sexta-feira, 28 de maio de 2010

Mãe, não abra mão de seus sonhos

Ana tinha um sonho. Esse sonho alimentava a sua vida. Ana tinha um problema insolúvel, ela o apresentava a Deus. Ana era estéril, mas ela não abria mão de ser mãe. Ana sofria toda sorte de zombaria de sua rival Penina, mas ela não retribuía o mal com o mal. Ana não mergulhou o seu coração nas águas turvas da incredulidade, mas derramou a sua alma diante de Deus. Ana não se revoltou com o sacerdote Eli pelo seu mau juízo a seu respeito, chamando-a de bêbada, mas prontamente acolheu a sua palavra, quando ele falou como profeta de Deus.

Ana tinha conflitos. Também nós os temos. Como conjugar o amor de Deus com a doença que conspira contra a realização dos nossos sonhos? Por que Deus adia a realização dos nossos sonhos mais legítimos? Por que Deus deixou Ana estéril e cerrou a sua madre? Por que sendo ela uma mulher piedosa e amada de seu marido, não podia afagar em seu colo um mimoso rebento? Ana, porém, longe de ficar revoltada com Deus pela situação, busca a sua face em oração, derrama a sua alma diante do Senhor e chora aos pés daquele que tem todo o poder para fazer com que a mulher estéril seja alegre mãe de filhos. Ana não desiste de crer mesmo em face do diagnóstico definitivo dos homens, mesmo diante das evidências irreversíveis de sua doença incurável. Ela não abre mão de seus sonhos, mesmo que todas as circunstâncias ao seu redor lhe sejam desfavoráveis. Ana prevaleceu pela fé. Ana creu. Ana concebeu e deu à luz não apenas a um filho, mas ao maior homem da sua geração, Samuel.

Quais as razões de Deus adiar os nossos sonhos, se eles são legítimos? À luz de I Samuel 1, podemos afirmar:
 1) Deus adia a realização dos nossos sonhos para que possamos buscar a sua face em oração – Mais importante que as bênçãos de Deus é o Deus das bênçãos. Os sonhos adiados, via de regra, nos levam à presença de Deus (v.10,12,15).
2) Deus adia a realização dos nossos sonhos, para que depois do sonho realizado, possamos entender que a vitória não é resultado do nosso esforço, mas da intervenção soberana da sua mão – Foi por esta razão que Samuel não foi um ídolo na vida de Ana.
3) Deus adia a realização dos nossos sonhos, para que depois do sonho realizado, possamos consagrar a ele o que ele mesmo nos deu – Ana não tem dificuldade de dedicar a Deus o seu filho Samuel, porque sabe que ele veio de Deus, é de Deus e deve ser consagrado para Deus.
4) Deus adia a realização dos nossos sonhos para que possamos entender o seu supremo propósito –
Ana queria apenas ser mãe, mas Deus queria algo maior para ela. O propósito de Deus era maior que o sonho de Ana. O desígnio de Deus era que Ana fosse mãe do maior profeta daquela geração. Quando você pensa que Deus está distante, ele na verdade está trabalhando em seu favor, preparando algo melhor para você. Mais importante que realizar os seus sonhos, é viver os sonhos de Deus.

Mãe, não abra mão de seus sonhos, não abra mão de seus filhos. Mesmo que as dificuldades sejam humanamente intransponíveis, creia no Deus dos impossíveis e milagres poderão acontecer na sua vida e na vida de seus filhos para que eles sejam baluartes na sua geração.

Rev. Hernandes Dias Lopes

quinta-feira, 27 de maio de 2010

APRENDENDO COM A GENEOLOGIA DE CRISTO IV

A última mulher que é mencionada na genealogia de Cristo é Bateseba, a mulher de Urias. Um dia, o rei começou a cobiçar Bateseba. Apesar dela ser uma mulher casada, o rei começou a aproximar-se dela e pressioná-la. Você sabe como são as coisas... Talvez, no início, Bateseba revoltou-se com a idéia de ser infiel a seu marido, mas com o tempo passou a sentir-se lisonjeada. Poucas mulheres seriam capazes de despertar a atenção do rei.

Alguma vez você já foi pressionada pelo seu chefe e de repente caiu? E agora tenta se justificar dizendo: "eu não tive culpa, é que se eu não cedesse, perderia o emprego; ou não conseguiria aquela mudança de status; ou se eu não cedesse, não poderia ingressar na faculdade; não conseguiria aquela carreira". Tive que ceder porque a pressão era muito grande?

Bom, Bateseba é a típica mulher que se sentiu pressionada pelo chefe, mas por favor não pense que ela caiu por causa da pressão. Talvez, imperceptivelmente, mas ela entrou no jogo. Houve uma mistura de desejo pecaminoso e pressão que acabou em pecado. Um pecado que trouxe dor à sua família. Ficou grávida do rei e com tristeza viu como o rei mandou matar seu marido. Sofreu as conseqüências de seu erro. Sentiu-se miserável, acabada, sem perdão. Sentiu que não havia esperança para ela. Seu primeiro filho ficou doente e ela pensava: é a conseqüência de meu erro.

Há porventura em sua vida um homem e filhos inocentes que estão sofrendo vergonha pelo seu pecado? E você não sabe aonde ir. E sua vida transformou-se numa noite que não acaba?

Então veja, Bateseba descobriu um dia o perdão de Deus e caiu aos Seus pés, não justificou o seu pecado. Não disse: "Deus, caí porque o chefe pressionava e pressionava". Não! Ela reconheceu, como Davi, seu erro:

- Senhor, sou a única culpada. Não necessito explicar, não necessito justificar. Só preciso ser perdoada e estou aqui. Sou uma pecadora, por favor, me perdoe.

E Deus abriu os braços e a recebeu. E amigo querido, quando Deus perdoa, Ele esquece. Nunca mais se lembra do passado. E na árvore genealógica de Cristo, Deus não tem vergonha de colocar o nome de Bateseba.

Que grande amor! Enquanto as pessoas daquele tempo teriam vergonha de colocar o nome de uma mulher na sua árvore genealógica, Deus coloca quatro mulheres na família de Jesus. E não são quatro fontes de virtude. Três delas conheceram o outro lado da vida. E uma delas vivia atormentada pela sua origem. Nascera do incesto.

Neste momento Jesus se dirige a você e diz: "Filho, não me importa quem é você, não importa como você viveu, não me importa como você pode estar agora nem os traumas que você carrega, não importa os complexos que podem estar deturpando o seu caráter, não importa quão infeliz você se sinta, nem quão sozinho ou perdido você possa estar, não importa quão atormentado pelo complexo de culpa você viva ou quanto medo do inferno, do juízo final e da condenação você tenha. Neste momento você pode vir a mim".

Amigo querido, Jesus está com os braços abertos esperando você. E lembre-se: quando Deus perdoa Ele esquece e transforma. Por isso, o receberá. Não tenha vergonha de declarar ao mundo que você ama a Jesus porque Ele também não terá vergonha de declarar diante do Universo que você é parte da família de Deus.

Abra seu coração a Jesus.

ORAÇÃO

Pai querido, aceita-me como sou e me transforma pelo Teu poder. Apaga meu passado e mostra-me as belezas de um futuro sem fim. Em nome de Jesus. Amém.

Pr. Alejandro Bullon

A Familia em Tela

O apóstolo Paulo, o grande paladino e bandeirante do Cristianismo, inspirado pelo Espírito de Deus, fala-nos de forma eloquente sobre a família em Colossenses 3:18-21. Ele coloca a família em tela e nos ensina grandes princípios:

DISCIPLINA, COMO NEGOCIAR O NEGOCIAVEL

Disciplina é uma palavra fora de moda no mundo pós moderno. Predomina hoje a liberdade sem fronteiras. A pós-modernidade, sustentada pelo tripé da pluralização, privatização e secularização, ensina que não existe um padrão de conduta absoluto e que cada um deve escolher o seu modo de viver sem ter que dar satisfação de suas escolhas. A disciplia seria uma agressão à individualidade, uma intromissão ao mundo particular, indevassável e não compartilhado. A lei básica que prevalece hoje é: faça o que lhe dá prazer, o que é importante é você se sentir bem. É proibido proibir. Cada um deve escolher o que melhor lhe agrada sem a interferência de quem quer que seja.

ESPANTADOS OU TRANSFORMADOS

No capítulo nove de Atos dos Apóstolos conta-se a conversão de Saulo de Tarso. Como perseguidor da Igreja, ia para Damasco com o intento de continuar a perseguição aos crentes. No caminho, Deus fez brilhar sobre ele uma forte luz do céu que o lançou por terra, ouvindo ao mesmo tempo uma voz que lhe perguntava: “por que me persegues?” À pergunta de Saulo: “Quem és tu Senhor?” ele recebe a resposta: “Eu sou Jesus a quem tu persegues.” A revelação de Jesus ao seu coração operou uma tal transformação que o levou a perguntar humildemente: “Senhor, que queres que eu te faça?”

PERDIDO DENTRO DA IGREJA

O texto de Lucas 15.25-32, fala sobre o irmão do filho pródigo. Ele aponta o terrível perigo de estar na casa do pai, dentro da igreja, obedecendo leis, cumprindo deveres, sem se enveredar pelos antros do pecado, e ainda assim, estar perdido. Podemos chegar a essa conclusão pelas seguintes razões:

1. Vive dentro da igreja, mas não é livre (v. 29) – Ele não vive como filho, mas como escravo. Faz as coisas certas com a motivação errada. Sua obediência não provém do coração, mas da obrigação. Ele nunca entendeu o que é ser filho. Nunca conheceu o amor do Pai. Muitos, também, estão na igreja por uma mera obrigação. Obedecem, mas não têm alegria. Estão na casa do Pai, mas vivem como escravos.

