terça-feira, 4 de dezembro de 2012

A "exegayse" e o "evangaylismo" da teologia inclusiva

A interpretação da Bíblia e a estratégia de evangelização do movimento chamado "teologia inclusiva" ou "igreja inclusiva" são uma aberração, à luz das Escrituras. No Brasil, a principal propagadora desse segmento é uma famosa pregadora, cujas iniciais do nome são L.H. (não me pergunte o nome dela!), a qual é, ao mesmo tempo, ex-homossexual e ex-heterossexual.

L.H. viajou pelo mundo todo para dizer que havia sido liberta do lesbianismo e, depois, voltou (voltou?) de modo convicto à prática desse pecado, o que implica iniquidade. Quando se dizia ex-lésbica, ela chamava à frente o seu marido — ao som de muitas glórias a Deus — e dizia que Jesus Cristo havia transformado a sua vida por completo, libertando-a da homossexualidade e dando-lhe uma linda família. Algum tempo depois, teve uma grande recaída nos Estados Unidos e, atualmente, propaga, com convicção, o pseudo-evangelho gay.

A eisegese — não confunda com exegese — de L.H. poderia ser chamada de "exegayse", visto que ela faz uma releitura do texto sagrado, dando novas definições às históricas interpretações dos textos que tratam do pecado da homossexualidade. O falso evangelho pregado por ela poderia ser chamado perfeitamente de "evangaylho". Afinal, a sua missão principal à frente de uma "igreja inclusiva", em São Paulo, tem sido a de torcer o Evangelho, afirmando que o praticante da homossexualidade será salvo mesmo sem deixar esse pecado.

Respeito a opinião das pessoas, inclusive a das que defendem a homossexualidade. Isso é um direito que lhes assiste. Entretanto, a pregadora em apreço pensa que pode usar a própria Palavra de Deus, o Livro do Senhor, para fundamentar a sua má exegese e afirmar que a homossexualidade não é uma relação pecaminosa. L.H., que visitou várias igrejas, no Brasil e no mundo, e usou o nome do Senhor — em vão, é evidente — para dizer que fora liberta do lesbianismo, agora assevera que o "sistema evangélico" a obrigava ser contrária à sua "orientação sexual"?!

L.H. passou rapidamente da condição de ex-homossexual para a de ex-heterossexual! Antes, uma pecadora arrependida, teve coragem de pedir perdão em público por ter tido uma recaída. Agora, dizendo-se vítima dos próprios evangélicos, levanta a bandeira da "teologia inclusiva" e oferece ajuda aos gays que, à semelhança dela, supostamente sofrem preconceito no meio evangélico?!

Em resumo, L.H. enganou o seu esposo, os seus amigos, o povo de Deus e está enganando a si mesma. Mas nunca enganará o Espírito Santo! Não lhe desejo o mal. Pelo contrário, compadeço-me de sua alma e dos que estão sendo iludidos pelo falso evangelho que ela prega. Afinal, a Palavra de Deus afirma: "Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará" (Gl 6.7).

Com amor e verdade (Jo 14.23),

Ciro Sanches Zibordi
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

VOCÊ ESPECIAL

GOOGLE +