sábado, 30 de abril de 2011

Uma família que dá frutos para Deus.

“Não trabalharão debalde, nem terão filhos para a calamidade, porque são a posteridade bendita do Senhor, e os seus filhos estarão com eles.” Isaías 65:23


Esta promessa de Isaías nos encanta e motiva a seguir em frente no investimento contínuo para que nossos filhos alcancem a estatura da maturidade em Cristo. Às vezes ficamos preocupados com os resultados. Na verdade, a preocupação não nos levará ao alvo proposto pela Palavra de Deus: Filhos semelhantes ao Filho de Deus, Jesus! Quase todos os pais cristãos desejam ver seus filhos trabalhando em algum ministério e, muitas vezes, isto se torna uma cobrança e um peso na relação pais e filhos. Sinceramente, tenho aprendido muito a controlar esta ansiedade. E Deus, através de sua Palavra, tem-me ensinado que, antes de levar meus filhos a ter um relacionamento com algum ministério, devo conduzi-los a um relacionamento pessoal e profundo com o Senhor Jesus.

Ministério sem relacionamento com Deus é pura religiosidade. Eu e você já vimos e ouvimos muitas histórias de filhos adolescentes, jovens, que eram tão dedicados à igreja e que, de repente, saíram e enveredaram por caminhos de dores. Outros se tornaram apáticos. Bem, porque isso acontece?

Longe de ter uma resposta pronta, porque isso seria leviandade, penso em algumas possibilidades. Uma delas é que foram habituados a estar na igreja e fazer alguma coisa. Assim como se adquirem hábitos em casa, na família. Aquilo ficou comum. Perdeu a graça! Tornou-se enfadonho. Isso é o que acontece, quando se faz algo para uma instituição.
Fez-se para a igreja e não para o Senhor da igreja: Jesus! Por isso o apóstolo Paulo ensinou os Colossenses a fazerem tudo para Deus e não para “homens” (Colossenses 3:23). Outra possibilidade é que os pais estejam tão envolvidos no ministério, que isso possa se tornar um desserviço aos filhos. Ou seja, servem tanto os outros e nada em casa. Logo, alguns filhos possam se tornar refratários ao ministério por não quererem repetir este modelo disfuncional dos pais.

Outros ainda, por causa das maledicências e murmurações que os pais fazem dentro de casa (e na presença dos filhos) em relação à igreja e as pessoas.
Se os pais, que estão tão envolvidos com o ministério reclamam tanto dele, por que os filhos se sentiriam motivados a entrarem nisso? Cuidemos para que não trabalhemos em vão! Todo trabalho no Senhor tem uma recompensa. No mesmo capítulo de Isaías citado acima, no versículo 18, Deus fala com seu povo dizendo: “mas vós folgareis e exultareis no que eu crio..” . Só é duradouro aquilo que Deus cria. Faça algo que venha de Deus e para Deus e este algo vai durar para sempre! Tudo que tem a mão de Deus tem um toque de eternidade! O resultado de ensinarmos nossos filhos a buscarem um relacionamento íntimo e profundo com Deus é que eles nunca vão se decepcionar com Ele!

Quando as injustiças vierem. Quando o desprezo acontecer. Quando a indiferença for a paga pelo trabalho, eles permanecerão firmes, porque sabem a quem estão servindo: ao Senhor perante os homens e não aos homens perante o Senhor! O melhor exemplo na Bíblia é o de Samuel. No capítulo 3, verso 1 do primeiro livro de Samuel, a Bíblia declara: “O jovem Samuel, servia ao Senhor, perante Eli.” Ao Senhor perante Eli! Já na casa de Eli, o sacerdote, seus próprios filhos serviam ao próprio ventre e não ao Senhor, tornando-se execráveis (1 Sm 3:13). Querido papai e mamãe, a vontade de

Deus para nós e nossos filhos é de que andemos com Deus e possamos dar muitos frutos para glória d´Ele! Se assim fizermos, o resultado será a promessa de Isaías 65:20 que diz: “Não haverá mais nela criança para viver poucos dias, nem velho que não cumpra os seus..”

Se vivermos para o Senhor e ensinarmos os nossos filhos a fazerem o mesmo, todo trabalho que for feito no ministério terá o seu crescimento. E juntos, como família, celebraremos a colheita com grande alegria!



Pr. Paulo Falçarella

Ex-viciado agradece a David Wilkerson pelo trabalho no Teen Challenge

O pastor que faleceu na última quarta-feira fundou em 1958 uma clínica de recuperação para jovens

ustin Franklin agradece ao falecido David Wilkerson pelo trabalho que realizou na recuperação de adolescentes viciados em drogas através do Programa Cristão de Recuperação Teen Challenge (Desafio Jovem).

Franich se envolveu com as drogas aos 13 anos quando começou a usar maconha, cigarros e também a consumir bebidas alcoólicas. Aos 15, ele já havia mudado de cocaína para anfetaminas altamente viciantes chamadas “cristal meth.”

“Eu sou eternamente grato pelo trabalho que fez porque sem essa obediência dele, eu teria sido um desses milhares e milhares que não estariam aqui hoje,” disse Franich, agora diretor do programa Teen Challenge de Shenandoah Valley, Inc. em Mt Jackson, Virgínia, ao The Christian Post nesta quinta-feira.

Apesar deles dois nunca terem se conhecido, Franich aprendeu muito com o pastor Wilkerson, que morreu em um acidente de carro nesta quarta-feira aos 79 anos de idade, ouviu-o pregar em uma celebração nacional do Teen Challenge, alguns anos atrás, leu o seu livro best-seller “A Cruz e o Punhal”, e assistiu várias vezes a adaptação para o cinema em 1970.