2. Vive dentro da igreja, mas está com o coração cheio de amargura (v. 29,30) – O filho mais velho irrita-se com a misericórdia do Pai. Ele não se alegra com a restauração do seu irmão caído. Para ele quem erra não tem chance de restauração nem deve ser objeto de perdão. Na religião dele não havia agenda para o amor. Mas a Palavra de Deus diz que quem não ama a seu irmão ainda permanece nas trevas. O ódio que ele sentia pelo irmão não era menos grave que o pecado de dissolução que outro cometera fora da igreja. O ressentimento que crepitava em seu coração o isolou do Pai e do irmão. Ele se recusou a entrar em casa para celebrar a volta do irmão arrependido, antes encolheu-se, magoado, revoltado, envenenado pela mágoa destruidora.

3. Vive dentro da igreja, na presença do Pai, mas anda como solitário (v. 31) – Ele anda sem alegria. Está na casa do Pai, mas não tem comunhão com ele. Muitos também, estão na igreja, mas não têm intimidade com Deus, não desfrutam da alegria da salvação, não experimentam as doces consolações do Espírito, vivem como órfãos, sozinhos, curtindo uma solidão dolorosa.

4. Vive dentro da igreja, mas não se sente dono do que é do Pai (v. 31) – Ele era rico, mas estava vivendo na miséria. Tinha toda a riqueza do Pai à sua disposição, mas vivia como escravo. Era filho, mas não banqueteava com os seus amigos. Assim, também, muitos vivem na igreja sem experimentar os banquetes do céu, servindo a Deus por obrigação, sem alegria no coração.

O mesmo Pai que saiu para abraçar o filho pródigo arrependido, sai para conciliar este filho revoltado. O arrependido, com o coração quebrantado, festejou a sua restauração; o outro, ficou do lado de fora, perdido, com o coração endurecido.

Rev. Hernandes Dias Lopes.

AGORA VEJO

"O texto para a mensagem de hoje está contido no Evangelho segundo São João 9:1-7 "Caminhando Jesus, viu um homem cego de nascença. E os seus discípulos perguntaram: Mestre, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego? Respondeu Jesus: Nem ele pecou, nem seus pais; mas foi para que se manifestem nele as obras de Deus. É necessário que façamos as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar. Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo. Dito isso, cuspiu na terra e, tendo feito lodo com a saliva, aplicou-o aos olhos do cego, dizendo-lhe: Vai, lava-te no tanque de Siloé (que quer dizer Enviado). Ele foi, lavou-se e voltou vendo."


Comecemos analisando o verso um: "Caminhando Jesus, viu um homem cego de nascença." Lá estava o pobre homem, nascera cego, crescera cego, vivera a vida toda cego. Não importa o motivo da sua cegueira, o fato é que estava ali. Hoje, pelo menos, os cegos têm oportunidade de crescer, e se desenvolver. Um cego, pode tranqüilamente ser cientista, professor, psicólogo ou o que desejar. Os cegos não estão mais privados de nada. Graças à leitura no sistema Braille, hoje o cego pode se desenvolver como qualquer outra pessoa. E graças a Deus pela oportunidade que os cegos físicos estão tendo hoje. Mas, naqueles tempos, não havia a leitura no sistema Braille. A sociedade não se preocupava com os cegos. Ao contrário, quando uma criança nascia cega, a sociedade pensava: está pagando por algum pecado. Vocês dirão: "mas como pode ter pecado, uma criança que recém nasceu?" Os judeus, naquela época, acreditavam nos pecados pré-natais. Acreditavam na punição por causa do pecado dos pais, avós e bisavós. Então, se ela estava pagando pelos pecados, que sofresse. Para que estender a mão? Para que ajudar? Para que fazer crescer? Um pecador tinha que pagar pelo seu pecado. Assim somos os seres humanos, implacáveis! Julgamos e condenamos, não concedemos outra oportunidade para as pessoas!


Um cego, nos tempos de Cristo, não ía à escola, não aprendia a ler, não podia trabalhar. Então, o que se poderia esperar de um cego? Ele acabava a vida pedindo esmolas. Esta era a situação daquele pobre homem. Estendia a mão para viver da caridade das pessoas. Ali, num canto, jogado, chutado, desprezado. Se alguém tivesse piedade, daria um centavo. Se não, todos passariam indiferentes sem olhar para ele.


Mas o texto bíblico diz: "Caminhando Jesus, viu um homem cego de nascença." João 9:1. Ao vê-lo, Jesus parou. Isto é maravilhoso, meu amigo! Em meio à multidão, Jesus viu aquele pobre cego. Você está aí, diante da TV, num cantinho, na penumbra, no leito de um hospital ou na cela de uma prisão. Pode pensar que ninguém se lembra de você, que ninguém pode entender seus problemas. Entre, por exemplo, às quatro ou cinco da tarde, no Metrô de São Paulo e você vai se sentir preso como numa lata de sardinhas. Fique parado, ao meio-dia, na esquina da Av. Rio Branco com a Rua Sete de Setembro, no Rio de Janeiro e você vai ver a multidão entrando e saindo, passando, correndo, subindo, atravessando a rua. Você fica ali, parado, mas ninguém olha pra você. Ninguém presta atenção. Você pode estar morrendo de fome, quem se importa? Pode ter perdido a família, quem se importa? Pode estar sem emprego, quem se interessa? Ninguém olha para ninguém. Neste mundo as pessoas vivem sozinhas, sobrevivem sozinhas. Ou, na melhor das hipóteses, cuidam das pessoas que estão perto delas, da sua família e de mais ninguém.


Mas, o que me impressiona do texto bíblico é que Jesus passava e viu um homem cego de nascença, rejeitado, desprezado, solitário. Jesus o viu. Ah! Jesus não vê multidões. Jesus vê indivíduos. Para Jesus não existe massa, existem pessoas.


Neste momento, Jesus está aí e pode ver você. Ele sabe a cor da roupa que você veste, sabe as lutas íntimas de seu coração. Conhece as lágrimas que você derrama e que ninguém compreende. Sabe as angústias que o perturbam. Sabe as indecisões em que você vive. Enfim, Ele compreende você.


Alguma esposa maltratada pelo marido, desprezada pelos filhos, menosprezada, explorada, humilhada, está me assistindo? Você não tem para onde ir? Onde está o marido que, um dia, jurou amor eterno? Onde estão os filhos a quem você dedicou a vida e hoje nem sequer lembram de você? Sente-se murchando na vida, enrrugada pelo tempo? Acabada? E você pensa assim: "estou sozinha, ninguém pode entender o meu mundo, ninguém pode entender minha lágrima."


Ah, querido, Jesus é capaz de parar e olhar você e saber até quantos cabelos você tem. Ele diz, na Sua Palavra: "Até os cabelos da vossa cabeça todos estão contados." Lucas 12:7


Ele é capaz de saber o dia do seu aniversário. Saber que você, antes de ligar a televisão, brigou com o marido ou com a esposa. Saber que você convidou o seu filho, para assistir o programa, mas ele não quis. E você está triste porque gostaria que seu filho mudasse de vida. Diga-me: qual o drama que você vive, qual é a angústia que bate em seu coração? O que arranca lágrimas dos seus olhos? Jesus conhece tudo. Ele estava lá e de repente, no meio da multidão, viu um cego e parou. Neste momento também, Jesus pára perto de você e conhece a história de sua vida. Sabe que neste momento você está orando em seu coração: "Senhor, opera um milagre na minha vida", porque você traiu o Senhor Jesus. Você falhou, entrou em lugares que não devia ter entrado. Fez coisas que nunca devia ter feito. Você manchou o nome de Jesus, jogou seus princípios no chão. Ninguém viu, ninguém sabe, mas você sabe. A consciência o perturba. Não está feliz com esta situação. Não quer viver deste jeito, não aceita este estado de coisas, mas não tem força. Luta para se libertar e não pode.


Clama a Deus por um milagre e o milagre não acontece. Ao ligar a TV e assistir a este programa, no fundo do seu coração, você está clamando por um milagre. E Deus conhece a história de sua vida e se dirige a você, quer lhe mostrar onde está o segredo de uma vida feliz, cheia de paz. Não importa quem é você, nem onde está. Talvez deitado num leito de hospital, pensando que ninguém se lembra de você, que está perdido, no anonimato. Jesus pára e olha nos seus olhos.


Está você ouvindo na cela de uma prisão, pagando o preço da vida errada que você viveu? Jovem ainda, cheio de vida e condenado a dez, quinze, vinte anos de prisão? Ninguém se lembra de você? Ninguém, neste país, sabe que você existe? Mas, Jesus vem e atravessa as paredes da prisão e o encontra aí sentado, com um aparelho ligado, assistindo a esta mensagem. E isto, meu amigo, não é teoria. Não estou pregando o que me ensinaram na faculdade de Teologia. Não estou ensinando o que li em algum livro, estou falando o que Jesus significa para mim.


