríntios 6:9-11). Deus não criou Adão e João. Ele fez uma mulher, Eva, como uma parceira apropriada para Adão. As relações sexuais antes do casamento, mesmo entre pessoas que pretendem se casar, são condenadas por Deus (1 Coríntios 7:1-2, 8-9; Gálatas 5:19). As relações sexuais extra-conjugais são também claramente proibidas (Hebreus 13:4).
Filhos
Casais assim unidos diante de Deus pelo casamento gozam o privilégio de terem filhos. Deus ordenou a Adão e Eva e aos filhos de Noé que tivessem filhos (Gênesis 1:28; 9:1). Ainda que nem todas as pessoas tenham que se casar, e que nem todas terão filhos, é ainda o plano básico de Deus que os filhos nasçam dentro de famílias, completas com pai e mãe (1 Timóteo 5:14). Em lugar nenhum da Bíblia encontramos autorização para uma mulher ter relações sexuais para conceber um filho, antes ou sem casamento. A paternidade solteira, que está se tornando moda em nossa sociedade moderna é um afastamento do plano de Deus que terá sérias conseqüências para as gerações vindouras.
Papéis Dados por Deus Dentro da Família
Dentro desta estrutura do propósito Divino, consideremos os papéis que Deus atribuiu aos homens, mulheres e filhos.
Homens: Esposos e Pais
A responsabilidade dos esposos é bem resumida em Efésios 5:25: "Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a Igreja e a si mesmo se entregou por ela". O esposo tem que colocar as necessidades de sua esposa acima das suas próprias, mostrando devoção desprendida aos melhores interesses da "parte mais frágil" que necessita da sua proteção. Ele tem que trabalhar honestamente para prover as necessidades da família (2 Tessalonicenses 3:10-11; 1 Timóteo 5:8).
Os pais são especialmente instruídos por Deus para preparar seus filhos na instrução e na disciplina do Senhor (Efésios 6:4). Este é um trabalho sério e, às vezes, difícil, mas com resultados eternos! Os espíritos de seus filhos existirão eternamente, ou na presença de Deus ou separados dele. A maior meta de um pai para seus filhos deveria sempre ser a salvação eterna deles.
Mulheres: Esposas e Mães
Uma esposa tem um papel muito desafiador no plano de Deus. Ela tem que complementar seu esposo como uma auxiliar submissa, que partilha com ele as experiências da vida. As pressões da sociedade moderna para rejeitar a autoridade masculina não obstante, a mulher devota aceita seu papel como aquela que é cuidadosamente submissa ao seu esposo (Efésios 5:22-24; 1 Pedro 3:1-2). As mulheres de hoje em dia que rejeitam este papel dado por Deus estão na realidade difamando a palavra dele (Tito 2:5).
Deus instrui as mulheres para mostrarem terna afeição aos seus esposos e filhos, e a serem honestas e fiéis donas de casa (Tito 2:4-5). Apesar dos esforços de algumas pessoas para desvalorizar o papel das mulheres que são dedicadas a suas famílias, Deus tem em alta estima a mulher que é uma boa dona de casa e uma amorosa esposa e mãe. Tais mulheres devotas são também dignas de respeito e apreciação de seus esposos e filhos (Provérbios 31:11-12,28).
Filhos: Seguidores Obedientes
Deus também definiu o papel dos filhos. Paulo revelou em Efésios 6:1-2 que os filhos deverão:
1. Obedecer a seus pais. Deus colocou os pais nesta posição de autoridade e os filhos têm que respeitá-los. Muitas pessoas consideram a rebeldia de uma criança como uma parte comum e esperada do "crescimento", mas Deus coloca-a na lista com outros terríveis pecados contra ele (2 Timóteo 3:2-5).
2. Honrar seus pais. Os pais que sustentam, instruem e preparam seus filhos devem ser honrados. Jesus mostrou que esta honra inclui prover as necessidades dos pais idosos (Mateus 15:3-6).
Lares Piedosos Nestes Dias?
É, freqüentemente, muito difícil corrigir anos ou mesmo gerações de erros. Mas está claro que o único modo pelo qual podemos esperar ter boas famílias construídas nos princípios divinos é voltar ao plano que Deus tem revelado. Temos que estudar a Bíblia, aprender estes princípios, aplicá-los em nossas vidas, e ensiná-los aos nossos filhos e aos outros. Lembre-se, os benefícios serão eternos!
Você está construindo seu lar sobre a fundação da palavra de Deus?
Por Dennis Allan
Fonte: http://users.aol.com/estudos/d15famil.htm

É Loucura...

