Massacre em Suzano: até onde jogos violentos podem influenciar a mente humana?

Semelhança entre assassino de Suzano  (direita) e personagem do jogo Free Fire  (esquerda) é notável. (Foto: Guiame) Autoridades ...

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

A ALDEIA DOS LEPROSOS

Lucas 17:11-19

T.S. Eliot, em seu livro “O Coquetel”, apresenta de forma muito feliz o drama da existência humana. Um de seus personagens se chama Célia e se sente doente, a tal ponto que procura um psiquiatra. Ela sabe que está muito enferma e que aquilo que ela sente não é algo comum. Seria terrível se todos os seres humanos se sentissem assim, pensa ela.

Ao chegar ao consultório ela explica ao médico que são basicamente dois os sintomas de sua moléstia. O primeiro é que ela se sente só, muito só. O segundo é que ela tem a sensação que cometeu pecado, não algo objetivo de que se possa livrar simplesmente pedindo perdão, não é algo que decorre de uma ação, mas uma espécie de estado da alma.

De certa forma, é esta a realidade e a dor de todo ser humano. Se sentir só, banido, exilado, sabe ele lá de onde, e impuro, imperfeito, pecador. O texto que propomos como base para a nossa reflexão de hoje, fala-nos de uma comunidade de leprosos. Eram dez ao todo, viviam em uma “aldeia fantasma”, no meio do nada, entre a Galiléia e Samaria. Creio que eles são uma metáfora apropriada da realidade humana, muito embora reconheça que o texto não é metafórico.

Como eles, todos nós estamos acometidos de uma doença crônica e incurável. Nem a medicina, nem a filosofia, nem qualquer outra ciência humana pode nos trazer a saúde. Nós até podemos disfarçá-la, maquiá-la para que ela não se manifeste em toda sua hediondez. Nós podemos nos auto-receitar remédios, terapias, tratamentos. Ou podemos seguir a receita de outras pessoas, esvaziar a mente com meditações transcendentais, fazer caridade para banhar de mel nossa chagas purulentas, engajarmo-nos em uma igreja ou organizaçao humanitária e trabalharmos freneticamente para que, quem sabe, mostremos a Deus que somos dignos de sua cura. Mas nada disso é suficiente, nós continuamos terrivelmente doentes.

E esta doença, como era a daqueles infelizes descritos por Lucas, é tal que nos exila, que nos manda pra fora, que nos exclui. Por isso nos sentimos sozinhos, por isso temos a sensação de que este não é o nosso lugar, que, nas palavras de Pedro, somos estrangeiros e peregrinos. Isso explica esta nostalgia do Éden, do jardim da Comunhão, onde nunca estivemos, mas, paradoxalmente, para onde ansiamos voltar.

Numa situação dessas, há aqueles que são capazes de nutrir uma esperança de mudança. Algo pode acontecer e mudar a sua sorte, um milagre ou o destino, quem sabe. Mas há aqueles também que se resignam, que aceitam isso como algo inevitável que lhes aconteceu e vivem de “boca aberta esperando a morte chegar”. Nossos personagens são do primeiro tipo de pessoas, tinham ouvido histórias, quem sabe um deles tinha visto Jesus fazer maravilhas antes de ser acometido pela doença e contara aos seus irmãos de sina que ele seria a solução de seus problemas, e que se um dia, quem dera... ele lhes chegasse perto, poderiam pedir-lhe que deles tivesse misericórdia e rogasse aos céus em seu favor.

Como os leprosos, só nos resta uma esperança, Jesus de Nazaré. Para nossa felicidade, e a deles, não entendo porque, o Mestre costuma entrar na “aldeia dos leprosos”, rompendo com todos os padrões religiosos, morais e higiênicos, ele entra por vontade própria na colônia dos proscritos, daqueles que não podem e nem devem ser vistos, gente destinada ao esquecimento, para quem a morte seria uma visita bem vinda. Diz-nos o texto que ele “entrando na aldeia, lhe saíram ao encontro dez leprosos”

É como se ele tivesse uma irresistível inclinação na direção dos que sofrem. Lembro-me de uma ocasião em que era comemorada a Festa da Páscoa em Jerusalém. Jesus foi para a cidade, mas em lugar de ir para a praça do Palácio, onde se poderia ouvir o fremido dos tamborins, ou para os átrios do Templo, onde o cheiro bom do incenso e o som dos louvores enchiam a tudo, ele se dirige para o Tanque de Betesda, um fétido e esquecido local, onde se empilhavam às centenas enfermos de todos os tipos, vítimas de todos os males. Por toda parte os gemidos de dor, os gritos oriundos do corpo e da alma.

Louvado seja o Senhor, que não se afasta dos que sofrem, nas palavras do compositor do Salmo 116, “amo ao Senhor porque Ele ouve a minha voz e a minha súplica”. Ou nos versos de uma outra canção que eu aprendi ainda bem criança, “bendito seja nosso Deus que não me rejeita a oração, nem afasta de mim a Sua Graça”.

Com carinho,

Rev. Martorelli Dantas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça comentários produtivos no amor de Cristo com a finalidade de trazer o debate para achar a verdade. Evite palavras de baixo calão, fora do assunto ou meras propagandas de outros blogs ou sites.