Eu era uma criança pobre que nasceu e cresceu numa cidade pequena, no interior do meu país, o Peru. Uma cidade pobre que não tinha sequer luz elétrica, nem água potável, nem esgoto. Uma criança que andava sem sapatos, mas clamou em seu coração pelo poder de Deus e hoje você pode me ver aqui na TV! Como poderia imaginar que Deus ía olhar para uma pequena cidade perdida entre as montanhas e enxergar a vida de uma criança que fez uma oração em seu coração? Então, eu não estou falando o que eu aprendi na Faculdade de Teologia, mas porque um dia o olhar maravilhoso de Deus me alcançou, me resgatou, me abriu os olhos. Retirou-me daquela cidadezinha e me fez cidadão do mundo. Hoje, quando vou de um lugar para o outro, quando vejo a multidão reunida para ouvir a Palavra de Deus, milhares de pessoas sentadas em frente à televisão assistindo ao programa "Está Escrito", louvo o nome de Deus, porque aquela criança, clamou um dia e Jesus parou e olhou para ela e lhe deu as oportunidades da vida.


Estou falando, neste momento, para um jovem que terminou o Segundo Grau e não consegue passar no vestibular? Quer estudar na Universidade e não tem dinheiro? Estou falando para alguém que sonhava ser médico e já está ficando velho e não consegue realizar seu sonho? Anda fazendo biscates para sobreviver e vê as outras pessoas crescendo e progredindo e você não consegue? Sente-se insignificante, sozinho, anônimo, perdido no meio da multidão? Clame a Jesus agora, aí onde você está e Jesus parar e olhar para você. Ele vai lhe dar a grande oportunidade que você está precisando. Você não tem o direito de sentir-se esquecido. Não importa quanto você está sofrendo ou quanto as pessoas têm maltratado você.


Espere um momento! Tudo isto pode acontecer nesta vida, mas, Jesus parou e olhou para aquele cego e os discípulos fizeram a pergunta: "... Mestre, quem pecou, este ou seus pais...? Respondeu Jesus: Nem ele pecou nem seus pais; mas foi para que se manifestem nele as obras de Deus." João 9:2 e 3


Eu li este texto quando eu era um garoto de quinze anos e meu coração ficou revoltado porque pensei assim: este rapaz nasceu cego para que as obras de Deus se operassem na vida dele? Que tipo de Deus é esse que o faz nascer cego só para Ele ter a oportunidade de mostrar o Seu poder? Quer dizer que nós somos cobaias nas mãos de Deus?


Ah, se Deus fosse assim, não merecia que eu O reconhecesse como Deus, que O amasse, que confiasse nEle. Como confiar em alguém que para mostrar Seu poder, tem que fazer sofrer as pessoas? Este pensamento me perturbou muito, até que um dia, entrei na Faculdade de Teologia, para estudar a Bíblia em hebraico, em grego, que são as línguas originais da Bíblia. São Paulo não falava português, falava grego. Mateus escreveu em grego. O grego é uma língua poderosa, uma língua expressiva, diz muita coisa em poucas palavras. E em grego, o texto diz assim: "Nem ele pecou, nem seus pais, mas para que nele fossem feitas as obras de Deus, ele nasceu assim." Só que este "para que nele", em grego, é a preposição inã que quer dizer "para que" ou "por causa de".


Então, literalmente, este verso diz: "Este cego não pecou, seus pais também não pecaram, mas inâ as obras de Deus se realizarão nele." Quer dizer: "já que nasceu cego, já que está assim, por causa desta situação, o poder de Deus vai se manifestar." Em outras palavras, Deus vai aproveitar esta situação adversa para operar seus milagres. Ele não tem culpa, os pais não têm culpa, Deus não tem culpa. Mas já que está assim, Deus vai operar um milagre. Isto sim é coerente com o caráter de Deus.


Querido, ouça isto: o sofrimento, a dor, a morte, a tragédia, a desgraça não foram criadas por Deus. Este mundo saiu perfeito das mãos de Deus. As rosas não tinham espinhos. Não existiam pernilongos. A cobra não era um bicho nojento que se arrasta e pica, era um ser perfeito. Não havia briga, egoísmo, inveja, dor, enfermidade, morte. Este mundo era perfeito. Mas, nós, os seres humanos, representados em Adão e Eva, vendemos este mundo para o diabo. E o vendemos barato. Por um minuto de curiosidade, por um minuto de prazer.


Hoje, este mundo pertence ao inimigo de Deus. Talvez esta idéia não lhe agrade. Talvez você não queira aceitar o fato de que este mundo hoje pertence ao inimigo. Porém, este mundo pertence tanto ao inimigo que quando Jesus esteve nesta Terra, o Diabo se atreveu a ir dizer a Jesus. Vejamos o que a Bíblia diz em Mateus 4:8 e 9: "Levou-o ainda o diabo a um monte muito alto, mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles, e lhe disse: Tudo isso te darei se, prostrado me adorares."


Este mundo não era do inimigo, era de Deus, Ele nos confiou, mas nós arruinamos tudo. Nós o vendemos barato. Agora, ele se deleita em colocar doença, pobreza, miséria, egoísmo e morte. É por isso que nascem crianças enfermas e cegas. É por isso, por causa do egoísmo que entrou no mundo, que hoje nos deleitamos em crescer pisando as pessoas. É por isso que hoje existe inveja, ciúme. É por isso que hoje o caráter das pessoas está distorcido. Que você machuca as pessoas que mais ama e depois se arrepende, sofre, dói e pede perdão. Mas, já machucou, não tem mais remédio, abriu uma ferida que, às vezes, nem o tempo pode fechar.


Foi o inimigo que colocou isto no mundo. Agora, Jesus disse: "Já que o mundo está estragado, já que esta pobre criança está cega porque o diabo colocou a mão, por causa disto, o poder de Deus vai se manifestar. Eu vou resolver este problema. Vou operar atos maravilhosos, para mostrar aos seres humanos, que a única saída sou Eu. Então se aproximou do cego e colocou barro em seus olhos. E disse: Filho "... Vai, lava-te no tanque de Siloé." João 9:7


Eu pergunto: hoje, este Jesus que teve poder até para ressucitar Lázaro, para fazer andar o paralítico, para transformar água em vinho, este Jesus todo-poderoso, não tinha poder para dizer simplesmente "Vê", e o cego ficaria vendo? Claro que podia. E por que não o fez? Porque, mais uma vez, Ele queria a participação humana. Ele não pode fazer nada sem o consentimento do homem. Jesus pode operar um milagre em sua vida, mas não vai entrar pela força. Não vai derrubar a porta e entrar.


Ele diz somente: "Segue-Me." E você tem que segui-Lo. É você que tem que tomar a decisão. Quem é você? Qual é a grande luta que você está tendo em sua vida? O que quer mudar em sua vida? De onde você quer que Jesus tire você? Qual é o socorro que você precisa? Qual é o drama que você vive? Que milagre você quer que Deus opere sua vida?


Clame a Jesus, porque a voz dEle é clara: "Filho, vem, segue-Me. Toma Tua cruz e segue-Me." E sabe qual é a maior cruz que temos que tomar? Renunciar a nós mesmos, renunciar à idéia de lutar sozinhos. Aprender a depender, a sentir-nos crianças, a extender a mão, e dizer: "Senhor, entrego-Te minha vontade porque eu sozinho estou perdido."


Abra seu coração a Jesus agora, não importa onde e como esteja.


ORAÇÃO

Pai querido, vem, abre os nossos olhos para vermos a fragilidade de nossas decisões. Por favor, estende Teu braço poderoso e muda nosso coraçào operando o milagre que precisamos neste momento, agora. Onde Teus filhos estiverem, responde com misericórdia e com poder, em nome de Jesus. Amém.


PR. ALEJANDRO BULLÓN


DA CULPA AO PERDÃO

"Alguma vez você já se sentiu rejeitado, condenado e sem direito a se aproximar de Jesus? Alguma vez você já sentiu que apesar de todos os bens materiais que conseguiu na vida, continua havendo uma sensação de vazio lá dentro do seu coração que não o deixa ser feliz? Então sua vida tem muito a ver com a história de Zaqueu.

Vamos ver o que podemos aprender com a história de Zaqueu: "E, tendo Jesus entrado em Jericó, ia passando. E eis que havia ali um varão chamado Zaqueu; e era este um chefe dos publicanos, e era rico. E procurava ver quem era Jesus, e não podia, por causa da multidão, pois era de pequena estatura. E, correndo adiante, subiu a uma figueira brava para o ver; porque havia de passar por ali. E, quando Jesus chegou àquele lugar, olhando para cima, viu-o e disse-lhe: Zaqueu, desce depressa, porque hoje me convêm pousar em tua casa" (Lucas 19:1-5).

Zaqueu é apresentado na Bíblia como o símbolo do homem pecador. A história diz que Zaqueu era rico. Homens ricos geralmente usam roupas finas e caras. É interessante notar que às vezes, o pecador é simbolizado na Bíblia por um homem pobre, mal vestido ou quase nu, como no caso do filho pródigo, que voltou para casa vestindo trapos de imundícia e cheirando a porcos. Como na história de Maria Madalena, que foi arrastada pelos cabelos, seminua; ou como no caso do cego de nascença que ficava na porta do templo pedindo esmolas.

Já outras vezes, o pecador é simbolizado por um homem rico e bem vestido, como no caso de Naamã, o capitão do exército sírio, que por trás das suas vestes finas e condecorações gloriosas, escondia a miséria de uma lepra consumindo sua vida.

Este também era o caso de Zaqueu, que aparentemente tinha tudo para ser feliz: usava roupas finas, seus filhos talvez estudassem em escolas particulares de primeira classe, morava numa das mansões da cidade de Jericó, mas não era feliz. Sentia-se rejeitado pela sociedade e atormentado pela própria consciência.