É Loucura...
Odiar todas as rosas porque uma te espetou...
Entregar todos os seus sonhos porque um deles não se realizou...
Perder a fé em todas as orações porque numa não foste atendido...
Desistir de todos os esforços porque um deles fracassou...

É Loucura condenar todas as amizades porque uma te traiu...
Descrer de todo o amor porque um deles te foi infiel...

É loucura...
Jogar fora todas as chances de ser feliz porque uma tentativa não deu certo...

Há sempre uma outra chance...
Uma outra amizade...
Um outro amor...

É só ser perseverante e procurar ser mais feliz a cada dia.

terça-feira, 20 de abril de 2010

A CRISE DE VALORES

Diante da realidade de crise em que se vive neste mundo de hoje, é importante que alguns valores sejam redefinidos e firmados. Isto se aplica a nós como pessoas, casais, famílias e em nossa vida comunitária. Proponho três características que devem estar presentes em nós e pelas quais devemos nos empenhar

PRIORIDADES

"Não deixe o que é urgente tomar em sua vida o lugar do que é importante"

Esta frase de Charles Hummel em seu livro "A Tirania do Urgente" pode ser um bom critério para avaliarmos aquilo que estamos fazendo. O Apóstolo Paulo ilustra esta questão de prioridades da seguinte maneira, em I Coríntios 9:26

"Assim corro também eu, não sem meta; assim luto, não como desferindo golpes no ar."

Afim de não ficar "desferindo golpes no ar" podemos colocar quatro prioridades gerais em nossas vidas e lutar por alcança-las:

A. Querer agradar a Deus

Mais importante do que ler a Bíblia e conhecê-la é ter o desejo sincero de agradar a Deus em tudo que fazemos. Muitas vezes queremos, como diz o ditado, "agradar a Deus e todo mundo" Obviamente que nem sempre vamos conseguir "agradar" naquilo que fazemos mas, como prioridade, devemos "querer agradar a Deus" como Paulo testemunha em I Tessalonicenses 2:4.
Este desejo de agradar a Deus também significa um envolvimento sério com a Bíblia, a Palavra de Deus. É dela que vem a orientação para tudo que devemos fazer como diz Hebreus 4:12,13.

B. Ser autêntico

Num mundo em que tudo acaba se "mascarando" de tal modo que se confunde a verdade com a mentira, o certo com o errado e o bom com o ruim, querer ser autêntico é um alvo invejável para a vida de qualquer pessoa ou grupo.
Novamente é o Apostolo Paulo quem nos serve de exemplo naquilo que escreve em I Tessalonicenses 2:5,6.
Ele era autêntico. Tinha tanta firmeza de caráter, que arrancou todas as máscaras e todos os envoltórios. O uso de máscaras tem inspirado pinturas, esculturas, teatro e festas, mas não deveria ser inspiração para nosso estilo de vida. Ao contrário do que acontece no primeiro exemplo do uso de máscaras, onde há alegria e satisfação, no segundo exemplo há tristeza e destruição.

C. Crescer espiritualmente

O verdadeiro crescimento espiritual é ser cada vez mais dependente da graça e do amor de Deus. Por isso o Apóstolo Pedro escreve: "Antes crescei na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo..." (2 Pedro 3:18). Isso ele diz no final de sua segunda carta, depois de ter dado muitos conselhos e orientações ligadas à todas as áreas da vida pessoal, familiar e comunitária. "Antes crescei na graça".
O Apóstolo Paulo mais uma vez é exemplo na compreensão desta verdade. No seguimento do texto já visto de 2 Tessalonicenses, ele fala de seu ministério entre aqueles irmãos (v. 7 a 12a) e demonstra que ele crescia à medida em que sua obediência ao chamado de Deus o levava a depender cada vez mais do amor e da graça de Deus para que ele pudesse como "ama carinhosa" e "pai dedicado" exercer seu trabalho entre eles. Este homem culto e capaz, tem como prioridade uma atitude de amor e compaixão. Seu interesse não era apenas despejar uma carga de informação doutrinária e teológica sobre eles; não, ele queria dar-lhes o evangelho, mas também sua própria vida.

