segunda-feira, 16 de junho de 2014

Introdução ao 3º Trimestre 2014 "Fé e Obras - Ensinos de Tiago para uma Vida Cristã Autêntica".

Prefácio - A Epístola de Tiago é um dos mais antigos escritos do Novo Testamento e um dos mais importantes textos bíblicos sobre a verdadeira vida de piedade. Simplesmente, nenhum outro texto do Novo Testamento é mais direto e enfático sobre a relação entre a fé e as obras na vida do verdadeiro cristão.

Os dois propósitos dessa carta apostólica estão explicitados já em seu primeiro capítulo: encorajar os cristãos judeus dispersos pelo Império Romano devido à perseguição (Tg 1.1) a encararem positivamente as várias provações pelas quais passavam por causa da sua fé (Tg 1.2), de maneira a serem edificados e fortalecidos na fé em meio a essas provações (Tg 1.3,4); e ensinar qual é a verdadeira religião (Tg 1.27), no que consiste a verdadeira vida de piedade, isto é, qual o resultado prático da verdadeira fé em Jesus (Tg 1.22-26). A síntese de tudo é: “...a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma” (Tg 2.17).

Outra característica marcante da Epístola de Tiago é a sua relação íntima com os ensinos de Jesus expressos nos Evangelhos. Não que as outras epístolas também não tenham essa relação, mas esses ensinos do Mestre geralmente aparecem nas epístolas de Paulo, Pedro, João e Judas aplicados ao tratamento de problemas específicos que surgiram no caminhar da Igreja no primeiro século da Era Cristã, enquanto na Epístola de Tiago ainda encontramos uma proximidade dos ensinos do bispo de Jerusalém com as aplicações mais imediatas dos ensinos de Jesus. Talvez isso aconteça porque essa epístola foi escrita provavelmente durante a primeira geração de cristãos da Igreja Primitiva. Nessa época, ainda estava vivo um grande número daqueles que haviam conhecido Jesus pessoalmente e, por isso, algumas necessidades apologéticas, que tomariam boa parte dos escritos apostólicos nos anos seguintes, ainda não haviam surgido.

O Comentário Bíblico Pentecostal do Novo Testamento (CPAD) traz um excelente paralelo entre os ensinos de Tiago e as palavras de Jesus, o que denotam a imensa familiaridade que o meio-irmão de Cristo tinha com os ensinos de seu Senhor. Se não, vejamos.

Tiago fala de júbilo na perseguição (Tg 1.2; Mt 5.11,12; Lc 6.22,23); do propósito de ser perfeito e maduro (Tg 1.4; Mt 5.48); pedir e receber de Deus (Tg 1.5; Mt 7.7; Lc 11.19); de pedir com fé e sem duvidar (Tg 1.6; Mt 21.21,22; Mc 11.22-24); da mudança do orgulho à humildade (Tg 1.9,10; 4.6,10; Mt 23.12; Lc 14.11; 18.14); da metáfora do sol escaldante, que faz com que as plantas definhem (Tg 1.11; Mt 13.6; Mc 4.7); de Deus como provedor dos dons (Tg 1.17; Mt 7.11; Lc 11.13); da necessidade de não só ouvir, mas também praticar a Palavra de Deus (Tg 1.22; 2.14,17; Mt 7.21-27; Lc 6.46-49); da compaixão pelos necessitados e aflitos (Tg 1.27; 2.15; Mt 25.34-36); de os pobres herdarão o Reino de Deus (Tg 2.5; Mt 5.3; Lc 6.20); de amar o próximo com a si mesmo (Tg 2.8; Mt 22.39; Lc 12.31); de não infringir o menor mandamento sequer (Tg 2.10; Mt 5.19); do julgamento daqueles que não demonstram misericórdia (Tg 2.13; Mt 18.23-34; 25.41-46); de tornar-se amigo de Deus pela obediência (Tg 2.23; Jo 15.13-15); dos mestres sendo julgados com maior severidade (Tg 3.1; Mc 9.38,40; Lc 20.45,47); de sermos julgados pelo que dizemos (Tg 3.2; Mt 12.37); que o que corrompe é aquilo que sai de nossas bocas (Tg 3.6; Mt 15.11,18; Mc 7.15,20; Lc 6.45); que a mesma fonte não pode produzir o bem e

