quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Lição 5 – Não Tomarás o Nome do Senhor Deus em Vão

As informações sobre cada um dos dez mandamentos do Decálogo são fornecidas ao longo do Pentateuco e em muitos casos em toda a Bíblia, e aqui não é diferente. O texto não expressa de maneira explícita, mas deixa claro que diz respeito a tudo o que se refere ao nome de Deus. Há expositor que exagera ao dizer que não é possível saber o que este mandamento quer dizer com as palavras: "Não tomarás o nome do SENHOR, teu Deus, em vão; porque o SENHOR não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão" (Êx 20.7; Dt 5.11). O contexto bíblico esclarece o que Deus está nos ensinando e mostra a abrangência do referido mandamento. Fala sobre o uso de modo trivial do nome divino, proibindo o perjúrio e toda a forma de profanação e blasfêmia do nome de Javé.

0 NOME "DEUS"

Os nomes de Deus não são apenas uma identificação pessoal, mas são inerentes à sua natureza e revelam suas obras e seus atributos. Não é meramente uma distinção dos deuses das nações pagãs. Quando a Bíblia faz menção do "nome de Deus", está revelando o poder, a grandeza e a glória do Deus Todo-Poderoso; além de mostrar seus atributos, o nome representa o próprio Deus. O nome de Deus está ligado à sua soberania e glória.

Há três diferentes palavras hebraicas no Antigo Testamento para "Deus": ’êl, ’elõah e ’èlõhím.44 A Septuaginta emprega o termo grego theos, "Deus", para esses três vocábulos. Eles aparecem como nome pessoal do Deus de Israel e também como apelativos quando se referem aos deuses nas nações, razão pela qual costumamos empregar a expressão "nomes genéricos".

O termo êl tem relação com ’il,’ilu e palavras similares usadas para deidades dos antigos povos semitas. Aparecem com frequência ilu[m], ’iltu (fem.), ’ilü (pl.) nos documentos da Mesopotâmia, em acádico,45 como nomes próprios e também como apelativos de deidade. Diversas etimologias já foram apresentadas pelos estudiosos, mas a proposta que prevalece é que ’il se deriva de uma raiz que significa "ser forte" ou "ser proeminente". É um "termo semítico muito antigo para divindade" (HOLADAY, 2010, p. 20), usado para identificar o Deus de Israel (Nm 23.8).

No Antigo Testamento, há 238 ocorrências de ’êl e ’êlim, (pl.) juntos, como nome alternativo de Javé (Êx 20.5; Dt 4.24;

44 e E-rtK.O acádico é uma língua da antiga Mesopotâmia, falada desde o golfo Pérsico até Nínive, no norte, e substituída aos poucos pelo aramaico a partir do neoimpério babilônico fundado pelo rei Nabucodonosor.

5.9); como o próprio Deus de Israel: ’êl 'êlõhêi ysrãêl,46 "Deus, o Deus de Israel" (Gn 33.20) ou "El-Elohei-Israel" (TB); ’ãnôchi hã - ’<?/ 'êlõhêi ’ãbichã,47 "Eu sou Deus, o Deus de teu pai" (Gn 46.3). Vem associado a outros nomes de Deus ’êl 'elyôn,48 "Deus Altíssimo" (Gn 14.19, 22); ’êl shadday,49 "Deus Todo-poderoso" (Gn 17.1; 28.3).

É usado também com frequência em ugarítico, mas aparece ainda em relação ao Deus de Israel e a seus atributos, como: "Deus da vista" (Gn 16.13); "Deus eterno" (Gn 21.33); "Deus zeloso" (Êx 20.5; 34.14); "Deus, a minha rocha” (Sl 42.9); e Deus de compaixão (Sl 99.8) etc. O substantivo ’êl e o seu plural, ’êlím, aparecem como apelativos para designar os deuses das nações (Êx 15.11; 34.14; Dt 32.12). É o nome mais usado na Bíblia para mencionar as divindades pagãs.

O nome ’elõhím é plural de 'elõah e, segundo se diz, trata-se de uma forma expandida de ’<?/ com a letra H. Em aramaico, é ’êlãhs 0 e o plural é ’èlãhín f1 o singular e o plural juntos somam 95 vezes nas porções aramaicas do Antigo Testamento. Elohim aparece 2.600 vezes no Antigo Testamento, ao passo que sua forma singular ocorre apenas 57 vezes, das quais 41 aparecem no livro de Jó, dos capítulos 3 a 40, no diálogo com os seus amigos. As outras 16 vezes aparecem em Deuteronômio 32.15, 17; 2 Crônicas 32.15; Neemias 9.17; Salmos 18.32; 50.22; 114.7; 139.19; Provérbios 30.5; Isaías 44.8; Daniel 11.37-39; Habacuque 1.11; 3.3.

O nome Elohim apresenta os primeiros vislumbres da Trindade. A declaração de Gênesis 1.1 traz o verbo no singular, "criou", e o sujeito no plural Elohim, "Deus", o que revela a unidade de Deus na Trindade. Construção similar aparece em várias partes do Antigo Testamento: "E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança" (Gn 1.26); "Então disse o SENHOR Deus: Eis que o homem é como um de nós" (Gn 3.22); "Eia, desçamos e confundamos ali a sua língua" (Gn 11.7). A Trindade é vista em Elohim à luz do contexto bíblico. O Novo Testamento explicitou o que antes estava implícito no Antigo Testamento. Quando Elohim refere-se às divindades falsas traz no plural o verbo, o pronome ou o adjetivo, representando a multiplicidade. Quando, porém, aplicado ao Deus de Israel, o verbo e o seus complementos vêm geralmente no singular.