Hoje o ex-viciado tem 25 anos e está casado esperando um segundo filho. De suas lembranças ele retira um episódio que aconteceu quando ele se inscreveu no Teen Challenge há sete anos.

“Naquela época eu tinha queimado todas as minhas pontes. Eu estava apenas no final de minhas cordas. Esse ministério que Deus usou para realmente me dar esperança,” disse Franich, que estava usando crystal meth intravenosa quando ele recebeu ajuda. “Ele (o uso de drogas) consumiu a minha vida.”

O jovem lembra que havia até largado a escola e não tinha mais nada até que conheceu o Teen Challenge que o ajudou a mudar de vida.

O centro de recuperação foi fundado em 1958 por David Wilkerson juntamente com seu irmão mais novo, Don Wilkerson com o intuito de ministrar aos membros de gangues no bairro Brooklin, periferia de Nova York e foi assim que nasceu o Teen Challenge.

“Os membros do grupo tornaram-se dependentes químicos. Os mesmos jovens que nós conhecíamos como membros da gang, começamos a conhecê-los como viciados em drogas,” explicou Wilkerson, que ainda coordena o Teen Challenge do Brooklyn.

Então os irmãos Wilkerson e a equipe do ministério transformaram as instalações que eles tinham usado para ser uma casa de trabalhadores naquele momento em um centro residencial para homens lutando contra vícios e a partir daí o Teen Challenge se formou.

Meio século depois, Franich foi um dos milhares de viciados em drogas que David Wilkerson seu ministério impactaram. Hoje o Teen Challenge tem 233 localizações nos Estados Unidos e 1.181 centros ao total em todo o mundo.

Franich agora ministra como uma família para aqueles que lutam contra os vícios. Sua mãe, Novella, seu pai, John, e sua esposa estão todos envolvidos no ministério de 53 anos.

Fonte: Gospel Prime

Morre David Wilkerson

Autor de “A cruz e o punhal” sofre acidente de carro nos EUA. O pastor David Wilkerson(foto), 79 anos, fundador da Times Square Church em Nova York, e autor de livros conhecidos como “A Cruz e o Punhal”, faleceu nesta quarta-feira (27/04/11) em um acidente de carro numa rodovia do Texas. Ele perdeu o controle do carro e se chocou com um caminhão que vinha no sentido contrário.

Sua esposa Gwen também estava no carro e foi levada para o hospital juntamente com o motorista do caminhão. Não há notícias do hospital quanto ao estado de saúde deles.

A notícia do acidente começou a se espalhar rapidamente na noite de quarta-feira em sites de redes sociais como Facebook e Twitter. Rich, um primo de Wilkerson, confirmou a morte no Twitter. “Confirmo que meu querido primo David Wilkerson perdeu a vida num trágico acidente de carro esta tarde. Suas orações são necessárias neste momento”, escreveu ele.

Wilkerson postou em seu blog um artigo datado de 27 de abril – o dia da sua morte. Intitulado “Quando tudo mais falhar”, ele incentivou as pessoas que estão enfrentando dificuldades a “permanecerem firmes na fé”

“Para quem passa pelo vale da sombra da morte, ouça esta palavra: o choro vai durar por algumas noites escuras e teríveis, mas em breve você vai ouvir o sussurro do Pai: ‘Eu estou com você’. Amado, Deus nunca deixou de agir, sempre com bondade e amor. Quando tudo mais falhar, o seu amor ainda prevalece. Segure firme em sua fé. Permaneça firme na sua Palavra. Não há outra esperança neste mundo. ”

Wilkerson passou a primeira parte do seu ministério trabalhando em Nova York com membros de gangues e viciados em drogas, conforme relatou em seu best-seller “A Cruz e o Punhal”.

Em 1971, iniciou o World Challenge, ministério que cuidava de suas cruzadas, conferências, evangelismo e outras atividades. Em 1987 fundou a Igreja de Times Square, que hoje é liderada pelo pastor Carter Conlon e tem mais de 8.000 membros.

Wilkerson também fundou o Desafio Jovem, um programa cristão para recuperação de jovens viciados. Ele deixou esposa, quatro filhos e 11 netos

Fonte: www.odiario.com

----------------||--------------

Confira Seu Último Devocional

Quando todos os recursos falham

Acreditar quando todos os meios falham é muito agradável a Deus e é aceitável. Jesus disse a Tomé: "Você acreditou porque você tem visto, mas bem-aventurados são aqueles que acreditam e não tem visto "(João 20:29).

Abençoados são aqueles que acreditam quando não há nenhuma evidência de uma resposta para a oração - que confiam além da esperança quando todos os meios falharam.

Alguém chegou para o lugar de desesperança - fim da esperança – o fim de todos os meios. A pessoa amada está enfrentando a morte e os médicos não dão nenhuma esperança. A morte parece inevitável. A esperança se foi. O milagre pelo qual oramos não está acontecendo.

É nessa hora, quando as hordas de Satanás vem para atacar a sua mente com medo, raiva, questões esmagadoras: "Onde está o teu Deus agora? Você orou até que você não tinha mais lágrimas. Você jejuou. Você ficou na promessa. Você confiou."

Pensamentos blasfemos serão injetados em sua mente: "A oração falhou. A fé falhou. Não, desista de Deus - simplesmente não confie mais nele. Ele não se atenta!"

Até questionamentos a respeito da existência de Deus serão injetados em sua mente. Estes têm sido os meios de Satanás por séculos. Alguns dos mais piedosos homens e mulheres que já viveram estavam sob tais ataques demoníacos.

