Massacre em Suzano: até onde jogos violentos podem influenciar a mente humana?

Semelhança entre assassino de Suzano  (direita) e personagem do jogo Free Fire  (esquerda) é notável. (Foto: Guiame) Autoridades ...

sábado, 24 de março de 2012

Em defesa da CENSURA! 2

O meu post anterior gerou uma série de comentários, uns com mal entendidos, outros irados, e outros até positivos e de apoio. Respondi a todos os comentários, lá, mas continuo o assunto com observações adicionais, algumas contidas naquelas respostas.

O nome do meu texto original foi “Em defesa da Censura”! Por alguma razão estranha, muitos leram tanto o título, como o conteúdo, como uma defesa à criação de uma confraria de censores de vestes pretas, articulando suas decisões em porões obscuros em bases subjetivas. 
Mas o fato é que, para defender a censura, não precisamos dessa categoria de pessoas: os censores. Bastaria a aplicação da Lei da Terra que já existe e que, pela misericórdia divina e sua Graça Comum, reflete, ainda que de longe, a Lei Moral de Deus. Por exemplo – por que o estatuto da criança é olhado apenas para coibir “trabalho infantil”, ou para impedir o exercício da disciplina em colégios e outras instituições? Quem está preocupado em proteger as crianças do incentivo nauseante à sexualidade precoce? Ou seja, basta aplicarmos leis que já existem, que a bandalheira que aí está seria pelo menos diminuída. Precisamos que cidadãos se levantem contra a baderna que impera e que governantes e magistrados ajam como Ministros de Deus na promoção da justiça e das verdades, punindo os maus e recompensando os bons.

Quando os crentes se inibem, deixam de se indignar, ou – quando se indignam – mas acham apenas que “isso é um problema meu e da minha família”, prejudicam a sua missão na terra e, na melhor das hipóteses, estreitam a influência que deveriam ter como sal da terra e luz do mundo. Ninguém está defendendo a substituição da proclamação do evangelho salvador de Cristo pelo exercício consciente da cidadania, mas uma coisa não exclui a outra.

De onde vem essa ingenuidade cristã, demonstrada por alguns, de que a sociedade civil e as suas leis são neutras e se constituem um regramento moralmente estéril para regular a sociedade secular? As sociedades prosperam no exercício da justiça na medida em que preservam o que Deus diz que deve ser preservado e condenam aquilo que deve ser condenado. Impossível, clamam alguns! Será? Não é essa a ótica da Palavra de Deus. O fato é que a grande maioria dos cristãos subestima a abrangência da grande verdade que é a criação das pessoas à imagem e semelhança de Deus. Subestima também o ensino sobre os que não têm o conhecimento direto de Deus, achando que são incapazes de qualquer traço de moralidade, mas a Bíblia registra que eles têm a lei dele impressa em seus corações.

Creio que temos um descaso pela forma como Deus age, derramando sua Graça Comum sobre a Terra (diferente da Graça Especial – que é salvífica). E isso leva os cristãos a dois polos – retratados em alguns comentários: (1) Aceitação acrítica da secularização da sociedade – “o que eles definirem está bom; é o que lhe compete, e nada tem a ver com os pilares e princípios de nossa fé”; ou (2) a sociedade secular é completamente má e pervertida; “temos de proteger a nossa família deles e tão somente pregar o evangelho, pois não há nenhum ponto em comum e nunca defenderão os princípios reais de justiça”. Esses extremos têm um ponto de contato: consideram que a religiosidade e os princípios da religião verdadeira são questões particulares. Defender a censura e um “basta!” para a dissolução moral seria “impingir a visão cristã de mundo aos demais”, e isso não seria correto nem praticável.

Ocorre que a defesa de “um estado laico”, por cristãos, é com frequência equivocada. Em vez de promoverem e defenderem um estado que não abrigue ou promova uma determinada religião – o que é defensável; aceitam um estado que é divorciado de princípios universais de justiça, que Deus, por sua misericórdia, ainda mantém até na consciência dos ímpios. Nessa ânsia de abstrair o estado da religião, retiram dos governantes o papel de ministros de Deus, como a própria Bíblia os considera. Ministros para que? Para servirem na condenação do mal e na promoção do que é bom e verdadeiro. Engolem a falácia coletivista de que os governantes não respondem primariamente a Deus, mas ao povo. Retiram-se da esfera governamental âncoras éticas e comportamentais que são, sim, defendidas pelos cristãos, mas deveriam também, ser a base do governo justo.