D. Deixar-se usar por Deus

Quando queremos que Deus nos use no seu trabalho é muito importante detectar onde e como podemos faze-lo. Também devemos saber a quem queremos nos dirigir. A Bíblia é a mesma em todas as épocas mas ela deve ser "contextualizada", isto é, ser apresentada para as pessoas de cada época e geração de tal modo que possam entende-la como Palavra de Deus.
Em I Tessalonicenses 2:12b e 13, o Apóstolo Paulo menciona este fato. A palavra que Paulo trazia não era dele, era de Deus. Em I Coríntios 9:19-23 Paulo descreve sua prioridade dizendo: "Fiz-me tudo para com todos, com o fim de, por todos os modos, salvar alguns" (v.22b).
Deixar-se usar por Deus significa também crescer no conhecimento da realidade em que vivemos e envolvimento com as pessoas que queremos alcançar. Isso significa compromisso

ENVOLVIMENTO

Um dicionário define "estar envolvido" como "ser participante, ter uma relação bem próxima, ter conexão, estar incluído".
Nessa compreensão temos pelo menos 4 áreas de envolvimento:
• nosso envolvimento com Deus
• nosso envolvimento com os membros da família
• nosso envolvimento com nossa comunidade de fé
• nosso envolvimento com o mundo no qual vivemos

No aspecto comunitário há exemplos importantes na Bíblia Sagrada. A palavra mais forte nas Escrituras é "comunhão", "koinonia" no original grego, cuja raiz tem o sentido de "comum". Um texto que nos ajuda no aprofundamento deste tema é Atos 2: 42-45.
O envolvimento mútuo daqueles cristãos tinha quatro características:
• era assumido por "todos"
• fortaleceu-os fazendo com que se mantivessem juntos nas dificuldades
• era genuíno e espontâneo, nunca forçado (ser autêntico - prioridades)
• aumentou seu sentimento de unidade e harmonia

Outro bom exemplo de envolvimento está nos textos de Romanos 12:9-16 e I Coríntios 12:20-27. Neste último texto descobrimos quais são as características do envolvimento:

• Espontaneidade - v.25

Quando Deus pede um envolvimento, não é um envolvimento forçado. Nunca é imposto, mas brota naturalmente. Não é uma ordenança feita sob legislação; não é uma obrigação imposta. Ocorre porque a pessoa deseja, não porque tenha que se envolver.

• Vulnerabilidade - v.26

Aquele que se envolve com os outros nunca assume o "papel" de "bonzinho e certinho". Não; ele é humano, vulnerável - está exposto a ferir-se, aberto ao ataque, a incompreensões e lesões. É uma pessoa sem defesas.

• Responsabilidade - v.27

Somos responsáveis uns pelos outros. Estamos ligados uns aos outros. Isto é confortante, levando-se em conta que vivemos num mundo de isolamento e anonimato, um mundo indiferente e preocupado consigo mesmo. Alguém nos ama. Alguém se interessa por nós. Alguém nota quando sofremos.

I. INCENTIVO

Quando pensamos no nosso envolvimento no reino de Deus sabemos que precisamos de incentivo. Estamos falando de estimular e ser estimulado. Isto é incentivo. É inspirar os outros, dando-lhes renovada coragem, ânimo e esperança. Quando incentivamos outros, nós os estimulamos a prosseguir, nós os encorajamos e reanimamos. Significa gratidão e aprovação. Quer dizer que, mesmo não conquistando o direito de receber gratidão (porque falhamos ou porque não realizamos determinado propósito), ainda assim podemos ser aceitos - e na verdade, é nessa situação que mais necessitamos disso.
Um texto bíblico que nos ajuda aqui é Hebreus 10:23-25. Nele vemos que temos de descobrir meios de nos estimularmos uns aos outros, para que tenhamos um amor mais profundo, de uns pelos outros, e um maior envolvimento para fazermos o bem uns aos outros.
É lógico que essa questão de incentivo não é apenas um sorriso e um tapinha nas costas. A palavra "admoestação" de Hebreus 10:25 tem a mesma raiz da palavra "Consolador", usada para descrever o Espírito Santo em João 14:26 e 16:8. É formada por duas palavras gregas: "kaleo" - chamar, e "para" - ao lado. Deus nos chamou para "estarmos ao lado" de pessoas e para ajudá-las. Enquanto alguns pensam apenas em "destruir" as vidas dos outros, nós podemos ajudá-las a "construírem" suas vidas.

