quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

O valor dos cultos de virada do ano

Entro no automóvel e rodo pela periferia de Olinda e Recife (e de outras cidades, em outros tempos). O dia é 31 de dezembro. A hora: das dez da noite à meia-noite. Igrejas batistas, presbiterianas, congregacionais, assembleias de Deus e, tantas outras, templos superlotados, com membros, visitantes e parentes dos membros.
Ações de graças, intercessões, dedicações, reconsagrações, adoração, louvor, alegria, confraternização, esperanças: um novo tempo sob o eterno Deus. Que maravilha! Que bênção! Uma das mais ricas, belas e profundas tradições do protestantismo evangélico de missão: os Cultos de Vigília de Virada de Ano. Muitos milagres têm acontecido nessas ocasiões, em que a brevidade e a qualidade da vida impactam dramaticamente, demandando decisões.

Espero que o povo crente simples de coração mantenha essa santa tradição até a volta de Jesus.

Pouco tempo após a minha conversão, tive a oportunidade de participar do primeiro culto de virada de ano, na Igreja Batista de União dos Palmares, Alagoas. Fiz um voto de comparecer a esses cultos pelo resto da vida. Quando me casei, Miriam “vestiu a camisa” da mesma causa, e nesses 41 anos temos rompido o ano em uma Igreja evangélica, onde estivermos, e qualquer quer seja a denominação disponível.

Desde que assumi o episcopado tenho ensinado e exortado as nossas Paróquias e Missões a se tornarem parecidas com os outros crentes também nessa prática. Algumas já a adotaram, outras ainda resistem, sob o argumento de desconforto, violência, distância, classe social (espírito burguês), tradições ou pressões irresistíveis de suas carnais famílias da carne.

Desde a implantação do protestantismo de missão no Brasil, a ruptura com tradições da família da carne (acidente biológico, transição histórica, com o inferno esperando por alguns) foi incentivada pela prioridade de um testemunho de novos valores, inclusive da família espiritual (com quem vai se passar a eternidade, onde todos os de branco formaram uma única família). Sempre que essa ruptura se deu houve cara feia e reclamação, mas, com o tempo, respeito e admiração pela coerência.

Você quer passar o fim de ano com sua família da carne? Leve a mesma ao culto, ou vá comer e beber com ela depois do culto. Estou me lembrando de uma de nossas Paróquias, que era a única Igreja em todo o bairro (com muitas Igrejas evangélicas) a não comemorar o Culto de Virada de Ano, contrastando com todos os crentes. Desafiei a Paróquia. No primeiro ano alguns gatos pingados. A partir do segundo ano, um crescendo até se tornar no culto de maior frequência em todo o ano, inclusive com a presença muito forte de parentes, vizinhos e amigos.

Nesse ano, gostaria de me congratular com as Paróquias, Missões e Pontos Missionários que já se comportam como os outros crentes. Ainda há tempo para outras comunidades iniciarem essa bendita prática no próximo 31 de dezembro. Os comes e bebes da família da carne podem esperar uma hora. As tradições mundanas podem ser superadas. O espírito burguês pode ser vencido (muito mais a escusa da distância ou da violência).

Continuarei a clamar, nesses dois anos e meio que me restam como Bispo Diocesano: Todas as comunidades promovam Cultos de Vigília na Virada do Ano! Todos os membros acorram aos Cultos! Os pastores deem exemplo! Pois, aqui nós somos crentes!

Robinson Cavalcanti
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

NOSSA PAGINA

VOCÊ ESPECIAL

GOOGLE +