Quando a religiosidade toma o lugar da obediência a Deus

Ao longo da história, em vários lugares, em diversas ocasiões, o povo de Deus substituiu a obediência pelos rituais religiosos. Foram zel...

Lição 2: Oséias - A Fidelidade no Relacionamento com Deus 2

Texto Áureo: II Co. 11.2 – Leitura Bíblica: Os. 1.1,2; 2.14-17, 19,20

INTRODUÇÃO
O Deus da Bíblia não é uma simples força, ou uma máquina que não deseja se relacionar com os seres humanos. As Escrituras revelam um Deus que se revela, que falou e ainda fala (Hb. 1.1,2). Mas esse Deus é Espírito, e deve ser adorado como tal (Jo. 4.24). O livro do profeta Oséias, que será estudado na aula de hoje, nos instrui quanto a essa importante verdade. A princípio apontaremos os aspectos contextuais do livro, em seguida, a mensagem para aquele tempo, e ao final, sua aplicação para os dias atuais.

1. ASPECTOS CONTEXTUAIS
O propósito de Oséias é mostrar o amor de Deus pela nação israelita, ainda que essa estivesse em pecado. O nome de Oséias, que era filho de Beeri, significa “salvação” em hebraico. Sua mensagem foi destinada ao Reino do Norte (Israel), aproximadamente em 715 a. C., e narra fatos que aconteceram por volta de 753 a 715 a. C. O ministério profético de Oséias teve início ao final do próspero, mas decadente reinado de Jeroboão II. Há registros que as classes mais altas desfrutavam de prosperidade financeira enquanto que os pobres eram oprimidos. Sua profecia se estende até pouco tempo depois da queda de Samaria, em 722 a. C. O versículo-chave de Oséias é o bastante controvertido texto: “E o Senhor me disse: Vai outra vez, ama uma mulher, amada de seu amigo e adúltera, como o Senhor ama os filhos de Israel, embora eles olhem para outros deuses e amem os bolos de uvas” (Os. 3.1). Os estudiosos concordam que essa ordenança divina não orientava o profeta a se casar com uma mulher adúltera, mas com uma que iria tornar-se infiel ao profeta. Isso pode ser deduzido a partir dos nomes dos filhos de Oséias com Gômer, sua amada esposa. O primeiro, Jeezreel (Deus espalha), ao que tudo indica, teria sido filho de Oséias, mas não os demais: Lo-Ruama (não compadecida) e Lo-Ami (não meu povo), resultado dos relacionamentos pecaminosos de Gômer. Ademais, um profeta de Deus não poderia se casar com uma mulher adúltera, pois o Senhor havia proibido que os sacerdotes assim procedessem (Lv. 21.7). O livro apresenta a seguinte divisão: 1. O casamento de Oséias com Gômer (cap. 1); 2. O adultério de Gômer (cap. 2); 3. A restauração de Gômer por Oséias, a demonstração de amor fiel do esposo (cap. 3); 4. O adultério idólatra de Israel (caps. 4,5); 5. Israel se recusa a arrepender-se (caps. 6 a 8); 6. Israel é julgada por Deus (caps. 9,10) e 7. a restauração de Israel pelo Senhor amoroso e fiel (caps. 11 a 14).

2. A MENSAGEM DE OSÉIAS
O livro de Oséias revela o propósito de Deus de ter um relacionamento singular com o Seu povo Israel. Isso porque aquela nação se encontrava distanciada do Senhor, como Gômer, havia se tornado “uma esposa adúltera” (Os. 1.1-3). Ao invés de ser grata a Deus, por tudo que Ele havia providenciado (Os. 2.8), Israel preferiu ir após deuses estranhos. Como consequência, o Senhor haveria de tirar os benefícios que havia lhe dado (Os. 2.9-13) com o objetivo de atraí-la novamente para Ele (Os. 2.14). Apesar da infidelidade de Israel, a esposa, Deus, o esposo amoroso, não desiste (Os. 2.19-23). Do mesmo modo que Gômer tratou Oséias, Israel o fez com o Senhor, distanciando-se emocionalmente dEle, e deixando de levar o compromisso da aliança firmado a serio (Os. 3.1-3). O sofrimento de Deus, pela traição de Israel, é figurado na mensagem profética de Oséias (Os. 4.1-4). Ele identifica os pecados das nações, inclusive dos sacerdotes (Os. 4.5-11). A culpa precisa ser assumida, Deus chama a atenção para esse fato, caso contrário, o julgamento virá (Os. 4.8-15). O povo, ao invés de arrepender-se, busca pactos com nações vizinhas, a fim de obterem uma suposta segurança (Os. 6.8-18). Nem mesmo a religiosidade será capaz de evitar o julgamento, os sacrifícios para nada servem, apenas para ocultar a falta de contrição do povo (Os. 8.11-14). Por não se arrependerem, o povo de Israel irá para o cativeiro, na Assíria (Os. 9.1-9), as glórias do passado não serão contadas. Mas há ainda uma esperança, Deus julga, mas esse mesmo Deus que julga é também amoroso, e deseja relacionar-se com o Seu povo (Os. 11.1-4). Seu amor e paciência não têm fim, por isso, aqueles que decidirem seguir o Senhor serão renovados (Os. 12.14). A adoração a Baal resultou na morte espiritual de Israel (Os. 13.1-3), todavia, somente Deus é o Senhor (Os. 13.4-8). Israel deveria reconhecer essa verdade, e saber que o amor de Deus é livre e incondicional (Os. 14.4), e que somente este amor é capaz de transformar o povo (Os. 14.5-8).