Acho pertinentes as palavras de um autor (você pode ler o artigo todo dele, aqui) que escreveu contra o mito de que “não se pode legislar moralidade”. Na realidade, ele afirma corretamente que “toda lei é uma moralidade legislada”, e adiciona que não podemos legislar pessoas morais, mas é possível, sim, legislar moralidade:
Leis contra roubo e assassinato nunca foram feitas para tornar alguém melhor,
nem pretendem fazê-lo. Elas têm o intuito de dissuadir as pessoas imorais de um
comportamento imoral por meio do medo da justiça. Nem parar num sinal de pare
faz você uma pessoa moral; o intuito não é torná-lo moral, mas fazer você
dirigir de uma forma que proteja a vida e propriedade dos outros. Os
magistrados, diz o apóstolo Paulo, devem ser um terror para os malfeitores; seu
propósito é controlar as pessoas que querem fazer o que a lei diz ser errado.
Muitos cristãos pensam que devem manter apenas as suas ações de evangelização, mas conservar os seus padrões apenas para “a comunidade cristã”, jogando a toalha da vida em sociedade, pois qualquer tentativa de reafirmar nossos princípios ao governo, não somente será inútil, como até será errada – pois estaríamos forçando nossa visão de vida aos demais. Crentes que pensam dessa maneira podem até se considerar cidadãos esclarecidos, mas diminuem o papel que devem ter na sociedade e o que deles espera o seu Criador. Essa é uma atitude politicamente correta, adorada pelos ímpios, mas inócua e inadequada ao cristão cidadão.
Ora se vamos ser politicamente corretos, paremos de evangelizar! A evangelização é o fruto de uma profunda certeza de que as verdades e o Deus das Escrituras são reais, e de que a mensagem de Cristo é real – convicção essa operada pelo Espírito Santo. Essa persuasão deve ser tão grande, que carreamos o anúncio a outros, indicando que só existe UM caminho, e apenas UMA forma correta de compreender a realidade, para sair da punição eterna e entrar na comunhão com o Criador. Essa exclusividade da fé Cristã, que não admite compartilhar O Caminho, com outras “fés”, é politicamente incorreta, mas é a própria mensagem, que nos legou Jesus Cristo, o Salvador, para que ressoasse pelo mundo por meio de nossas vidas e palavras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça comentários produtivos no amor de Cristo com a finalidade de trazer o debate para achar a verdade. Evite palavras de baixo calão, fora do assunto ou meras propagandas de outros blogs ou sites.