Marcadores

REFLEXÕES NOTÍCIAS LIÇÕES BÍBLICAS VIDEOS ESCOLA DOMINICAL DEVOCIONAIS COMENTÁRIOS ESTUDOS SAMUEL VIEIRA VIDA CRISTÃ EVENTOS SERMÕES PASTORAIS SILAS MALAFAIA JOSÉ GONÇALVES 2º TRIMESTRE 2012 HERNANDES DIAS LOPES POLITICA ILUSTRAÇÕES ELINALDO RENOVATO FAMÍLIA SILAS DANIEL 4º TRIMESTRE 2012 ALEXANDRE COELHO ELIENAI CABRAL 1º TRIMESTRE 2013 2º TRIMESTRE 2013 3º TRIMESTRE 2014 EPÍSTOLA DE TIAGO EVANGELHOS 3º TRIMESTRE 2013 DILMA ROUSSEFF MENSAGENS APOLOGÉTICA APOSTOLO CASAMENTO EPÍSTOLAS 2º TRIMESTRE 2014 4º TRIMESTRE 2013 FOTOS 3º TRIMESTRE 2012 FILIPENSES PROFETAS 1º TRIMESTRE 2015 2º TRIMESTRE 2016 4º TRIMESTRE 2014 ADULTOS DANIEL DOUTOR OS DEZ MANDAMENTOS DONS ESPIRITUAIS LUCAS MANDAMENTOS ROMANOS 2º TRIMESTRE 2015 CPAD ESEQUIAS SOARES HOMOSSEXUALIDADE 1º TRIMESTRE 2014 3º TRIMESTRE 2015 AGENDA MARIO SALES ÊXODO ELIEZER DE LIRA E SILVA RENATO BROMOCHENKEL ANTÔNIO GILBERTO 4º TRIMESTRE 2015 CRIME JOVENS MARCOS POLICIA REFORMA SÉRIES CLAUDIONOR DE ANDRADE FÁBULAS VIOLÊNCIA AUGUSTUS NICODEMUS LOPES ECLESIASTES GENESIS SALMOS ADULTÉRIO AÉCIO NEVES CIRO SANCHES ZIBORDI MARINA SILVA NATAL 1º TRIMESTRE 2012 FORNICAÇÃO FÉ E OBRAS HERESIAS LUIS INÍCIO LULA DA SILVA MARCO FELICIANO PROVÉRBIOS REINALDO AZEVEDO ANO NOVO BRASIL DINHEIRO INVESTIGAÇÃO MYLES MUNROE NAMORO PRESBÍTERO PROSPERIDADE SANTIFICAÇÃO SERMÃO DO MONTE 4º TRIMESTRE 2011 COPA DO MUNDO ESCATOLOGIA GEREMIAS DO COUTO GLOBO MULHER NELSON NED NOVELAS PETROBRAS PETROLÃO PORNOGRAFIA SEXO DEPUTADOS DIÁCONO EDUCAÇÃO ENTREVISTA FESTA FILHOS LAVA JATO LIBERALISMO LIDERANÇA MAGNO MALTA. MARIA MARTA MARTINHO LUTERO OBREIROS ORAÇÃO PARÁBOLA PRESIDENTE SABEDORIA 1º TRIMESTRE 2016 1º TRIMESTRE 2018 ADORAÇÃO ATIVISMO ATOR C. H. BROWN CORRUPÇÃO CUBA DENZEL WASHINGTON DIVÓRCIO ELIAS FILMES GRATIDÃO ISRAEL JEAN WYLLYS MARCHA PARA JESUS NORBERT LIERTH OPERAÇÃO PREGADORES PROTESTO REYNALDO ODILO SACERDOTES SAMUEL F.M. COSTA SEXUALIDADE TEOLOGIA TRABALHO 3º TRIMESTRE 2016 4º TRIMESTRE 2008 4º TRIMESTRE 2016 4º TRIMESTRE 2018 ABEL AGIOTAGEM ALEGRIA AMIGOS AMIZADE AMY WINEHOUSE ANCIÃO ARROGÂNCIA BABILÔNIA BIBLIOLOGIA BISPO CAIM CALVÁRIO CHARLES HADDON SPURGEON CHARLES R. SWINDOLL CORDEIRO CRIANÇAS CRISTO CRITICAS CÓDIGO DA VINCI DESIGREJADOS ELIEZER RODRIGUES ENVELHECER EUNÁPOLIS EXPOSITIVO F FARSA FEMINISMO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO GOMORRA HERRY POTTER HOMILÉTICA HUMILDADE INIMIGOS INIMIZADE JEJUM JOHN ANKERBERG JOHN WELDON JORDÃO JUSTOS LARRY WILSON LEIS LÍNGUA MAR VERMELHO MARCHISMO MARK BROWN MESTRE MOISÉS MUSICA NAMOROj NETO GUERRIERI OSTENTAÇÃO PASCOA PERDÃO PILATOS PREFEITOS PROVAÇÕES RELIGIÃO SALVAÇÃO SEGURANÇA SELEÇÃO BRASILEIRA SENADOR SODOMA TEMOR TEMPERAMENTOS TENTAÇÃO TESTEMUNHO VINDA DE CRISTO WARREN WIERSBE WILLIAM MACDONALD XUXA ÍMPIOS ÓDIO