Por que o pecador às vezes é simbolizado por um homem pobre e quase nu, e outras por alguém rico e bem vestido? O que Deus está querendo nos dizer?

Sabe, o que Ele está dizendo é que perante Seus olhos, todos os seres humanos são pecadores, com apenas uma diferença: uns são flagrados em seu erro, e seu pecado é descoberto e exposto para vergonha pública. Dedos acusadores levantam-se muitas vezes para apontá-los e condená-los; estão nus. Outros, perante os olhos divinos, são tão pecadores como os primeiros, mas a lepra do pecado está oculta embaixo de uma vestimenta brilhante. Podem passar pela vida sem que nunca ninguém descubra seu erro. Estão vestindo roupas finas, mas infelizes, desprezados, vazios por dentro, como Zaqueu.

Esses dois grupos precisam de Jesus. Precisam entender que aos olhos da igreja e da sociedade podem ser diferentes, mas são iguais aos olhos de Deus.

Zaqueu procurava ver "quem era Jesus". Estava certo. Vivia uma vida de pecado, usava para proveito próprio a posição que o governo tinha lhe confiado, mas estava certo em sua busca. Cristianismo não é moralismo. A primeira preocupação não deveria ser o que farei ou o que não farei e sim quem é Jesus, a quem amarei e a quem servirei?

No caminho de Damasco, a primeira pergunta de São Paulo não foi: "Que queres que eu faça?", mas sim, "Quem és, Senhor?"

Cristianismo nunca foi apenas o cumprimento dos quês da igreja, mas acima de tudo fidelidade ao Quem, àquEle que nos achou, nos amou, nos perdoou, e nos transformou.

Zaqueu estava certo. Procurava saber quem era Jesus, mas não podia, por causa da "multidão". Qual era a grande dificuldade? Sua pequena estatura? Seu peso? Sua raça? Sua posição social? O que fazia sentir-se indigno? Sua pouca ou muita instrução? Não, isso nunca foi problema para chegar a Jesus. Era a multidão que não lhe permitia aproximar-se do único capaz de preencher-lhe o coração e transformar-lhe a vida.

Você já percebeu que durante o ministério de Cristo na Terra, as multidões sempre atrapalharam a obra da redenção? Lembra do paralítico que um dia precisava desesperadamente de Jesus para ser curado, mas não podia chegar perto dEle por causa da multidão? Os amigos tiveram que fazer um buraco no teto para que pudesse chegar ao Salvador.

Já leu a história da mulher com fluxo de sangue que teve que abrir caminho em meio à multidão para poder tocar o manto de Cristo?

Consegue imaginar o cego que precisava de visão, clamando em alta voz: "... Jesus, Filho de Davi, tem misericórdia de mim!" (Lucas 18:38)

As multidões ordenaram-lhe guardar silêncio, mas ele continuou gritando.

As multidões sempre se consideraram fiscais da salvação. "Você não, porque é leproso." "Você sim, passe adiante." "Você espere, está imundo; primeiro tome um banho, está cheirando mal, para chegar perto de Jesus."

Certo dia a multidão queria impedir que as crianças se aproximassem do Mestre. Então a voz doce de Jesus disse: "... Deixai vir os meninos a mim, e não os impeçais; porque dos tais é o reino de Deus" (Marcos 10:14).

Multidões! Deus tenha misericórdia das multidões que andam com uma vara de medir a fé e dizer quem é digno e quem não é. Que Deus nos ajude a mostrar ao mundo quem é Jesus. Que Deus nos ensine a tomar a mão dos que se sentem derrotados, tristes, frustrados e rejeitados. Que nos mostre como segurar o braço dos que pensam que nunca conseguirão. Que nos ajude a amá-los, a compreendê-los, a levá-los a Jesus.

Zaqueu sentia-se indigno e pecador. Porém, a multidão o fez sentir-se mais indigno e pecador ainda. Então o homem rico de Jericó pensou que o melhor seria ficar de fora e limitar-se a olhar a Jesus de longe. Foi aí que caiu no erro de muitos hoje, que pensam que cristianismo é seguir a Jesus de longe.

Cristianismo, meu amigo, é um relacionamento diário e permanente com Jesus. Não importa se a multidão dificulta sua aproximação dEle. Faça como o paralítico, que entrou pelo teto, ou como a mulher com o fluxo de sangue, que abriu espaço entre a multidão, ou então clame como o cego: "Jesus, Filho de Davi, tem misericórdia de mim!" Mas não fique em cima da árvore. Não existem desculpas para ficar longe, na passividade de um sicômoro ou na indiferença de quem vê Jesus passar. Cristianismo é compromisso com Jesus, é envolvimento com Sua igreja, é a participação de Sua missão. Cristianismo nunca foi contemplar Jesus comodamente de um sicômoro, enquanto se ruminam mágoas e ressentimentos e se é consumido por lembranças tristes que a multidão imprimiu dolorosamente em sua vida. Não, cristianismo é chegar perto de Jesus, apesar da multidão.

Jesus atravessava a cidade seguido pela multidão, e lá estava Zaqueu em cima de um sicômoro. Por que será que os homens estão sempre plantando árvores para ficar em cima vendo Jesus passar? Zaqueu estava em cima de um sicômoro. Mas podia ter sido uma árvore de preconceitos, temores ou dúvidas. Quem sabe uma árvore de mágoas, ressentimentos ou simplesmente de orgulho e incredulidade. Tanto faz.

De repente, Jesus parou e, em meio a tanta gente, olhou para Zaqueu: "... Zaqueu, desce depressa, porque hoje me convêm pousar em tua casa" (Lucas 19:5).

Tenho tentado muitas vezes imaginar aquela cena. Imagino Zaqueu olhando de um lado para outro, desconcertado, querendo que Jesus estivesse falando com ele, mas com medo de receber uma resposta negativa ao perguntar:

- É comigo, Senhor? Não está equivocado? Eu sou Zaqueu, um ladrão, um homem injusto. É comigo que vai jantar esta noite?

Você já pensou, meu amigo, que naquele dia havia milhares de pessoas junto a Jesus? Centenas de homens e mulheres que lutavam um contra o outro por um lugar especial perto de Jesus? Cada um sentindo-se com mais direito do que o outro, e de repente o Mestre olha para quem não esperava nada, para quem se sentia indigno, insignificante, perdido entre os galhos de um sicômoro, e o chama pelo nome: "Zaqueu"? Assim são as coisas com Jesus. Para Ele não existem multidões, existem pessoas. Para Ele você não é apenas um produto ou um número na estatística. Você é gente. Ele se preocupa com você, com seus sentimentos, com seus sonhos, alegrias e tristezas. Ele chora com sua dor e se alegra com seus sorrisos. Você é tão importante para Ele que um dia Ele deixou tudo e veio a este mundo para buscá-lo. Ele sabe seu nome, onde você mora, conhece suas ansiedades, sabe que você pode estar tentando ser um homem resistente ao apelo divino, dizendo para si: "Eu só quero vê-Lo de longe." Mas na realidade você é um homem solitário e sincero que precisa dEle como todo ser humano.

- É comigo, Senhor? - você pergunta.

- Sim, é com você, Henrique, Isaura, Francisco, Aparecida, é com você mesmo.

- Mas, Senhor! Eu fumo, bebo, tenho uma vida irregular, eu sou indigno.

- Não importa, é com você. É por você que Eu vim, Eu o amo não pelo que você faz ou deixa de fazer, mas pelo que você é: um ser humano maravilhoso, apenas isso.

Nunca terei palavras para agradecer a Deus, porque um dia, entre bilhões de seres humanos, o Senhor Jesus Se deteve no caminho da vida e olhou para mim. Não me achou em cima de uma árvore. Achou-me atrás de um púlpito, com uma régua na mão para medir o "cristianismo" da minha igreja sem medo de apontar o pecado "pelo nome", pregando sobre o amor de Deus sem jamais tê-lo experimentado, vestindo a imagem de um jovem pastor muito preocupado em descobrir os "pecados ocultos", para levar à igreja a reforma.

E o Senhor Jesus, com sua voz mansa disse: - Filho, desce dessa árvore de apóstolo da reforma. Quero ficar com você, quero que Me conheça de verdade e compreenda que as coisas não são assim como você pensa. Quero que saiba que não é com o regulamento numa mão e a vara na outra que se reformam as vidas.

A maneira como Jesus tratou a Zaqueu é a maneira como Ele quer levar Sua igreja ao reavivamento e à reforma completa.

Veja que Jesus não olhou para Zaqueu e disse:

- Zaqueu, você é um ladrão. O que você faz é uma vergonha. Estou disposto a lhe dar o privilégio de Me hospedar, mas antes quero que você confesse publicamente que é ladrão, e que devolva o dinheiro que roubou dos outros.

Eu imagino que era isso que a multidão esperava. Mas Jesus não fez nada disso. Havia algo de maravilhoso com Ele. Os pecadores se sentiam amados na Sua presença. Quer dizer que Ele apoiava a vida errada dos homens? Não. Claro que não. A conduta deles é que mudava. Mas Ele nunca os fazia sentir mais pecadores do que já eram. Não precisava agredi-los para inspirar neles o desejo de mudança de vida.