Para quem vai pelo vale da sombra da morte, ouça esta palavra: O choro vai durar pela escuridão, noites terríveis - e nessa escuridão você logo irá ouvir o sussurro do Pai: "Eu estou com você. Eu não posso te dizer por que agora, mas um dia tudo vai fazer sentido. Você vai ver que tudo era parte do meu plano. Não foi nenhum acidente. Não foi uma falha de sua parte. Segure firme. Deixe-me abraçá-lo em sua hora de dor. "

Amado, Deus nunca deixou de agir, mas sempre atuou com bondade e amor. Quando todos os meios falham - o seu amor prevalece. Segure firme a sua fé. Permanecei firmes na sua Palavra.

Não há outra esperança neste mundo.

Rev. David Wilkerson

terça-feira, 26 de abril de 2011

Debate Radical - Pastor X Padre:quem esta com a razao? parte 4.

Debate Radical - Pastor X Padre:quem esta com a razao? parte3.

Debate Radical - Pastor X Padre:quem esta com a razao? parte 2.

Debate Radical - Pastor X Padre:quem esta com a razao? parte 1.

Aborto e Eleições 2010. Dilma x Vida

Uma resposta bíblico-científica aos defensores do aborto

Não concordo com alguns posicionamentos (principalmente os mais recentes) do pastor Silas Malafaia, os quais prefiro omitir neste artigo. Muitos internautas, de igual modo, podem não gostar do seu estilo ou divergir de sua teologia. Entretanto, parabenizo-o pela sua argumentação bíblico-científica a respeito do aborto, a qual é demonstrada nos vídeos abaixo, que apresentam a última parte de um programa de TV.

Penso que a argumentação de Malafaia em defesa da vida intra-uterina se constitui numa resposta contundente e definitiva aos movimentos pró-aborto. Eu digo que a sua resposta é bíblico-científica, não pela quantidade de versículos citados, e sim por sua exposição ter base na Ciência e estar em plena sintonia com as Escrituras.

A melhor igreja de todos os tempos

Você sabia que estamos presenciando e experimentando o maior avivamento da História?

Nunca na história eclesiástica os cristãos de um país foram tão unidos em prol da evangelização e da formação de discípulos. Todos jejuam, oram e pregam o Evangelho.

O cristianismo praticado aqui é um modelo para o mundo. Os crentes influenciam as pessoas positivamente, e todas as mazelas estão desaparecendo ou diminuindo. Há cada vez menos miséria, ignorância, prostituição, violência, tráfico de drogas, corrupção, etc.

“Unanimidade” é a palavra de ordem na igreja brasileira, que segue o exemplo da igreja primitiva. É um o coração do povo evangélico. Cada crente em Jesus Cristo frequenta a Escola Bíblica Dominical e/ou as reuniões de estudo bíblico, pois está consciente de que precisa aprender e apreender a Palavra do Senhor.

Nenhum crente em Jesus assistiu ao Big Brother Brasil, pois todos estão cientes de que esse reality show visa à destruição da família, dos valores morais e dos bons costumes. As servas do Senhor também não deixam de ir aos cultos por causa de novelas.

Os programas de TV evangélicos priorizam a evangelização. Eles dedicam cada vez menos espaço à divulgação de pessoas e de produtos, para que haja um bom tempo para a exposição do Evangelho de Cristo, que é poder de Deus para a salvação de todos os que creem.

Não existem divisões. A paz reina soberana entre nós. Calvinistas e arminianos discutem com amor e tolerância; pré-milenistas, pós-milenistas e amilenistas se entendem; batistas e presbiterianos não se alfinetam; pentecostais e cessacionistas não se digladiam na Internet; assembleianos de ministérios diferentes se intercambiam. Todos divergem apenas na exposição de seus pensamentos, mas se consideram irmãos em Cristo.

Líderes e expoentes cristãos têm cuidado de si mesmo e da doutrina, em vez de “cuidarem” da vida dos outros. Os inimigos dos evangélicos não são pessoas, e sim principados, potestades, hostes espirituais da maldade, príncipes das trevas deste século.

Nenhum cristão alimenta ódio ou sentimento de vingança em seu coração. Não existem pessoas invejosas e ameaçadoras em nosso meio, principalmente entre pastores, pregadores e cantores. A humildade e o amor fraternal são as virtudes mais cultivadas por todos os cristãos.

Ninguém se considera superior aos outros nem deseja prejudicar a quem está sendo abençoado por Deus. Nenhum servo do Senhor quer ocupar o palco para zombar de quem está na plateia.

Sabia que até os políticos evangélicos estão fazendo um excelente trabalho? Além de serem cristãos exemplares em sua conduta, apresentam propostas para melhorar a vida de todos os brasileiros. Eles não perdem tempo com discussões inúteis nas redes sociais nem xingam as pessoas que os criticam.

Talvez você não tenha notado, também, que os compositores evangélicos priorizam a mensagem cristocêntrica e as expressões de louvor a Deus. Eles nunca injetam em suas composições bordões comerciais de autoajuda nem expressões triunfalistas que massageiam o ego das pessoas.

Os pregadores brasileiros pregam somente o Evangelho da cruz. Expoentes e cantores evangélicos, na sua totalidade, têm como motivação principal o amor a Deus e ao próximo, e não o amor ao dinheiro e à fama.