Marcadores

REFLEXÕES NOTÍCIAS LIÇÕES BÍBLICAS VIDEOS ESCOLA DOMINICAL DEVOCIONAIS COMENTÁRIOS ESTUDOS SAMUEL VIEIRA VIDA CRISTÃ EVENTOS SERMÕES PASTORAIS SILAS MALAFAIA JOSÉ GONÇALVES 2º TRIMESTRE 2012 HERNANDES DIAS LOPES POLITICA ILUSTRAÇÕES ELINALDO RENOVATO FAMÍLIA SILAS DANIEL 4º TRIMESTRE 2012 ALEXANDRE COELHO ELIENAI CABRAL 1º TRIMESTRE 2013 2º TRIMESTRE 2013 3º TRIMESTRE 2014 EPÍSTOLA DE TIAGO EVANGELHOS 3º TRIMESTRE 2013 DILMA ROUSSEFF MENSAGENS APOLOGÉTICA APOSTOLO CASAMENTO EPÍSTOLAS 2º TRIMESTRE 2014 4º TRIMESTRE 2013 FOTOS 3º TRIMESTRE 2012 FILIPENSES PROFETAS 1º TRIMESTRE 2015 2º TRIMESTRE 2016 4º TRIMESTRE 2014 ADULTOS DANIEL DOUTOR OS DEZ MANDAMENTOS DONS ESPIRITUAIS LUCAS MANDAMENTOS ROMANOS 2º TRIMESTRE 2015 CPAD ESEQUIAS SOARES HOMOSSEXUALIDADE 1º TRIMESTRE 2014 3º TRIMESTRE 2015 AGENDA MARIO SALES ÊXODO ELIEZER DE LIRA E SILVA RENATO BROMOCHENKEL ANTÔNIO GILBERTO 4º TRIMESTRE 2015 CRIME JOVENS MARCOS POLICIA REFORMA SÉRIES CLAUDIONOR DE ANDRADE FÁBULAS VIOLÊNCIA AUGUSTUS NICODEMUS LOPES ECLESIASTES GENESIS SALMOS ADULTÉRIO AÉCIO NEVES CIRO SANCHES ZIBORDI MARINA SILVA NATAL 1º TRIMESTRE 2012 FORNICAÇÃO FÉ E OBRAS HERESIAS LUIS INÍCIO LULA DA SILVA MARCO FELICIANO PROVÉRBIOS REINALDO AZEVEDO ANO NOVO BRASIL DINHEIRO INVESTIGAÇÃO MYLES MUNROE NAMORO PRESBÍTERO PROSPERIDADE SANTIFICAÇÃO SERMÃO DO MONTE 4º TRIMESTRE 2011 COPA DO MUNDO ESCATOLOGIA GEREMIAS DO COUTO GLOBO MULHER NELSON NED NOVELAS PETROBRAS PETROLÃO PORNOGRAFIA SEXO DEPUTADOS DIÁCONO EDUCAÇÃO ENTREVISTA FESTA FILHOS LAVA JATO LIBERALISMO LIDERANÇA MAGNO MALTA. MARIA MARTA MARTINHO LUTERO OBREIROS ORAÇÃO PARÁBOLA PRESIDENTE SABEDORIA 1º TRIMESTRE 2016 1º TRIMESTRE 2018 ADORAÇÃO ATIVISMO ATOR C. H. BROWN CORRUPÇÃO CUBA DENZEL WASHINGTON DIVÓRCIO ELIAS FILMES GRATIDÃO ISRAEL JEAN WYLLYS MARCHA PARA JESUS NORBERT LIERTH OPERAÇÃO PREGADORES PROTESTO REYNALDO ODILO SACERDOTES SAMUEL F.M. COSTA SEXUALIDADE TEOLOGIA TRABALHO 3º TRIMESTRE 2016 4º TRIMESTRE 2008 4º TRIMESTRE 2016 4º TRIMESTRE 2018 ABEL AGIOTAGEM ALEGRIA AMIGOS AMIZADE AMY WINEHOUSE ANCIÃO ARROGÂNCIA BABILÔNIA BIBLIOLOGIA BISPO CAIM CALVÁRIO CHARLES HADDON SPURGEON CHARLES R. SWINDOLL CORDEIRO CRIANÇAS CRISTO CRITICAS CÓDIGO DA VINCI DESIGREJADOS ELIEZER RODRIGUES ENVELHECER EUNÁPOLIS EXPOSITIVO F FARSA FEMINISMO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO GOMORRA HERRY POTTER HOMILÉTICA HUMILDADE INIMIGOS INIMIZADE JEJUM JOHN ANKERBERG JOHN WELDON JORDÃO JUSTOS LARRY WILSON LEIS LÍNGUA MAR VERMELHO MARCHISMO MARK BROWN MESTRE MOISÉS MUSICA NAMOROj NETO GUERRIERI OSTENTAÇÃO PASCOA PERDÃO PILATOS PREFEITOS PROVAÇÕES RELIGIÃO SALVAÇÃO SEGURANÇA SELEÇÃO BRASILEIRA SENADOR SODOMA TEMOR TEMPERAMENTOS TENTAÇÃO TESTEMUNHO VINDA DE CRISTO WARREN WIERSBE WILLIAM MACDONALD XUXA ÍMPIOS ÓDIO