E agora vejamos a atitude de Zaqueu. O que foi que ele fez? Será que ele desceu do sicômoro e disse para Jesus:

- Obrigado, Senhor, por lembrar-Te de mim. Eu nunca poderei agradecer-Te pelo fato de olhares para mim em meio a tanta gente. Agora fica um pouco aqui. Deixa-me ir e arrumar a casa. As coisas não estão bem por lá. Deixa-me fazer uma faxina completa e preparar uma refeição gostosa, então voltarei e iremos juntos.

Foi isso que Zaqueu falou? Não. Por que não? Porque se pudéssemos deixar Jesus aguardando para primeiro limpar a casa não precisaríamos dEle.

Aqui está envolvido o maravilhoso princípio da justificação, que é pela fé, e da santificação, que também é pela fé. É Ele que limpa a vida. É Ele que coloca as coisas em ordem. É Ele que corrige, que conserta, que purifica. Por favor, nunca cometamos a tolice de agradecer a Deus pelo perdão e depois, sozinhos, tentemos colocar a vida em ordem.

O que foi que Zaqueu fez? Acho que ele colocou sua mão na mão de Jesus. Era um homem solitário, rejeitado pela sociedade e que precisava que alguém lhe restaurasse o senso de humanidade. Ali estava uma mão estendida com amor, e ele agarrou-se a ela, apesar de ser um publicano, um ladrão, um pecador.

A multidão não ficou contente com a atitude de Jesus. "Ah!", pensaram no coração, "Ele parecia ser o Messias, mas em lugar de condenar os pecadores, recebe-os, junta-Se a eles e não os repreende".

Você já pensou que enquanto Jesus esteve na Terra nunca condenou os derrotados, os marginais, os ladrões ou as prostitutas? As poucas vezes que Ele condenou alguém, foram aqueles que achavam que estava tudo bem com eles, aqueles que se consideravam os guardiões da fé, a norma de vida de seus semelhantes.

Graças a Deus porque Jesus veio a este mundo buscar os perdidos, os derrotados, os cansados de lutar sem nunca conseguir. Se você é um deles, alegre-se e louve o nome do Senhor, porque foi por você que Ele veio.

Ele o está procurando, não importa onde você esteja, onde se escondeu, ou para onde fugiu. Um dia a voz de Jesus o alcançará e o chamará pelo seu nome, e talvez isso esteja acontecendo neste momento.

Você está tremendo em cima do sicômoro da vida, sente-se rejeitado, triste, frustrado? Sente que nunca vai conseguir? Ouça a voz do Mestre dizendo:

- Filho, Eu amo você. Desça daí, quero ficar com você, quero entrar em sua vida e colocar cada coisa em seu lugar. Quero limpar o que tem que ser limpo, consertar o que tem de ser consertado.

Olhe agora para Zaqueu. Nenhuma palavra. Apenas caminhavam juntos, de mãos dadas, e aquele laço de amor penetrou na vida daquele publicano. Enquanto caminhavam juntos, a vida de Jesus, Seu poder, Sua vitória, transmitiu-se para o pobre homem, gerando nele o desejo de mudar de vida. Depois Zaqueu levantou-se e disse: "... Senhor, eis que eu dou aos pobres metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado" (Lucas 19:8).

Este é o resultado inevitável de estar em Jesus e andar com Ele. É impossível andar com Jesus e conviver com o pecado ao mesmo tempo. Essas coisas não combinam.

Que dia extraordinário aquele! No início, Zaqueu não passava de um homem solitário, frustrado e vazio, apesar de sua invejável posição social e financeira. No fim do dia era um homem feliz, completo, transformado em Cristo.

Zaqueu conhecia os dois lados da vida. O desespero e a esperança, o vazio e a plenitude, a tristeza e a alegria, a condenação e o perdão, a derrota e a vitória. Certamente Zaqueu podia dizer: "Jesus, Tu és a Minha Vida".

ORAÇÃO

Senhor, muito obrigado. Obrigado porque um dia me achou em cima da árvore que plantei para permanecer indiferente a Ti. Obrigado porque neste momento posso ouvir Tua voz me chamando pessoalmente. Estou respondendo ao Teu chamado. Abençoa-me sempre. Em nome de Jesus. Amém.

Pr. Alejandro Bullón

quinta-feira, 13 de maio de 2010

APRENDENDO COM A GENEOLOGIA DE CRISTO - III

" O que fazer quando a lembrança do passado não nos deixa ser feliz? Aonde ir quando temos vergonha de nossas origens porque elas de certo modo são grotescas? Pode uma vida ser restaurada quando a própria pessoa chega a conclusão de que não há mais saída para ela?

Observem esse texto: "Judá gerou de Tamar a Perez e a Zerá; Perez gerou a Esrom; Esrom, a Arão; Arão gerou a Aminadabe; Aminadabe, a Nassom; Nassom, a Salmom; Salmom gerou de Raabe a Boaz; este, de Rute gerou a Obede; e Obede a Jessé; Jessé gerou ao rei Davi; e o rei Davi, a Salomão, da que fora mulher de Urias" (Mateus 1:3-6).

Você pode estar se perguntando: que mensagem pode sair de um texto aparentemente tão árido como este?

Em primeiro lugar, precisamos saber que o capítulo 1 de São Mateus apresenta a árvore genealógica de Jesus.

Se você tivesse que fazer a sua árvore genealógica, tentaria talvez colocar as pessoas mais ilustres. Tentaria encontrar alguma pessoa de renome, algum herói nacional, alguma pessoa da realeza. Ninguém gostaria de colocar em sua árvore genealógica pessoas de má reputação ou de origem vergonhosa.

Os judeus, especialmente os fariseus, tinham uma oração muito curiosa que dizia:

- Senhor, agradeço porque não nasci escravo, nem gentil e nem mulher.

Um judeu nunca colocaria na sua árvore genealógica o nome de uma mulher. Muito menos se esta tivesse má reputação. Mas na genealogia de Cristo, são mencionadas quatro mulheres. Tamar é a primeira, Raabe a segunda e Rute, a terceira. O nome da quarta não é mencionado, mas se fala de Davi, que teve um filho chamado Salomão, que nasceu da que fora mulher de Urias. Bate-seba era o nome da esposa de Urias.

Analisemos um pouco a vida destas mulheres.A terceira mulher mencionada na árvore genealógica de Jesus é Rute. Você não poderá ver algo errado na vida de Rute, mas as suas raízes são vergonhosas. Explico: Rute foi descendente da tribo de Moabe... Sabe quem foi Moabe? Vou contar-lhe a história.

Deus ia destruir Sodoma e Gomorra. Ló, sua esposa e suas duas filhas saíram antes que a destruição chegasse. A esposa de Ló olhou lá de cima para a cidade e a Bíblia diz que ela foi transformada numa estátua de sal.

Ló e suas filhas conseguiram chegar no topo da montanha e lá se esconderam numa cova. As filhas de Ló pensaram que todos os homens do mundo tinham sido destruídos e que elas não teriam mais descendência. Então, deram origem a um capítulo vergonhoso da humanidade. Embebedaram seu pai Ló e cometeram incesto com ele. O fruto deste relacionamento imoral foi Moabe, o pai dos moabitas e Rute foi uma das filhas da tribo de Moabe. Rute, a moabita.

Não encontramos na Bíblia que Rute tivesse feito alguma coisa errada como Raabe ou Tamar. Mas encontramos em Rute uma origem incestuosa. Ela vinha de raízes imorais. Rute era a típica pessoa que sentia vergonha de seus antepassados.

Pergunto: você nunca conheceu o seu pai porque foi fruto de uma aventura pecaminosa e não fruto do amor que uniu duas pessoas? Isso tem incomodado sua vida? Tem lhe atormentado? Tem lhe criado traumas? Você olha e todo mundo tem pai e você nunca conheceu o covarde que não teve coragem de assumir você! Isso lhe dói?

Então olhe para Rute, porque se alguém devia ter vergonha de seus antepassados, era ela. Mas um dia chegou à sua vida um homem temente a Deus. E a vida deste jovem foi a inspiração que Rute precisava para sair da vida de idolatria do povo moabita.

Aqui está o exemplo de um rapaz que em lugar de contagiar-se com a idolatria dos moabitas, levou Rute ao conhecimento do Deus eterno. Infelizmente esse rapaz morreu. E a mãe, Noemi, decidiu voltar para sua terra. Foi então que encontramos Rute diante da maior decisão de sua vida. Ficou por um instante olhando para a sua cidade, suas tradições, seus costumes, seus pais, seus amigos, seus avós, seus bisavós, sua igreja, seu povo. E de outro lado, Noemi, que ia embora para a terra do Deus verdadeiro, para a família de Deus, para a igreja de Deus, o povo das verdades bíblicas. Rute ficou indecisa. O que devia fazer? Era muito difícil, mas decidiu deixar sua cidade e partir para a terra do Deus Eterno.

Ah, meu querido amigo, todos nós alguma vez temos que tomar a grande decisão. E não é fácil porque toda mudança envolve dor e sofrimento. Muitas vezes você tem que abandonar tradições, tudo aquilo em que você acreditou durante anos e anos, aquilo em que seus pais e seus avós acreditaram. Muitas vezes você receberá a contradição de seus amigos e a rejeição da família. Outras vezes, será caçoado pelos seus princípios e pelas verdades bíblicas que você começa a aceitar. Todos nós, um dia, teremos que nos confrontar com as verdades da Bíblia e teremos que tomar nossa decisão.