Você sabia que os cultos evangélicos, em todas as denominações, são realizados com decência e ordem, seguindo à risca o que está escrito em 1 Coríntios 14? Não existem, em nosso meio, pregadores (pregadores?) malabaristas, espalhafatosos, animadores de auditório. Também não há shows para animar a galera, pois todos os líderes de louvor e cantores estão conscientes de que devem adorar a Deus em espírito e em verdade.

E os grandes congressos da Assembleia de Deus, como estão? Nestes, a Palavra de Deus tem a primazia. Os preletores convidados começam a pregar sempre no melhor momento do culto, quando os ouvintes estão bem dispostos para receber a mensagem.

Também não existe nepotismo no meio assembleiano. Os filhos, netos, sobrinhos e genros de pastores que herdam igrejas — sem nenhuma exceção — foram verdadeiramente chamados pelo Senhor. Todos eles trilharam um caminho normal, sem interferência “superior”, e foram provados, até ascenderem à posição que ora ocupam.

E agora a melhor informação a respeito da Assembleia de Deus: no ano do seu centenário, essa igreja está completamente unida. Não existe mais nenhuma disputa por poder. A tolerância e o altruísmo imperam. Ministros ligados à CGADB e à CONAMAD se amam e lutam juntos em prol de uma igreja vigorosa, que observa a sã doutrina.

Ódio e inveja entre os pastores assembleianos são coisas do passado. Ninguém despreza um companheiro por pertencer a outro ministério. As eleições convencionais são pacíficas, ordeiras e fraternais. Não há vaias e assobios. E os que protestam fazem isso com ética e respeito.

Finalmente, você sabia que todos os evangélicos brasileiros leem a Bíblia diariamente, além de prezarem os bons livros? Aliás, em nosso país, os cristãos leem em média dois livros por mês. E mais de 50% deles já leram pelo menos um livro de Ciro Sanches Zibordi (risos).

Ah, se tudo isso fosse verdade! Mas apenas mais um sonho que tive no dia primeiro de abril...

Ciro Sanches Zibordi

Aos crentes que não gostam de hierarquia nas igrejas

Aumenta a cada dia o número de crentes que não se sujeitam aos líderes e pensam que estão certos. Não respeitam pastores, verberam contra a liderança e afirmam que só devem obediência a Deus. “Igreja não é quartel general”, argumentam. E, generalizando, chamam qualquer liderança firme, segura, de coronelista.

Entretanto, vemos na Bíblia que o próprio Deus prioriza e hierarquiza. Ele — que podia ter formado todas as coisas com uma única palavra — fez questão de formar tudo a seu tempo, dia a dia (Gn 1). O Senhor também pôs em ordem as tribos de Israel (Nm 2), pois o nosso Deus é um Deus de ordem (1 Co 14.40).

De acordo com 1 Coríntios 12.28, há uma hierarquização dos dons e ministérios — estabelecida por Deus, é evidente. Ela existe, não para que um portador de certo dom e ministério se considere superior aos outros, e sim para que haja ordem na casa do Senhor.

Deus pôs na igreja “primeiramente apóstolos” (1 Co 12.28; Ef 4.11). Existem apóstolos hoje? Sim! Mas é claro que há também pseudo-apóstolos, que propagam muitas “apostolices”. Quem são os apóstolos do Senhor, então? São homens de Deus, enviados por Ele, com grande autoridade, e não autoritarismo. Eles formam a liderança maior da igreja, independentemente dos títulos empregados pelas denominações (pastores-presidentes, bispos, reverendos, pastores, presbíteros, etc.).

É importante não confundir títulos com ministérios e dons. Estes vêm do Espírito Santo, enquanto os títulos são recebidos dos homens. Na Assembleia de Deus, por exemplo, não existe o título de apóstolo. Mas isso não significa que não exista o ministério apostólico. Este, segundo a Bíblia, perdurará “até que todos cheguemos à unidade da fé e ao conhecimento do Filho de Deus, a varão perfeito, à medida da estatura completa de Cristo” (Ef 4.13).

O texto de 1 Coríntios 12.28 afirma, ainda, que Deus pôs na igreja “em segundo lugar, profetas”, mencionados — na mesma posição, depois dos apóstolos — em Efésios 4.11. Não confunda esses profetas com os crentes que falam em profecia nos cultos, também chamados de profetas em 1 Coríntios 14.29. O ministério profético neotestamentário é formado por pregadores (pregadores, mesmo!) da Palavra de Deus, portadores de mensagens proféticas.

Em seguida, a Palavra do Senhor, em 1 Coríntios 12.28, assevera: “em terceiro, doutores”. Veja como essa hierarquização ocorria na igreja de Antioquia da Síria: “havia alguns profetas e doutores, a saber: Barnabé, e Simeão, chamado Níger, e Lúcio, cireneu, e Manaém, que fora criado com Herodes, o tetrarca, e Saulo” (At 13.1). Nesse caso, os doutores, que atuam juntamente com os profetas, são ensinadores da Palavra de Deus.

Há casos, como o de Paulo, em que três ou dois dos ministérios mencionados (apóstolo, profeta e doutor) se intercambiam (1 Tm 2.7). Os ministérios de pastor e evangelista certamente fazem parte dos três escalões mencionados em 1 Coríntios 12.28, posto que são títulos relacionados com a liderança maior da igreja.

Finalmente, em 1 Coríntios 12.28, está escrito: “depois, milagres, depois, dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas”. Milagres só vêm depois de apóstolos, profetas e doutores? Isso mesmo. Na hierarquização feita por Deus, o ministério da Palavra é mais prioritário que os milagres, haja vista serem estes o efeito da pregação do Evangelho (Mc 16.17). Observe que João Batista foi considerado por Jesus o maior profeta dentre os nascidos de mulher, mesmo sem ter realizado sinal algum (Jo 10.41).