3. PARA HOJE
A mensagem de Oséias tem tudo a ver com a realidade atual, inclusive nas igrejas evangélicas. O relacionamento prefigurado entre Oséias e Gômer tem conotação direta com o de Jesus e a Igreja (Ef. 5.27). Muitas igrejas evangélicas estão em situação de adultério espiritual. A Igreja, que antes era não povo, tornou-se povo de Deus, pela misericórdia do Senhor (I Pe. 2.10). Nas palavras áureas de Jo. 3.16, “Deus amou o mundo de maneira tal que deu Seu único Filho”. O amor – agape – de Deus é sacrificial, tal como Oséias, Ele não olhou para a condição deplorável do pecador (Rm. 5.8). Mas ao invés de reconhecer esse incomensurável amor, as pessoas, inclusive alguns da igreja, se distanciam do Senhor (Rm. 1.18-23). Eles negam a revelação que o próprio Deus deu de Si mesmo, e quando conhecem tal revelação, agem de modo contrário. Mas nestes dias, nos quais se dá muita ênfase à doutrina do amor de Deus, não podemos deixar de atentar para a Sua ira. Não esqueçamos que todas as coisas estão patentes aos olhos de Deus, e que deveremos prestar contas a Ele (Hb. 4.13). A misericórdia de Deus está disponível, mas os pecadores precisam demonstrar verdadeiro arrependimento (Lc. 18.13), O Senhor não admite um relacionamento morno, que nem é quente nem frio (Ap. 3.16). Diante da mensagem profética, devemos reconhecer que somos pecadores (I Jo. 1.8,9), e confessarmos a Cristo, a fim de obtermos perdão (I Jo. 2.1). Como nos antigos tempos, as iniquidades continuam separando as pessoas de Deus, colocando empecilhos para um relacionamento genuíno com Ele (Is. 59.2). Coloquemos, pois, diante da Palavra de Deus, ela continua afiada, penetrando na divisão da alma e do espírito, julgando os pensamentos e as atitudes do coração (Hb. 4.12).

CONCLUSÃO
Muitas igrejas já não sabem mais o que é relacionarem-se com Deus, conformaram-se totalmente com o mundo (Rm. 12.1,2). O ativismo, em algumas delas, serve apenas para ocultar a ausência de uma verdadeira intimidade com o Senhor. Tais igrejas precisam reaprender o caminho, e, ao invés de confiarem na autossuficiência, permanecerem em Cristo (Jo. 15.4-5). Essas igrejas, e os crentes individualmente, devem aprender o que realmente significa chamar a Deus de Pai (Mt. 6.9), amá-LO de todo coração e entendimento (Mt. 22.37; Mc. 12.30), a fim de que possam ter a fragrância de Cristo (II Co. 2.14,15) e produzirem frutos (Jo. 15.5,16).

BIBLIOGRAFIA
BOICE, J. M. The minor prophets. Grand Rapids: Bakerbooks, 2006.
HUBBARD, D. A. Oséias: introdução e comentário. São Paulo: Vida Nova, 1989.

Prof. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça comentários produtivos no amor de Cristo com a finalidade de trazer o debate para achar a verdade. Evite palavras de baixo calão, fora do assunto ou meras propagandas de outros blogs ou sites.