0 mal (Tg 3.11,12; Mt 7.16-18; Lc 6.43,44); que os pacificadores serão abençoados (Tg 3.18; Mt 5.9); de um povo espiritualmente adúltero (Tg 4.4; Mt 12.39; Mc 8.38); da amizade com o mundo significado inimizade com Deus e vice-versa (Tg 4.4; Jo 15.18- 21); do riso transformado em pranto (Tg 4.6; Lc 6.25); sobre julgarmos os semelhantes (Tg 4.11,12; 5.9; Mt 7.1,2); que Deus pode tanto salvar como destruir (Tg4.12; Mt 10.28); da tolice de planejar o futuro de modo independente de Deus (Tg 4.13,14; Lc 12.18-20); da punição para aqueles que conhecem a vontade de Deus e se recusam a cumpri-la (Tg 4.17; Lc 12.47); de um Ai sobre os ricos injustos (Tg 5.1; Lc 6.24); da riqueza removida pela traça e pela ferrugem (Tg 5.2,3; Mt 6.19,20); da autoindulgência sem qualquer preocupação pelos pobres (Tg 5.5; Lc 16.19,20,25); que o retorno do Juiz está às portas (Tg 5.9; Mt 24.33; Mc 13.39); sobre a perseguição aos profetas (Tg 5.10; Mt 5.10-12); de não fazer juramentos (Tg 5.12; Mt 5.33-37); e de recuperar os irmãos e as irmãs que haviam se perdido (Tg 5.19-20; Mt 18.15)-1

Esta epístola também é especial porque Tiago foi o primeiro líder da Igreja Primitiva. Sua liderança transparece em passagens como Atos 12.17, quando Pedro, após sair milagrosamente da prisão, pede para que sua libertação seja anunciada “a Tiago e aos irmãos”; em Atos 15, quando ele ocupa uma posição de liderança no primeiro concílio da Igreja, resumindo a questão em debate (w. 13-18), dando a sentença sobre a questão (w. 19-21) e tendo o seu conselho fielmente seguido por todos (w.22-31); e em Atos 21.18, quando Paulo, ao chegar a Jerusalém após a sua terceira viagem missionária, foi encontrar-se com “Tiago e todos os presbíteros” (v. 18). Portanto, estudar a Epístola de Tiago é ter o privilégio de sentar-se aos pés de um dos maiores nomes da Igreja Primitiva, com alguém que conviveu pessoalmente com Jesus desde a sua infância e, depois de um período inicial de resistência, teve conversas particulares com o Cristo ressuscitado (1 Co 15.7) as quais mudaram a sua vida para sempre.

Tiago foi tão especial em seus dias que conta o historiador judeu Flávio Josefo, seu contemporâneo, em trecho desaparecido de sua obra Antiguidades Judaicas, que após a destruição de Jerusalém no ano 70 d.C., muitos judeus creditaram a destruição da cidade a um castigo de Deus pelo martírio do santo Tiago, chamado de “O Justo”. Pais da Igreja como Orígenes (185-254 d.C.), Eusébio de Cesareia (260-339 d.C.) e Jerônimo (347-420 d.C.) comentam essa passagem de Josefo, conhecida ainda na época deles.2 Segundo eles, dizia Josefo expressamente: “Essas coisas [a destruição de Jerusalém] aconteceram com os judeus em represália pelo que fizeram a Tiago, o Justo, que era irmão de Jesus, conhecido como o Cristo, pois embora ele fosse o mais justo dos homens, os judeus o mataram”.3 Josefo cita o martírio de Tiago e a revolta pela injustiça ocorrida contra ele em um trecho às. Antiguidades Judaicas que permanece ainda entre nós. Diz ele, inclusive, que Albino, então governador da Judeia, atendendo a protestos de muitos judeus, depôs o sumo sacerdote Anano, da seita dos saduceus, pela injustiça cometida contra Tiago, que fora assassinado por apedrejamento a mando de Anano.4

Por todas essas razões, a Epístola de Tiago é uma preciosidade, sobretudo pelos seus ensinos preciosos acerca da vida cristã prática, a respeito da essência do verdadeiro cristianismo.

Estudemos, pois, os escritos de Tiago, o Justo, e aprendamos um pouco mais sobre a verdadeira vida de piedade.

Bibliografia utilizada neste prefácio

ARRINGTON, French L.; STRONSTAD, Roger; Comentário Bíblico Pentecostal do Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2004.
ASLAN, Reza, Zelota: a Vida e a Época de Jesus de Nazaré. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.
JOSEFO, Flávio, História dos Hebreus, Rio de Janeiro: CPAD, 2000. Ou: JOSEFO, Flávio, Antiguidades Judaicas, Livro XX, Capítulo VIII, Parágrafo 856.
JOSEFO, Flávio, História dos Hebreus, Rio de Janeiro: CPAD, 2000,p. 465. Ou: JOSEFO, Flávio, Antiguidades Judaicas, Livro XX, Capítulo VIII, Parágrafo 856.2
ASLAN, Reza, Zelota: a Vida e a Época dè Jesus de Nazaré, Zahar, 2013, capítulo 15.
3 ASLAN, Ibid.
1 ARRINGTON, French L.; STRONSTAD, Roger; Comentário Bíblico Pentecostal do Novo Testamento, 2004, CPAD, p. 1663.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

VOCÊ ESPECIAL

GOOGLE +