Se não houver hierarquia nas igrejas, para que servirão os cargos e funções? Qualquer pessoa, dizendo-se usada por Deus, poderá mandar no pastor. Aliás, isso estava acontecendo na igreja de Tiatira, e o próprio Senhor Jesus repreendeu o obreiro frouxo que não estava exercendo a liderança que recebera do Senhor (Ap 2.20).

Deus é Deus de ordem! O princípio divino da hierarquização aparece em várias outras passagens neotestamentárias. Em 1 Coríntios 14.26, vemos que, no culto coletivo a Deus, deve haver ordem. Quanto à ressurreição, está escrito: “Mas cada um por sua ordem: Cristo, as primícias; depois, os que são de Cristo, na sua vinda” (1 Co 15.23). E, no Arrebatamento, tal princípio também será aplicado: “os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens” (1 Ts 4.17).

Em 1 Tessalonicenses 5.23, vemos que Deus prioriza o espírito, na santificação. Muitos pregadores têm dito: “Deus nos quer por inteiro: corpo, alma e espírito”. Mas a Bíblia afirma: “e todo o vosso espírito, e alma, e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo”. Essa ordem mostra que a obra santificadora do Espírito Santo ocorre de dentro para fora, e não de fora para dentro.

O apóstolo Paulo também parabenizou os crentes da cidade de Colossos porque naquela igreja havia ordem (Cl 2.5). E ordem também significa respeitar a hierarquia! Afinal, os ministérios não são invenção humana. Eles foram dados por Deus para edificação do Corpo de Cristo (Ef 4.11-15).

Amém?

Ciro Sanches Zibordi

Os mais variados tipos de pregador e seus públicos-alvo

Há quase 20 anos, fui convidado pela primeira vez para participar de uma agência nacional de pregadores. Um companheiro de púlpito me ofereceu um cartão e disse: “Seria um prazer tê-lo em nossa agência”. Então, lhe perguntei: “Como funciona essa agência?” E a sua resposta me deixou estarrecido: “As igrejas ligam para nós, especificam que tipo de pregador desejam ter em seu evento, e nós cuidamos de tudo. Negociamos um bom cachê”.

É impressionante como o pregador, nos últimos anos, se transformou em um produto. Há alguns meses, depois de eu ter pregado em uma igreja (não me pergunte onde), certo pastor me disse: “Gostei da sua pregação, mas o irmão conhece algum pregador de vigília?” Achei curiosa essa pergunta, pois eu gosto de oração, já preguei várias vezes em vigílias, porém, segundo aquele irmão sugeriu, eu não serviria para pregar em uma vigília!

Em nossos dias — para tristeza do Espírito Santo — pertencer a uma agência de pregadores tornou-se comum e corriqueiro. E os convites para ingressar nessas agências chegam principalmente pela Internet. Nos sites de relacionamento encontramos comunidades pelas quais os internautas mencionam quem é o seu pregador preferido e por quê. Certa jovem, num tópico denominado “O melhor pregador”, declarou: “Não existe ninguém melhor que ninguém; cada um tem a sua maneira de pregar, e cada pessoa avalia segundo o seu gosto”.

Ela tem razão. Ser pregador, hoje em dia, não basta. Você tem de atender às preferências do povo. Já ouvi irmãos conversando e dizendo: “Fulano é um ótimo pregador, mas não é pregador de congresso” ou “Fulano tem muito conhecimento, mas não gosta do reteté”.

Conheçamos alguns tipos de pregador e seus públicos-alvo:

Pregador humorista. Diverte muito o seu público-alvo. Tem habilidade para contar fatos anedóticos (ou piadas mesmo) e fazer imitações. Ele é como o famoso humorista do gênero stand-up comedy Chris Rock (que aparece na imagem acima). De vez em quando cita versículos. Mas os seus admiradores não estão interessados em ouvir citações bíblicas. Isso, para eles, é secundário.

Pregador “de vigília”. Também é conhecido como pregador do reteté. Aparenta ter muita espiritualidade, mas em geral não gosta da Bíblia, principalmente por causa de 1 Coríntios 14, especialmente os versículos 37 e 40: “Se alguém cuida ser espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor... faça-se tudo decentemente e com ordem”. Quando ele vê alguém manejando bem a Palavra da verdade (2 Tm 2.15), considera-o frio e sem unção. Ignora que o expoente que agrada a Deus precisa crescer na graça e no conhecimento (2 Pe 3.18; Jo 1.14; Mt 22.29). Seu público parece embriagado e é capaz de fazer tudo o que ele mandar.

Pregador “de congresso”. Entre aspas porque existe o pregador de congresso que faz jus ao título. Mas o pregador “de congresso” (note: entre aspas) anda de mãos dadas com o pregador “de vigília”, mas é mais famoso. Segundo os admiradores dessa modalidade, trata-se do pregador que tem presença de palco e muita “unção”. Também conhecido como pregador malabarista ou animador de auditórios, fica o tempo todo mandando o seu público repetir isso e aquilo, apertar a mão do irmão ao lado, beliscá-lo... Se for preciso, gira o paletó sobre a cabeça, joga-o no chão, esgoela-se, sopra o microfone, emite sons de metralhadora, faz gestos que lembram golpes de artes marciais... Exposição bíblica que é bom... quase nada!