"Um dos mais elevados deveres do ser humano é o do encorajamento... É muito fácil jogar água fria no entusiasmo de alguém; é fácil desestimular uma pessoa. O mundo está cheio de 'desanimadores'. Mas nós temos o dever cristão de estimularmos uns aos outros. Quantas vezes uma palavra de agradecimento, de gratidão ou de ânimo tem mantido pessoas de pé". (Do livro: Firme seus Valores - Charles)

Autor(a): PR. RICARDO GONDIM
Fonte: www.bibliaworldnet.com.br

segunda-feira, 19 de abril de 2010

O TIÇÃO TIRADO DA FOGUEIRA

"... e vós fostes como um tição arrebatado da fogueira; contudo, não vos convertestes a mim, diz o Senhor" (Amós 4:11).
Nestes dias de balanço de minha vida, andei me lembrando do meu sermão de prova para licenciatura, pregado perante o antigo Presbitério de Leste, numa de suas reuniões na Terceira Igreja Presbiteriana Independente de São Paulo. Foi em janeiro de 1965, quando eu estava prestes a completar meus quarenta e três anos. Canhestramente, preguei sobre a experiência de Isaías no templo, quando foi comissionado para profetizar (Is 6:1-8). Aquele "envia-me a mim" não foi por mim cumprido, a não ser por doze anos do meu ministério. Desviei-me para o ensino e a ele me dediquei até hoje. Contudo, é Deus quem julga.

Hoje, lembranças do passado juntam-se comparativamente aos acontecimentos do presente, em que uma espécie de terror cósmico funciona como pano de fundo de fatos políticos e sociais ameaçadores para o futuro do planeta. Falamos em paz e temos guerra, falamos em prosperidade e somos amedrontados por possível catástrofe que comprometerá a sobrevivência da humanidade. Debates intensos sobre questões éticas e morais como aborto voluntário, eutanásia, células-tronco, clonagem e maioridade penal são insistentes nos meios de comunicação. Coisas estas que envolvem todos os segmentos da sociedade, desde indivíduos até corporações representativas, como partidos políticos, associações diversas e, principalmente, religiosas.

Desde o passado mais remoto, a religião é considerada como fundamental para as instituições de qualquer sociedade, nação, ou qualquer comunidade humana. Assim já afirmara, num passado distante, o conhecido historiador francês Fustel de Coulanges em sua célebre obra A Cidade Antiga (1864). Mas, onde está a religião diante do que está acontecendo no mundo e no Brasil?

Os jornais e a televisão noticiam todos os dias atos da sociedade e do Governo que bem merecem, ou mesmo exigem, pronunciamentos serenos e, em alguns casos, enérgicos, dos segmentos sociais responsáveis pela moral e pela ética e, neste caso, principalmente as igrejas cristãs. Mas, onde estão elas? A igreja ainda hegemônica, tanto numérica quanto culturalmente, a Igreja Católica, se limita a tímidos pronunciamentos enquanto usa o aparelho do Estado para subvencionar inconstitucionalmente a visita do papa com montante de recursos não revelado. Leia-se, com a contribuição dos muitos que não são católicos. Por isso, para ela não interessa entrar em choque direto com o Estado. Para completar cria, com a canonização de um mais um santo, mais uma respeitável fonte de riqueza com o futuro turismo religioso em Guaratinguetá- SP. A Igreja venderá velas e uma profusão de pílulas e medalhinhas milagrosas através do intenso comércio que se estabelecerá, ao mesmo tempo em que multidões encherão hotéis e restaurantes da cidade. Por outro lado, para vergonha dos evangélicos, apóstolos e bispas são presos por crime de malversação de dinheiro. Este é um exemplo do que ocorre em outras igrejas do mesmo gênero. Por outra porta, o Estado subvenciona de maneira absurda competições esportivas, como o próximo Pan-Americano no Rio de Janeiro, assim como já anuncia imensos gastos com a Copa do Mundo em 2014.

Há cristãos sinceros e honestos em todas as igrejas, inclusive católicos, que lançam protestos contra a repressão de teólogos, como o caso recente do jesuíta salvadorenho Jon Sobrino, disciplinado pelo Vaticano, cerceado portanto em sua liberdade de pensamento. Muitos evangélicos tradicionais também devem estar incomodados com a inércia de suas igrejas diante do caos moral do País.

Mas, e as igrejas onde estão? Estão tirando tições da fogueira, isto é, envidando esforços para atrair pessoas dos perigos do mundo para o seu abrigo seguro, longe da desordem que o assola. As igrejas inverteram o vetor de sua missão: em lugar de ir para o mundo como fermento e sal da terra (Gl 5, 9; Mt 5, 13), encolhem-se como fins em si mesmas. Escondem o fermento e o sal do Reino de Deus como um tesouro particular.

Não estaria na hora de as igrejas evangélicas históricas se unirem para assumir posição diante dos desafios do nosso tempo e, particularmente, do nosso País? Estariam acomodadas na irrelevância??