Marcadores

1º TRIMESTRE 2012 1º TRIMESTRE 2013 1º TRIMESTRE 2014 1º TRIMESTRE 2015 1º TRIMESTRE 2016 1º TRIMESTRE 2018 2º TRIMESTRE 2012 2º TRIMESTRE 2013 2º TRIMESTRE 2014 2º TRIMESTRE 2015 2º TRIMESTRE 2016 3º TRIMESTRE 2012 3º TRIMESTRE 2013 3º TRIMESTRE 2014 3º TRIMESTRE 2015 3º TRIMESTRE 2016 4º TRIMESTRE 2008 4º TRIMESTRE 2011 4º TRIMESTRE 2012 4º TRIMESTRE 2013 4º TRIMESTRE 2014 4º TRIMESTRE 2015 4º TRIMESTRE 2016 4º TRIMESTRE 2018 ABEL ADORAÇÃO ADULTÉRIO ADULTOS AÉCIO NEVES AGENDA AGIOTAGEM ALEGRIA ALEXANDRE COELHO AMIGOS AMIZADE AMY WINEHOUSE ANCIÃO ANO NOVO ANTÔNIO GILBERTO APOLOGÉTICA APOSTOLO ARROGÂNCIA ATIVISMO ATOR AUGUSTUS NICODEMUS LOPES BABILÔNIA BIBLIOLOGIA BISPO BRASIL C. H. BROWN CAIM CALVÁRIO CASAMENTO CHARLES HADDON SPURGEON CHARLES R. SWINDOLL CIRO SANCHES ZIBORDI CLAUDIONOR DE ANDRADE CÓDIGO DA VINCI COMENTÁRIOS COPA DO MUNDO CORDEIRO CORRUPÇÃO CPAD CRIANÇAS CRIME CRISTO CRITICAS CUBA DANIEL DENZEL WASHINGTON DEPUTADOS DESIGREJADOS DEVOCIONAIS DIÁCONO DILMA ROUSSEFF DINHEIRO DIVÓRCIO DONS ESPIRITUAIS DOUTOR ECLESIASTES EDUCAÇÃO ELIAS ELIENAI CABRAL ELIEZER DE LIRA E SILVA ELIEZER RODRIGUES ELINALDO RENOVATO ENTREVISTA ENVELHECER EPÍSTOLA DE TIAGO EPÍSTOLAS ESCATOLOGIA ESCOLA DOMINICAL ESEQUIAS SOARES ESTUDOS EUNÁPOLIS EVANGELHOS EVENTOS ÊXODO EXPOSITIVO F FÁBULAS FAMÍLIA FARSA FÉ E OBRAS FEMINISMO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO FESTA FILHOS FILIPENSES FILMES FORNICAÇÃO FOTOS GENESIS GEREMIAS DO COUTO GLOBO GOMORRA GRATIDÃO HERESIAS HERNANDES DIAS LOPES HERRY POTTER HOMILÉTICA HOMOSSEXUALIDADE HUMILDADE ILUSTRAÇÕES ÍMPIOS INIMIGOS INIMIZADE INVESTIGAÇÃO ISRAEL JEAN WYLLYS JEJUM JOHN ANKERBERG JOHN WELDON JORDÃO JOSÉ GONÇALVES JOVENS JUSTOS LARRY WILSON LAVA JATO LEIS LIBERALISMO LIÇÕES BÍBLICAS LIDERANÇA LÍNGUA LUCAS LUIS INÍCIO LULA DA SILVA MAGNO MALTA. MANDAMENTOS MAR VERMELHO MARCHA PARA JESUS MARCHISMO MARCO FELICIANO MARCOS MARIA MARINA SILVA MARIO SALES MARK BROWN MARTA MARTINHO LUTERO MENSAGENS MESTRE MOISÉS MULHER MUSICA MYLES MUNROE NAMORO NAMOROj NATAL NELSON NED NETO GUERRIERI NORBERT LIERTH NOTÍCIAS NOVELAS OBREIROS ÓDIO OPERAÇÃO ORAÇÃO OS DEZ MANDAMENTOS OSTENTAÇÃO PARÁBOLA PASCOA PASTORAIS PERDÃO PETROBRAS PETROLÃO PILATOS POLICIA POLITICA PORNOGRAFIA PREFEITOS PREGADORES PRESBÍTERO PRESIDENTE PROFETAS PROSPERIDADE PROTESTO PROVAÇÕES PROVÉRBIOS REFLEXÕES REFORMA REINALDO AZEVEDO RELIGIÃO RENATO BROMOCHENKEL REYNALDO ODILO ROMANOS SABEDORIA SACERDOTES SALMOS SALVAÇÃO SAMUEL F.M. COSTA SAMUEL VIEIRA SANTIFICAÇÃO SEGURANÇA SELEÇÃO BRASILEIRA SENADOR SÉRIES SERMÃO DO MONTE SERMÕES SEXO SEXUALIDADE SILAS DANIEL SILAS MALAFAIA SODOMA TEMOR TEMPERAMENTOS TENTAÇÃO TEOLOGIA TESTEMUNHO TRABALHO VIDA CRISTÃ VIDEOS VINDA DE CRISTO VIOLÊNCIA WARREN WIERSBE WILLIAM MACDONALD XUXA