Pregador “de congresso” agressivo. É aquele que tem as mesmas características do pregador acima, mas com uma “qualidade” a mais. Quando percebe que há no púlpito alguém que não repete os seus bordões, passa a atacá-lo indiretamente. Suas principais provocações são: “Tem obreiro com cara de delegado”, “Hoje a sua máscara vai cair, fariseu”, “Você tem cara amarrada, mas você é minoria”. Estas frases levam o seu fanático público ao delírio, e ele se satisfaz em humilhar as pessoas que não concordam com a sua postura espalhafatosa.

Pregador popstar. Seu pregador-modelo é o show-man Benny Hinn, e não o Senhor Jesus. É um tipo de pregador admirado por milhares de pessoas. Já superou o pregador de congresso. É um verdadeiro artista. Veste-se como um astro; sua roupa é reluzente. Ele, em si, chama mais a atenção que a sua pregação. É hábil em fazer o seu público a abrir a carteira. Seus admiradores, verdadeiros fãs, são capazes de dar a vida pelo seu pregador-ídolo. Eles não se importam com as heresias e modismos dele. Trata-se de um público que supervaloriza o carisma, em detrimento do caráter.

Pregador milagreiro. Também tem como paradigma Benny Hinn, mas consegue superar o seu ídolo. Sua exegese é sofrível. Baseia-se, por exemplo, em 1 Coríntios 1.25, para pregar sobre “a unção da loucura de Deus”. Cativa e domina o seu público, que, aliás, não está interessado em ouvir uma exposição bíblica. O que mais deseja é ver sinais, como pessoas lançadas ao chão supostamente pelo poder de Deus e fenômenos controversos. Em geral, o pregador milagreiro, além de ilusionista e “poderoso” (Dt 13.1-4), é aético e sem educação. Mesmo assim, ainda que xingue ou ameace os que se opõem às suas sandices e invencionices, o seu público é fiel e sempre diz “aleluia”.

Pregador contador de histórias. Conta histórias como ninguém, mas não respeita as narrativas bíblicas, acrescentando-lhes pormenores que comprometem a sã doutrina. Costuma contextualizar o texto sagrado ao extremo. Ouvi certa vez um famoso pregador dizendo: “Absalão, com os seus longos cabelos, montou na sua motoca e vruuum...” Seu público — diferentemente dos bereanos, que examinavam “cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim” (At 17.11) — recebe de bom grado histórias extrabíblicas e antibíblicas.

Pregador cantante. Indeciso quanto à sua chamada. Costuma cantar dois ou três hinos (hinos?) antes da pregação e outro no meio dela. Ao final, canta mais um. Seu público gosta dessa “versatilidade” e comemora: “Esse irmão é uma bênção! Prega e canta”. Na verdade, ele não faz nenhuma das duas coisas bem.

Pregador “massagista”. É hábil em dizer palavras que massageiam os egos e agradam os ouvidos (2 Tm 4.1-5). Procura agradar a todos porque a sua principal motivação é o dinheiro. Ele não tem outra mensagem, a não ser “vitória”, principalmente a financeira. Talvez seja o tipo de pregador com maior público, ao lado dos pregadores humorista, popstar e milagreiro.

Pregador sem graça. É aquele que não tem a graça de Deus (At 4.33). Sua pregação tem bastante conteúdo, mas é como uma espada: comprida e chata (maçante, enfadonha). Mas até esse tipo de pregador tem o seu público, formado pelos irmãos que gostam de dormir ou conversar durante a pregação.

Pregador chamado por Deus (1 Tm 2.7). Prega a Palavra de Deus com verdade. Estuda a Bíblia diariamente. Ora. Jejua. É verdadeiramente espiritual. Tem compromisso com o Deus da Palavra e com a Palavra de Deus. Seu paradigma é o Senhor Jesus Cristo, o maior pregador que já andou na terra. Ele não prega para agradar ou agredir pessoas, e sim para cumprir o seu chamado. Seu público — que não é a maioria, posto que são poucos os fiéis (Sl 12.1; 101.6) — sabe que ele é um profeta de Deus. Esse tipo de pregador está em falta em nossos dias, mas não chama muito a atenção das agências de pregadores. A bem da verdade, estas também sabem que nunca poderão contar com ele...

Qual é a sua modalidade preferida, prezado leitor? Você pertence a qual público? E você, pregador, qual dos perfis apresentados mais lhe agrada?

Ciro Sanches Zibordi

quinta-feira, 21 de abril de 2011

CARÁTER PARA SER DIFERENTE E CORAGEM PARA FAZER DIFERENÇA

Os livros de história da Igreja nos contam a respeito de um monge chamado São Bento (século IV), que após aderir ao movimento monacal – uma crítica a corrupção e imoralidade da igreja – e que levou leigos e
clérigos a retiros de isolamento de oração e quebrantamento em piedade;
conta-se que o mesmo cunhou uma frase que entrou para a história e influenciou seus contemporâneos: “Ora Et Labora” (Ore e trabalhe; ou Medite e lute).
No século seguinte, outro monge, Telêmaco, influenciado por esta palavra, homem de oração, piedoso e fervoroso em sua fé; conta-se que Telêmaco invadiu uma arena para impedir que dois gladiadores se matassem. Sua atitude foi para que cessasse a violência sanguinolenta patrocinada pelo Império Romano diante das massas extasiadas. Naquele momento nada adiantou. Telêmaco foi morto ainda na arena. Todavia, o Imperador Honório, apenas 3 meses depois declara o fim de tais práticas.
Quantas são as questões atuais que requerem da igreja uma postura de coragem? Como cristãos somos chamados para sermos sal e luz, precisamos cultivar um caráter íntegro para sermos diferentes e termos coragem para fazer a diferença no mundo em que estamos plantados por Deus.