Você quer aceitar a Jesus agora? Se o fizer, Deus fará com você o que fez com Rute. Não importa a sua origem, não importa a sua raça, o lugar onde você nasceu, ou o nome da sua família. Não interessa se você é pobre ou rico, você passa a fazer parte da família de Cristo. Ele declara o seu nome diante do mundo. Não tem vergonha de você. Porque quando Deus aceita, Ele transforma. Não há mais passado que o atormente, não existe mais origem vergonhosa que o traumatize. Você é livre de complexos, de traumas, da incapacidade de perdoar, do ódio que você sente por aquela pessoa, enfim, livre de tudo. Você faz parte da família de Deus. Que coisa extraordinária!

Que grande amor! Enquanto as pessoas daquele tempo teriam vergonha de colocar o nome de uma mulher na sua árvore genealógica, Deus coloca quatro mulheres na família de Jesus. E não são quatro fontes de virtude. Três delas conheceram o outro lado da vida. E uma delas vivia atormentada pela sua origem. Nascera do incesto.

Neste momento Jesus se dirige a você e diz: "Filho, não me importa quem é você, não importa como você viveu, não me importa como você pode estar agora nem os traumas que você carrega, não importa os complexos que podem estar deturpando o seu caráter, não importa quão infeliz você se sinta, nem quão sozinho ou perdido você possa estar, não importa quão atormentado pelo complexo de culpa você viva ou quanto medo do inferno, do juízo final e da condenação você tenha. Neste momento você pode vir a mim".

Amigo querido, Jesus está com os braços abertos esperando você. E lembre-se: quando Deus perdoa Ele esquece e transforma. Por isso, o receberá. Não tenha vergonha de declarar ao mundo que você ama a Jesus porque Ele também não terá vergonha de declarar diante do Universo que você é parte da família de Deus.

Abra seu coração a Jesus.

ORAÇÃO

Pai querido, aceita-me como sou e me transforma pelo Teu poder. Apaga meu passado e mostra-me as belezas de um futuro sem fim. Em nome de Jesus. Amém.

Pr.Alejandro bullon

APRENDENDO COM A GENEOLOGIA DE CRISTO - II

" O que fazer quando a lembrança do passado não nos deixa ser feliz? Aonde ir quando temos vergonha de nossas origens porque elas de certo modo são grotescas? Pode uma vida ser restaurada quando a própria pessoa chega a conclusão de que não há mais saída para ela?

Observem esse texto: "Judá gerou de Tamar a Perez e a Zerá; Perez gerou a Esrom; Esrom, a Arão; Arão gerou a Aminadabe; Aminadabe, a Nassom; Nassom, a Salmom; Salmom gerou de Raabe a Boaz; este, de Rute gerou a Obede; e Obede a Jessé; Jessé gerou ao rei Davi; e o rei Davi, a Salomão, da que fora mulher de Urias" (Mateus 1:3-6).

Você pode estar se perguntando: que mensagem pode sair de um texto aparentemente tão árido como este?

Em primeiro lugar, precisamos saber que o capítulo 1 de São Mateus apresenta a árvore genealógica de Jesus.

Se você tivesse que fazer a sua árvore genealógica, tentaria talvez colocar as pessoas mais ilustres. Tentaria encontrar alguma pessoa de renome, algum herói nacional, alguma pessoa da realeza. Ninguém gostaria de colocar em sua árvore genealógica pessoas de má reputação ou de origem vergonhosa.

Os judeus, especialmente os fariseus, tinham uma oração muito curiosa que dizia:

- Senhor, agradeço porque não nasci escravo, nem gentil e nem mulher.

Um judeu nunca colocaria na sua árvore genealógica o nome de uma mulher. Muito menos se esta tivesse má reputação. Mas na genealogia de Cristo, são mencionadas quatro mulheres. Tamar é a primeira, Raabe a segunda e Rute, a terceira. O nome da quarta não é mencionado, mas se fala de Davi, que teve um filho chamado Salomão, que nasceu da que fora mulher de Urias. Bate-seba era o nome da esposa de Urias.

Analisemos um pouco a vida destas mulheres. A segunda mulher mencionada na genealogia de Jesus é Raabe, a prostituta de Jericó. Lá na entrada de Jericó, Raabe vendia seu corpo por um punhado de dinheiro. Pensava que a sua grande necessidade era o dinheiro e não pensou duas vezes para vender seu corpo. Mas Raabe simboliza muito mais do que uma pessoa que entrega seu corpo por dinheiro.

Prostituição não é somente vender o corpo por dinheiro. É também vender os princípios por cultura; os valores por status, o respeito próprio por uma profissão, ou por um emprego.

A história bíblica diz que Raabe sentia-se completamente perdida. Tinha medo do futuro. Sabia que o povo de Israel estava vindo. Sabia que o Deus de Israel acompanhava seu povo, que a destruição estava chegando para Jericó. Vivia apavorada, não tinha paz. Tinha medo do futuro, da morte, da destruição, do inferno. Não podia dormir. A sua consciência a atormentava. Conseguira dinheiro, mas a que preço?

Será que hoje você está conseguindo tudo que sempre sonhou? A pergunta é: a que preço? Seu negócio está crescendo? A que preço? Está alcançando a posição que você queria alcançar? A que preço? Quando chega a noite você tem medo do futuro, tem medo de que Cristo volte a qualquer momento porque você não está preparado? Tem medo de que a morte o surpreenda? Medo de ficar enfermo, de sofrer um acidente, tem medo de subir em um avião? Não está preparado para enfrentar a morte? Então me diga, de que vale a cultura? O dinheiro? O poder? De que vale tudo que conseguiu se não tem paz no coração? De que vale o que conquistou na vida se quando chega a noite não pode dormir com a consciência tranqüila?

Um dia, chegaram a Jericó dois homens enviados pelo povo de Deus. Raabe viu que esta era a sua oportunidade. Apesar de não passar de uma prostituta que vendia seu corpo por dinheiro, se agarrou ao único fio de esperança; o fio escarlate que foi pendurado na sua janela e que simbolizava a graça maravilhosa de Cristo. Raabe pensou: não importa como estou, nem como vivo. Talvez Deus sinta misericórdia de mim. E agarrou-se ao fio vermelho da misericórdia de Jesus. A destruição chegou. Jericó foi queimada, mas a destruição não tocou a casa de Raabe. Ela foi poupada da morte.

E você sabe como são as coisas. Quando Deus perdoa, Ele esquece completamente o passado. E é por isso que Deus não teve vergonha de colocar o nome de Raabe na árvore genealógica de Jesus. Eu não estou falando da prostituta de Jericó. Ela não existe mais, estou me referindo à Raabe, à mulher perdoada, transformada pelo poder de Deus.

Que grande amor! Enquanto as pessoas daquele tempo teriam vergonha de colocar o nome de uma mulher na sua árvore genealógica, Deus coloca quatro mulheres na família de Jesus. E não são quatro fontes de virtude. Três delas conheceram o outro lado da vida. E uma delas vivia atormentada pela sua origem. Nascera do incesto.

Neste momento Jesus se dirige a você e diz: "Filho, não me importa quem é você, não importa como você viveu, não me importa como você pode estar agora nem os traumas que você carrega, não importa os complexos que podem estar deturpando o seu caráter, não importa quão infeliz você se sinta, nem quão sozinho ou perdido você possa estar, não importa quão atormentado pelo complexo de culpa você viva ou quanto medo do inferno, do juízo final e da condenação você tenha. Neste momento você pode vir a mim".

Amigo querido, Jesus está com os braços abertos esperando você. E lembre-se: quando Deus perdoa Ele esquece e transforma. Por isso, o receberá. Não tenha vergonha de declarar ao mundo que você ama a Jesus porque Ele também não terá vergonha de declarar diante do Universo que você é parte da família de Deus.

Abra seu coração a Jesus.

ORAÇÃO

Pai querido, aceita-me como sou e me transforma pelo Teu poder. Apaga meu passado e mostra-me as belezas de um futuro sem fim. Em nome de Jesus. Amém.

Pr. Alejandro Bullon

APRENDENDO COM A GENEOLOGIA DE CRISTO - I

" O que fazer quando a lembrança do passado não nos deixa ser feliz? Aonde ir quando temos vergonha de nossas origens porque elas de certo modo são grotescas? Pode uma vida ser restaurada quando a própria pessoa chega a conclusão de que não há mais saída para ela?

Observem esse texto: "Judá gerou de Tamar a Perez e a Zerá; Perez gerou a Esrom; Esrom, a Arão; Arão gerou a Aminadabe; Aminadabe, a Nassom; Nassom, a Salmom; Salmom gerou de Raabe a Boaz; este, de Rute gerou a Obede; e Obede a Jessé; Jessé gerou ao rei Davi; e o rei Davi, a Salomão, da que fora mulher de Urias" (Mateus 1:3-6).

Você pode estar se perguntando: que mensagem pode sair de um texto aparentemente tão árido como este?

Em primeiro lugar, precisamos saber que o capítulo 1 de São Mateus apresenta a árvore genealógica de Jesus.

Se você tivesse que fazer a sua árvore genealógica, tentaria talvez colocar as pessoas mais ilustres. Tentaria encontrar alguma pessoa de renome, algum herói nacional, alguma pessoa da realeza. Ninguém gostaria de colocar em sua árvore genealógica pessoas de má reputação ou de origem vergonhosa.

Os judeus, especialmente os fariseus, tinham uma oração muito curiosa que dizia:

- Senhor, agradeço porque não nasci escravo, nem gentil e nem mulher.