Autor (A): Antonio Gouvêa Mendonça
Antonio Gouvêa Mendonça é Professor Emérito do Programa de Mestrado e Doutorado em Ciências da Religião - UMESP. E Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da Univ. Presb. Mackenzie - São Paulo. E-mail: agmendonca@mmol.com.br

sexta-feira, 16 de abril de 2010

O QUE FAZER QUANDO NÃO SE SABE O QUE FAZER

O rei Josafá está encurralado por adversários medonhos e insolentes. Uma grande multidão, fortemente armada estava pronta para atacar Jerusalém. Não dava tempo para reagir nem Josafá tinha recursos para resistir àquele aparato militar que pretendia varrer Jerusalém do mapa. Ao saber da tragédia, humanamente irremediável, Josafá teve medo e pôs-se a buscar o Senhor, convocando a nação para orar e jejuar. Em sua oração, o rei disse: "Ah! Nosso Deus, acaso, não executarás tu o teu julgamento contra eles? Porque em nós não há força para resistirmos a essa grande multidão que vem contra nós, e não sabemos nós o que fazer; porém os nossos olhos estão postos em ti" (2Cr 20.12). Diante da situação tão desesperadora, Josafá admite sua incapacidade; reconhece que não sabe o que fazer, mas põe os seus olhos em Deus. Desse episódio podemos tirar quatro lições:



1. Quando você não souber o que fazer, busque a Deus em oração e jejum (2Cr 20.3) - Há momentos em que os problemas vêm sobre nós como uma torrente caudalosa, como uma avalanche avassaladora, como um terremoto assustador. Nessas horas, nossos recursos são absolutamente insuficientes para enfrentarmos a situação e nada podemos fazer senão recorrermos ao Deus do céu, e clamar por sua ajuda e socorro. A oração e o jejum são recursos sobrenaturais, são armas espirituais à disposição do povo de Deus. Quando agimos por nossa própria destreza e fiados em nossos próprios recursos, ficamos sujeitos a derrotas acachapantes. Mas, quando buscamos a Deus em oração e nos humilhamos sob sua onipotente mão, então, seu braço onipotente sai em nossa defesa e nos concede vitória.



2. Quando você não souber o que fazer, confie nas promessas de Deus (2Cr 20.4-12) – Não basta orar, precisamos orar como convém. Não basta pedir, precisamos conhecer aquele a quem pedimos. Josafá reconhece que Deus é o soberano Senhor nos céus e domina sobre todos os reinos da terra. Ele ora consciente de que nas mãos de Deus estão toda força e poder e não há quem lhe possa resistir. Quando compreendemos a grandeza de Deus, nossos grandes problemas se apequenam. Mas, Josafá deu um passo além em sua oração: ele fulcrou sua súplica nas promessas de Deus. Ao mesmo tempo em que buscou a Deus em oração, abriu as Escrituras para orar e fundamentar sua petição no alicerce firme das promessas de Deus. Oramos com eficácia quando ancoramos nossas petições nas promessas daquele que tem zelo pela sua Palavra e fidelidade em cumpri-la.



3. Quando você não souber o que fazer, ouça e obedeça a Palavra de Deus (2Cr 20.13-19) - Quando todos os homens, mulheres e crianças se reuniram para falar com Deus em oração, Deus se manifestou e falou com eles, trazendo-lhes sua Palavra. Por intermédio da oração falamos com Deus; por meio da Palavra Deus fala conosco. A Palavra divina que veio ao povo encorajou-o a não olhar para as circunstâncias e não temer as ameaças do inimigo. Deus lhes acalmou o coração dizendo que pelejaria por eles e lhes daria a vitória. A Palavra gerou fé no coração deles e tirou seus olhos do problema para colocá-los no Deus que está acima e no controle da situação.



4. Quando você não souber o que fazer, louve a Deus com confiança (2Cr 20.20-30) – Quando o povo ouviu a voz de Deus, o medo foi substituído pelo louvor. Eles enfrentaram os exércitos inimigos não com armas carnais, mas com louvor. Eles não louvaram depois que o inimigo foi derrotado; louvaram para derrotar o inimigo. O louvor não é apenas conseqüência da vitória, mas é a causa da vitória. "Tendo eles começado a cantar e a dar louvores, pôs o Senhor emboscada contra os filhos de Amom e de Moabe e os do monte Seir que vieram contra Judá, e foram desbaratados" (2Cr 20.22). O louvor é o brado de triunfo dos filhos de Deus no campo de batalha. Quando os problemas parecerem insolúveis, faça o que fez Josafá: ore, jejue, obedeça, e louve ao Senhor, e o inimigo será desbaratado.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

VOCÊ ESPECIAL

GOOGLE +