Rev. Carlos Orlandi

PERDEMOS UM BOM POLÍTICO E UM GRANDE HOMEM

Não conheci pessoalmente o ex-vice presidente José de Alencar. Conheci , todavia, a cidade onde ele nasceu - Muriaé/MG. Estive ali por diversas vezes e preguei na pequena IPB de lá, onde pude conhecer parte daquela gente. Gente simples e de caráter.
Gente campesina, de costumes singelos, de sotaque gostoso. Gente lutadora e sofredora em uma região semi abandonada por vários governos. Daquele cantinho do Leste de Minas, aprouve a Deus erguer um líder empresarial, um bom político nacional, mas acima de tudo um guerreiro pela vida – um homem de raro valor.
Sua luta contra o câncer teve números grandiosos: 14 anos entre cirurgias e quimioterapias. 17 internações graves durante seu governo. Sua luta abasteceu o coração de muita gente com esperança e coragem, pois ele de igual forma lutava animadamente pela vida sem esmorecer. Essa luta ele trouxe de lá, do povo do Leste de Minas. Lá tem gente de valor, trabalhadora, de fé e de caráter prefiguradas neste grande líder nacional que honrou seu lar, sua família, sua terra e sua gente.
Sua morte vai deixar lacuna. São poucos os políticos com sua integridade e coragem. Há um tsunami de maus políticos que geram mais destruição no país do que o maremoto do Japão. José de Alencar aprendeu a ler e escrever sozinho. Começou a trabalhar com seu pai comerciante aos 7 anos de idade, cresceu com honradez e tornou-se empresário de sucesso na área de tecelagem nacional.
Nesta hora de luto e dor de nossa gente, gente sem referenciais e modelos decentes, presto também minha homenagem ao Leste de Minas, esta região do país que tem nos legado não apenas
grandes políticos e empresários, mas verdadeiros exemplos de fé e dignidade.

Pr Carlos Orlandi

HIDROTEOLOGIA, CONTEMPORÂNEA COMO A VIDA

Sem amor ao próximo, sem promoção de justiça e, conseqüentemente, sem paz na sociedade, nossa teologia será árida e infértil. A transposição das águas do Rio São Francisco é um dos temas mais polêmicos da agenda brasileira.
O projeto, em resumo, destina-se a desviar enormes trechos do Velho Chico para áreas de seca – contribuindo, teoricamente, para a solução do centenário drama nordestino da escassez de água –, e é bandeira prioritária do governo Lula. Os principais argumentos a favor da obra giram em torno da possibilidade de irrigar 300 mil hectares de terras e transformar o sertão em um pólo agrícola, sobretudo de fruticultura, gerando empregos e renda para a região. Doze milhões de pessoas seriam beneficiadas em 268 cidades, de centros urbanos como Campina Grande (PB) e Caruaru (PE) a pequenas vilas encravadas no agreste.

Recentemente, o bispo católico Luiz Cappio, com sua greve de fome contra o projeto, chamou a atenção da opinião pública brasileira e internacional para o que considera um equívoco. No entender do religioso, a transposição vai causar mais problemas que soluções. Minha história de vida, juntamente com o trabalho na Visão Mundial, me propiciam uma vocação pastoral marcada pela poeira e pelo sol escaldante do meu querido sertão. Sinto o pó de argila impregnado aos dedos, amolgados pelo atrito das pedras nas sandálias de camponeses pobres. Nas épocas de estiagem, observo o vento morno acariciando as resistentes folhas de carnaúba. A cor cinza da caatinga, formada por gravetos secos, está sempre tatuada na minha memória.

Ao contrário do que se diz, a natureza presenteou o nosso Semi-árido de paisagens verdes alimentadas por recursos hídricos. Deus concedeu ao Nordeste brasileiro precipitações pluviométricas privilegiadas, um dos solos mais férteis do planeta e uma excelente incidência solar. A combinação destes fatores torna algumas áreas da região um centro atrativo para grandes produtores. No Nordeste, é possível se extrair grandes safras e manter rebanhos bem alimentados. Todavia, ali mesmo, encontro multidões de sofredores. Caso de dona Francisca, que vive a seis quilômetros das margens do São Francisco – mas não pode oferecer um litro de água à cabra, “mãe leiteira” dos seus 11 filhos. Num misto de humor e indignação com a privação ou privatização da água, ela disse que não chorava porque não tinha mais água nos olhos.

O nosso problema não é apenas de seca, nem será resolvido desviando-se bilhões de metros cúbicos de água. Temos um drama de acumulação de bens e concentração de terras e mananciais nas mãos de poucas pessoas, protegidas por cercas de arame farpado intransponíveis. Acontece que, com menos investimento do que o planejado para a transposição do Velho Chico, pode-se fazer uma reforma agrária mais conseqüente, implementando a agricultura familiar sustentável. Bastaria melhorar pequenos açudes já existentes, montar barragens subterrâneas, continuar construindo cisternas para uso familiar nas pequenas propriedades de Franciscos e Franciscas.

Antes de se pensar em mudar o curso de um rio, precisamos de uma mudança de paradigma: priorizar o que fazer em cooperação com o pequeno agricultor, para melhorar sua capacidade de produção. Seus projetos não agridem o meio ambiente e, se tecnicamente bem orientados, são potencialmente mais sustentáveis. Precisamos de uma reforma agrária e agrícola – e, na teologia, devemos entender que o tema em questão é sobre a nossa responsabilidade com tanta água que Deus manda para os nordestinos. Entre a nossa hidroteologia que estuda somente sobre a quantidade de água a ser usada para o batismo – se por imersão ou aspersão –, precisamos optar por uma teologia que equacione o problema da justiça quanto ao uso de água no planeta. Sem amor ao próximo, sem promoção de justiça e, conseqüentemente, sem paz na sociedade, nossa teologia será árida, infértil e não sinalizará a utopia possível do Reino de Deus.
Que os rios de justiça sejam transportados do coração de mulheres e homens de bem. Parafraseando a linguagem hidroteológica do profeta Amós, pedimos a Deus que “a retidão corra como um rio, a justiça como um ribeiro perene”.