Um judeu nunca colocaria na sua árvore genealógica o nome de uma mulher. Muito menos se esta tivesse má reputação. Mas na genealogia de Cristo, são mencionadas quatro mulheres. Tamar é a primeira, Raabe a segunda e Rute, a terceira. O nome da quarta não é mencionado, mas se fala de Davi, que teve um filho chamado Salomão, que nasceu da que fora mulher de Urias. Bate-seba era o nome da esposa de Urias.

Analisemos um pouco a vida destas mulheres. A história da primeira, Tamar, está no capítulo 38 do livro de Gênesis. Tamar era nora de Judá, um dos filhos de Jacó. Ela se casou com o filho mais velho de Judá chamado Er, um homem que não temia a Deus. Andava pelos seus próprios caminhos e morreu cedo, deixando Tamar viúva.

Naquele tempo existia uma lei em Israel: quando alguém deixava uma viúva jovem e sem filhos, o irmão devia se casar com a viúva para dar descendência ao falecido. Foi assim que Tamar se casou com Onam. Outro homem que não temia a Deus e que andando por seus próprios caminhos também morreu cedo.

Tamar ficou viúva pela segunda vez, jovem e sem filhos. E a lei civil de seu tempo dizia que ela devia se casar com o terceiro irmão. Mas o irmão era muito novo ainda. Seu nome era Selá. Então Judá prometeu a sua nora que quando Selá crescesse se cumpriria a lei. Mas Selá cresceu e Judá não o deu em casamento a Tamar. Diante disto, ela sentiu-se injustiçada, ferida e machucada. Seus direitos estavam sendo desrespeitados.

Tamar era daquele tipo de mulher que fazia valer os seus direitos e para defendê-los não media conseqüências. Um dia, disfarçou-se de prostituta, ficou na entrada da cidade e enganando seu próprio sogro, deitou-se com ele e ficou grávida.

Segundo a lei, ela devia ser condenada à morte, mas jogou na cara do sogro a grande injustiça que ele tinha cometido com ela. Judá ficou perplexo, derrotado e sem argumentos. Tamar fizera justiça com suas próprias mãos. Foi ferida e injustiçada. Partiu para a luta e venceu, mas ficou carregando o sentimento de culpa. Fez justiça com suas próprias mãos, mas caiu na promiscuidade. Fez justiça, mas essa justiça tinha um sabor muito amargo e doloroso. Depois de vencer, descobriu que não tinha valido a pena descer tão baixo para conquistar seus direitos.

Tamar é símbolo do ser humano que quando se sente machucado e ferido não pensa duas vezes para machucar a quem o feriu.

Um dia desses fui procurado por uma senhora atormentada pelo complexo de culpa. Chorava desesperada. Não conseguia dormir. O martelo da culpa batia em seu coração de dia e de noite e gritava: "culpada, pecadora, não existe salvação para você". Em desespero contou-me seu drama:

- Pastor, nunca pensei em fazer o que fiz. Fui para o motel com o primeiro homem que encontrei na rua, só porque descobri que meu marido estava me traindo. Parti para a luta, para dar o troco, para fazê-lo sentir o que eu estava sentindo.

Coitada! Caiu na miséria e agora o martelo da culpa batia em seu coração a cada instante e ela não encontrava paz, não podia dormir. Sentia-se perdida. Tinha medo do futuro, das conseqüências do seu erro. Tinha vergonha de olhar no rosto de seus filhos, de olhar-se no espelho, de ir para a igreja. Os irmãos cantavam e ela achava que sua boca não tinha direito de entoar um hino de louvor a Deus. A sua consciência gritava: culpada, pecadora, adúltera!

Um dia Tamar se sentiu mais ou menos como essa mulher, caiu diante de Deus e disse:

- Senhor, não valeu a pena ter feito justiça com minhas próprias mãos. Não compensou ter caído no pecado, tentando golpear aquele que estava sendo injusto comigo. Eu me machuquei. Não valeu a pena, Senhor, sinto-me perdida, atormentada pela culpa. Por favor, tem compaixão de mim.

E querido, Deus ouviu a oração daquela mulher. Abriu-lhe os braços e disse:

- Filha, não me importa o seu passado. Aqui estão meus braços abertos, volte para mim.

E Tamar voltou aos braços de Deus e sentiu o beijo da paz, o abraço da reconciliação. E quando Deus perdoa, leesquece o passado. E no livro da genealogia de Cristo o nome de Tamar está escrito, porque ela não tinha mais passado, ela nasceu quando voltou para Deus.

É isso que Jesus está dizendo pra você. Não importa onde você foi; nem quão baixo você caiu; não importa o que você fez; pode ter errado, mas se você voltar, passa a fazer parte da família de Deus; seu nome integra a árvore genealógica de Jesus. Não é maravilhoso?

Que grande amor! Enquanto as pessoas daquele tempo teriam vergonha de colocar o nome de uma mulher na sua árvore genealógica, Deus coloca quatro mulheres na família de Jesus. E não são quatro fontes de virtude. Três delas conheceram o outro lado da vida. E uma delas vivia atormentada pela sua origem. Nascera do incesto.

Neste momento Jesus se dirige a você e diz: "Filho, não me importa quem é você, não importa como você viveu, não me importa como você pode estar agora nem os traumas que você carrega, não importa os complexos que podem estar deturpando o seu caráter, não importa quão infeliz você se sinta, nem quão sozinho ou perdido você possa estar, não importa quão atormentado pelo complexo de culpa você viva ou quanto medo do inferno, do juízo final e da condenação você tenha. Neste momento você pode vir a mim".

Amigo querido, Jesus está com os braços abertos esperando você. E lembre-se: quando Deus perdoa Ele esquece e transforma. Por isso, o receberá. Não tenha vergonha de declarar ao mundo que você ama a Jesus porque Ele também não terá vergonha de declarar diante do Universo que você é parte da família de Deus.

Abra seu coração a Jesus.

ORAÇÃO

Pai querido, aceita-me como sou e me transforma pelo Teu poder. Apaga meu passado e mostra-me as belezas de um futuro sem fim. Em nome de Jesus. Amém.

Pr. Alejandro Bullon

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Uma vida comprometida com a excelência

Leve a sério cada ESCOLHA que você faz (Gn 24.2-14).
A nossa vida é o resultado das escolhas que fazemos e essas escolhas são feitas com base nos valores que norteiam a nossa caminhada. É impossível viver um dia sem fazer escolhas e tomar decisões. Muitas escolhas são irrelevantes e não implicam em nada, outras tem conseqüências eternas.

Quando se trata de uma escolha semelhante a que o servo de Abraão iria fazer, é imprescindível que sejamos criteriosos. Quais os cuidados que Abraão tomou?

Primeiro: Se a escolha é relevante, é necessário que chamemos pessoas de confiança para se envolver. "Disse Abraão ao seu mais antigo servo da casa, que governava tudo o que possuía:.." (Gn 24.2). Este servo era um homem de confiança.

Segundo: Toda escolha relevante deve ser orientada pelos princípios da Palavra. "...não tomarás esposa para o meu filho das filhas dos cananeus entre os quais habito". (2 Co 6.14)

1) Algumas escolhas erradas que ficaram registradas na Biblia:

· Eva foi colocada para fora do Jardim, porque não soube escolher.

· Davi manchou sua história com um caso de adultério, porque errou na escolha.

· Jonas colocou em risco a vida de muitos, causou um prejuízo enorme, porque não escolheu certo.

· O filho pródigo desceu até o ultimo degrau da escada, perdeu tudo, porque escolheu errado.

· Judas fez a pior escolha e terminou suicidando.

Quem tem promessas de Deus não pode brincar com as escolhas que faz.

Leve a sério COMPROMISSOS.
"Jurou fazer conforme o resolvido..." Quem não aprendeu a levar a serio compromisso, terá sempre uma vida marcada pela mediocridade. O discipulado é uma chamada para assumir COMPROMISSO. "Quem quiser vir a pós mim, negue-se a si mesmo e siga-me, disse Jesus". (Mt 16.24) "Se fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da vida". (Ap 2.10) "Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; Não, não; porque o que passa disto é de procedência maligna". (Mt 5.37)

Tenha INICIATIVA própria. "Não espere ser mandado".
Sem que Abraão pedisse, o servo pegou dez camelos... Por que dez e não um? Por que dez e não dois? Pessoas excelentes tem mente larga, expandida, sabem pensar grande.

Coloque EXCELÊNCIA em tudo o que você faz.
"...dez camelos..."A importância daquilo que fazemos depende da visão que temos. Ele fez para o seu senhor como se estivesse fazendo para si mesmo.

Tenha um coração de SERVO.
"...bebe meu senhor e tirarei água também para os camelos..." Quem tem o coração de servo, serve a Deus e ao próximo sem esperar nada em troca. Rebeca serviu sem saber quem estava servindo... Servir a Deus é ser solidário com o próximo...

Tenha prazer no trabalho. "Quem nada faz nada vale".

VÁ ALÉM do que a obrigação lhe impõe.
Elieser pediu água para ele, mas a moça foi além, ofereceu água para os seus camelos...

TERMINE o que você propõe a fazer.
"Perseverança e determinação são marcas das pessoas bem sucedidas". Compromisso, determinação e propósito eram marcas do caráter de Rebeca.... "Até que todos bebam..." Pessoas comprometidas com a excelência não param na metade do projeto... sempre vão até o fim...

UMA MULHER, UM EXEMPLO A SER SEGUIDO!

2 Reis 4:1-7
Uma mulher que nos ensina muitas lições...

1) Compreendendo e aceitando a soberania de Deus.