Deus concedeu ao Nordeste brasileiro precipitações pluviométricas privilegiadas, um dos solos mais férteis do planeta e uma excelente incidência solar.

Pr Carlos Queiroz

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Não podemos amar uns aos outros?

Cer­ta noite, no campo em Chungkai, depois da inspeção, um guarda japonês anunciou que faltava uma pá. O oficial manteve as Forças Aliadas em formação, insistindo que alguém havia roubado a pá.Gritando em um inglês mal falado, ele exigiu que o culpado desse um passo à frente.

Pôs seu rifle no ombro, pronto para matar um prisio­neiro por vez até que a confissão fosse feita.
Um soldado escocês saiu da formação, ficou firmemente em posi­ção de sentido e disse: "Fui eu". O oficial descarregou sua raiva e bateu no homem até ele morrer. Quando o guarda finalmente se cansou, os prisioneiros pegaram o corpo do homem e suas ferramentas e voltaram para o campo. Só então as pás foram recontadas. O soldado japonês co­metera um erro. No final das contas, nenhuma pá estava faltando.
Quem faz isso? Que tipo de pessoa assumiria a culpa de algo que não fez?
Quando você encontrar tal substantivo, associe-o a Jesus. "O SE­NHOR fez cair sobre ele a iniqüidade de todos nós" (Isaías 53:6).
Cristo viveu a vida que não poderíamos viver e levou o castigo que não poderíamos levar para oferecer a esperança a que não podemos resis­tir. Seu sacrifício pede que façamos essa pergunta: se ele tanto nos amou, não podemos amar uns aos outros? Tendo sido perdoados, não podemos perdoar? Tendo festejado à mesa da graça, não podemos compartilhar algumas migalhas de pão?
"Amados, visto que Deus assim nos amou, nós também devemos amar uns aos outros" (1 João 4:11).

Volva seus olhos para Cristo. Olhe mais para o Mediador e menos para os encrenqueiros.

"Não se deixem vencer pelo mal, mas vençam o mal com o bem" (Romanos 12:21).

Seja a beleza em meio às suas feras e veja o que acontece.


Max Lucado - Do livro Derrubando Golias

AS SETE MARAVILHAS DO MUNDO

Um grupo de estudantes tinha que fazer uma lista das coisas que eles consideravam hoje as Sete Maravilhas do Mundo.


Depois de algumas discordâncias, foi feita uma lista com as mais votadas:
- As Pirâmides do Egito
- Taj Mahal
- Grand Canyon
- Canal do Panamá
- Empire States Building
- A Basílica de São Pedro
- A Muralha da China


Enquanto os votos eram recolhidos, a professora notou que uma aluna não tinha entregue o seu papel ainda. Ela veio na sua direção e lhe perguntou se ela estava tendo dificuldades.

"É, um pouco... respondeu a menina. Eu não consegui me decidir porque são tantas as maravilhas." Então a professora disse-lhe: "Leia sua lista para nós... vamos ver se podemos ajudá-la".

A menina hesitou um pouco, e leu: "Eu acho que as Sete Maravilhas do Mundo são:
- ver
- ouvir
- tocar
- saborear
- sentir
- rir
- e amar."
[silêncio profundo na sala de aula]

Obrigado Senhor.

http://www.carlosorlandijr.blogspot.com/

Ser feliz é uma decisão

Uma senhora de 92 anos, delicada, bem vestida, com o cabelo bem penteado e um semblante calmo, precisou se mudar para uma casa de repouso. Seu marido havia falecido recentemente e a mudança se fez
necessária, pois ela era deficiente visual e não havia quem pudesse ampará-la em seu lar.
Uma neta dedicada a acompanhou.
Após algum tempo aguardando pacientemente na sala de espera, a enfermeira veio avisá-las que o quarto estava pronto.
Enquanto caminhavam, lentamente, até o elevador, a neta, que já havia vistoriado os aposentos, fez-lhe uma descrição visual de seu pequeno quarto, incluindo as flores na cortina da janela.
A senhora sorriu docemente e disse com entusiasmo: Eu adorei!
Mas a senhora nem viu o quarto... Observou a enfermeira.
Ela não a deixou continuar e acrescentou:
A felicidade é algo que você decide antes da hora. Se eu vou gostar do meu quarto ou não, não depende de como os móveis estão arranjados, e sim de como eu os arranjo em minha mente.
E eu já me decidi gostar dele...
E continuou: é uma decisão que tomo a cada manhã quando acordo. Eu tenho uma escolha, posso passar o dia na cama remoendo as dificuldades que tenho com as partes de meu corpo que não funcionam há muito tempo, ou posso sair da cama e ser grata por mais esse dia.
Cada dia é um presente, e meus olhos se abrem para o novo dia das memórias felizes que armazenei...
A velhice é como uma conta no banco, minha filha... De onde você só retira o que colocou antes.
Comece, sem demora, a depositar felicidade na conta do banco das suas lembranças, para poder resgatar sempre que desejar.

Ilustração do site www.hebert.com.br
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

VOCÊ ESPECIAL

GOOGLE +