O marido era um homem piedoso, temente e de repente morre, e ela não questiona o caráter de Deus com intermináveis "por quês?". Muitas vezes é necessário perder aqui para ganhar na eternidade com Deus. Deus está no controle e sabe o que faz.

2) Levante-se e vai a luta, a beira do túmulo não é o teu lugar.

A tendência de muitas pessoas quando enfrentam situações de perda é se deprimir, se fechar, se deixar vencer por um sentimento de revolta. A perda de alguém ou de algo não pode fazer o trem da vida parar em sua viagem. A vida tem que continuar apezar das perdas.

3) Você não gerou escravos, e sim, promessas.

Não aceite perder seus filhos para o diabo, eles são herança do Senhor. Tenho três filhos e todos são do Senhor, não abro mão de nenhum deles. Essa atitude pode reverter o momento difícil que muitos pais estão passando com os seus filhos.

4) Quem está ministrando em sua vida? Não conte seu drama para qualquer pessoa.

Tem pessoas que não são dignas de saber sobre nossos problemas. Há pessoas que estão recebendo ministração de gente que não pode acrescentar nada em sua vida, pelo contrário, são pessoas problemáticas. Cuidado com quem está colocando a mão sobre sua cabeça e ministrando sobre você. Siga o exemplo desta mulher, busque pessoas que estejam debaixo da unção de Deus e que podem lhe mostrar o caminho do milagre.

5) Se você morresse hoje, qual a frase que melhor definiria seu caráter?

6) Grandes milagres acontecem a partir de pequenas coisas. O profeta mostrou que a solução estava dentro da casa dela. ...declara-me o que é que tu tens em casa..."

7) A maneira como você se relaciona com seus vizinhos, pode determinar o milagre de Deus em sua vida. O profeta instruiu para que ela pedisse vazilhas para os vizinhos. Se ela tivesse muitos vizinhos, teria muitas vazilhas e consequentemente o milagre seria grande. Muitas vezes o numero de amigos determinam o tamanho do nosso milagre.

8) O tamanho do milagre é proporcional a nossa fé. "Vasilhas vazias, não pouca..." Enquanto houver vasilhas, haverá azeite sendo derramado.

9) Se foi Deus quem falou, ainda que pareça "loucura", simplesmente obedeça. Milagre não se explica, e se explicar não é milagre.

10) O que é para você fazer, Deus não faz por você. Sua participação é imprescindível no milagre. Deus multiplica o azeite mas quem enche a casa de vasos é você.

11) Fé que desemboca em obediência e trabalho é uma receita infalível para o milagre.

12) Buscando conselho com quem sabe mais... Não basta receber o milagre, é preciso saber administrá-lo para que seja suficiente para pagar a dívida e viver do resto.

13) Marcas do caráter desta mulher:

1. Coragem... Não se rendeu diante do problema.

2. Humildade... Ninguém vence sozinho, buscou e aceitou a orientação do homem de Deus.

3. Fé... Creu na palavra de Deus na boca do profeta.

4. Obediência... Fez tudo conforme a Palavra.

5. Amor... Não negociou seus filhos.

6. Trabalho... Para encher a casa de vasilhas foi necessário muito trabalho.

7. Honestidade... Estava preocupa em pagar a dívida.

8. Amizade... Ela tinha vizinhos para lhe emprestar vasilhas.

9. Submissão... Por duas vezes ela vai ao homem de Deus, de quem o seu marido era discípulo.

por Josué Gonçalves

Laços de família e os laços do diabo

I Tm 3:7
"Laços de Família". Este é o tema de uma novela que milhões de pessoas assistiram diariamente. Já não é de hoje que a família tem tido suas estruturas sacudidas pelos valores errados veiculados pela TV. Lamentavelmente, muitos crentes em Jesus têm assistido esta novela. Será que devemos ou não assisti-la? Antes de responder, vamos refletir sobre seu conteúdo e perigos.

Como tantas outras novelas, "Laços de Família" tem problemas de valores morais e de violência que afetam a família. Uma prostituta simpática (Capitu) trabalha para sustentar o padrão classe média da família. Um cafajeste, Danilo, engravida a empregada. Helena e Camila, mãe e filha disputam o mesmo homem, Edu. A menina que está grávida é quem vai se casar com ele. O sexo é um dos principais ingredientes em quase todas as tramas.

Aparentemente inofensiva, ela exerce forte influência naqueles que a assistem. Curiosamente, as cenas, diálogos, cenários, atrizes e atores bonitos e bem vestidos, têm mais poder de influenciar do que imaginamos.

O termo "laços" aparece na Bíblia, e com exceção de Oséias 11:4, sempre como sinônimo de "armadilha" e "cilada". Confira alguns exemplos: Jz 23:13; I Sm 18:21; Jó 18:9; 22:10; Sl 18:4; 25:15; 69:22; 106:3; 119:61; Pv 7:23; 14:27, 18:7; Ec 7:26; Jr 50:24; Atos 8:23; I Tm 3:7 e II Tm 2:26.

O "Laço do Diabo" para o apóstolo Paulo é uma armadilha armada para pegar os desatentos e desapercebidos. É por isso que Paulo alerta a Timóteo para voltar à sensatez, para ser "livre dos laços do diabo..."

Amados irmãos, a Igreja de Cristo precisa ser sóbria e perceber as ciladas, os laços do inimigo. Nossa guerra não é contra carne e o sangue, mas contra o diabo. Vamos fazer como Jesus fez no deserto, quando Satanás tentou armar-lhe um laço. Vamos arrancar sua máscara. Vamos denunciar seu disfarce. Para destruir a família ele aparece nos trajes mais inocentes, até mesmo em enredos e cenas emocionantes. Sua estratégia é armar seus laços para destruir, enganar, mentir, distorcer, simular, fingir, mascarar, iludir e fantasiar. É por isso que Paulo nos alerta para não cairmos nos laços do diabo - I Tm 3:7.

Há um ditado que diz: "Não existe nada mais fino que a ponta de uma agulha; porém, uma vez que ela faz um buraco, arrasta atrás de si toda a linha" - O apóstolo Paulo disse: "Um pouco de fermento leveda toda a massa" I Co 5:6.

Quantos cristãos não contariam com tristeza e vergonha pecados cometidos que começaram com pequenos hábitos que aparentemente eram ingênuos mas que os dominaram. Passo a passo foram piorando até praticarem coisas que antes teriam achado impossível cometerem. E, ao final, acabaram perdendo posição, caráter e a fé. Tudo começou quando deram lugar a pequenos hábitos "inofensivos".

"Um pequeno vazamento afunda um enorme navio; uma pequena faísca pode causar um enorme incêndio. Do mesmo modo, um pequeno pecado consentido leva a alma à ruína."

A novela "Laços de Família" parece inofensiva, mas não é. Ela trás em seu nome o título "Família". Ela está, através dos valores e princípios que expõem em suas cenas , e que contra-põem à Palavra de Deus, jogando poeira em seus olhos para impedir que você enxergue qualquer coisa em suas cores reais. Ela intimamente, inconscientemente, está conduzindo você a considerar o bem como mal e o mal como bem. Ela pinta o sexo fora do casamento como algo normal, ela mascara a prostituição adornando-a como uma prática aceitável. Aos poucos, a novela vai deformando, deturpando os valores cristãos e ridicularizando a Palavra de Deus.

Esta sempre foi a arma de Satanás - usar de mentiras para atacar a sua mente e enganar você. Paulo disse: "Mas receio que, assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia, assim também seja corrompida a vossa mente e se aparte da simplicidade e pureza devidas a Cristo."II Co 11:3.

Satanás quer atacar a sua mente porque ela faz parte da imagem de Deus e através dela, Deus fala com você e lhe revela a sua vontade. Por isso não devemos nos conformar "... com este século, mas transformá-la pela renovação da nossa mente, para que experimentemos qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus." Rm 12:2.

As mentiras de Satanás exibidas nas cenas desta novela, vão entrando aos poucos em sua mente, obscurecendo os olhos do seu entendimento e insensibilizando a sua consciência, com algum pecado já consentido no coração.

Voltemos á pergunta. Devo ou não assistir esta novela? O apóstolo Paulo disse: I Co 6:12. "Todas as coisas são lícitas, mas nem todas edificam"

Seja honesto e responda:

1) Edifica você ficar uma hora em frente á TV assistindo cenas, diálogos e práticas que Deus abomina?

2) Edifica você saber que a prostituição, a promiscuidade e o adultério estão entrando na sala de sua casa?

3) Edifica você saber que o tempo que você gasta em frente á TV, vendo cenas de adultério, promiscuidade, prostituição, é maior do que o tempo que você passa na presença de Deus em oração e estudo das Escrituras?

4) Você conseguiria, após ter assistido a um capítulo desta novela, dobrar os seus joelhos e orar agradecendo a Deus?

5) Você acha coerente não deixar seus filhos assistirem a determinados programas que não lhes ajudam na formação do caráter, mas ao mesmo tempo, a mesma regra não se aplica a você?

Você ainda acha que um cristão deve assistir a esta novela?

Que Deus nos dê um santo discernimento, para fugirmos destes laços ... do diabo.


Autor(a): REV. HERNANDES DIAS LOPES


 
Pastor da Igreja Presbiteriana de Osasco, Psicanalista Clínico, Mestrando em Teologia pelo centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper

Fonte: www.bibliaworldnet.com.br



---------------------------www.familiaegraca.com.br ------------------------
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

VOCÊ ESPECIAL

GOOGLE +