Os rabinos reconheceram a pluralidade neste nome, mas, como o judaísmo é uma religião que defende o monoteísmo absoluto, e não admite Jesus Cristo como o Messias de Israel, fica difícil para eles entenderem essa pluralidade. Para explicá-la, argumentam ser um plural de majestade, mas isso é uma determinação rabínica posterior. A definição de plural de majestade ou de excelência, como disse, foi dada pelo rabinato posterior. Disse Shlomo ibn Yitschaki, conhecido pela sigla RASHI, grande rabino e erudito judeu (nascido em 1040): "O plural de majestade não significa haver mais de uma pessoa na divindade". Essa declaração serviu para o judaísmo prosseguir sua marcha mantendo o monoteísmo absoluto sem Jesus e sem o Espírito Santo.

No relato da criação e em muitas outras passagens do Antigo Testamento, Elohim é nome próprio usado como forma alternativa de Javé. Segundo Umberto Cassuto,62 esse nome é usado

52 Moses David Cassuto, conhecido como Umberto Cassuto (1883-1951), historiador e estudioso bíblico judeu. Desenvolveu um método de pesquisa que utiliza descobertas científicas modernas para demonstrar a uniformidade do texto bíblico e assim refutou com muita propriedade a chamada Teoria da Hipótese Fragmentária. Rabino-mor de Florença, Itália, cidade onde nasceu, tornou-se professor de Hebraico da Universidade de Roma em 1933 e professor de Bíblia na Universidade Hebraica de Jerusalém a partir de 1939.

para se referir à ideia obscura e mais abstrata da deidade, de um Deus universal e Criador do mundo, indicando a transcendência da natureza de Deus; ao passo que Javé aparece quando as características estão claras e concretas e sugere um Deus pessoal que se relaciona diretamente com o povo.

No capítulo um de Gênesis, Deus aparece como o Criador do universo físico e como o Senhor do mundo, exercendo domínio sobre todas as coisas. Tudo quanto existe veio à existência por causa exclusiva de Seu fiat, sem qualquer contato direto entre Ele e a natureza. Portanto, aplicando-se aquelas regras, aqui cabe o uso do nome Elohim (CASSUTO, 1961, p. 32).

Elohim é um dos nomes próprios de Deus, mas aparece como apelativo no Antigo Testamento quando se refere a divindades falsas, por exemplo os deuses do Egito (Êx 12.2) e de outras nações (Dt 13.7,8; Jz 6.10). A palavra é usada com relação às imagens dos cultos pagãos (Êx 20.23). As Escrituras fazem uso irregular de Elohim em referência a seres sobrenaturais (1 Sm 28.13) e juizes (SI 82.6). Aparece também, cerca de 20 vezes, com relação às divindades pagãs individuais.

ELION, SHADAI E ADONAI

O Antigo Testamento emprega outros nomes para identificar o Deus Javé de Israel. São eles: ‘elyôn, "Altíssimo"; shadday, "Todo-poderoso" e ’ãdhonãy,S3 "Senhor".

O nome composto ’êl ‘elyôn significa "Deus Altíssimo". Elion designa Deus como o Alto e Excelente, o Deus Glorioso. É um dos nomes genéricos porque ele também é aplicado a governantes, mas nunca vem acompanhado de artigo quando se refere ao Deus de Israel. Abraão adorava a El Shadai, "Deus Todo-Poderoso" (Gn 17.1); e Melquisedeque, rei e sacerdote de Salém, era adorador de El Elion (Gn 14.19-20). Quando Abraão se encontrou com Melquisedeque, descobriu que seu Deus era o mesmo de Melquisedeque, apenas conhecido por um nome diferente (êx 6.3). Em Gênesis 14.19-20, esse nome vem acompanhado de "El", mas, às vezes, aparece sozinho (Is 14.14).

O Deus de Israel é também identificado como ’êl shadday, "Deus Todo-Poderoso". Shadai é o "nome de uma deidade" (KO- EHLER BAUMGARTNER, vol. II, 2001, p. 1420). Segundo Holaday, é o nome de deidade identificado com Javé (2010, p. 514); e, de acordo com Gesenius, "mais poderoso, Todo-poderoso, um epí- teto de Jeová, às vezes com El" (1982, p. 806). Aparece 48 vezes no texto hebraico das Escrituras, sete delas antecedido de El.

Esse era um nome apropriado para o período patriarcal, durante o qual os patriarcas viviam numa terra estranha e estavam rodeados pelas nações hostis. Eles precisavam saber que o seu Deus era o Todo-poderoso (Gn 17.1). O termo aparece com frequência na era patriarcal; só no livro de Jó ocorre 31 vezes. Êxodo 6.3 nos mostra que Deus era conhecido pelos patriarcas por esse nome. Deus se revelou primeiro aos patriarcas do Gênesis com nome El Shadai e, após o Sinai, os hebreus identificaram o seu libertador Javé com o El Shadai dos seus antepassados.

As duas formas do nome hebraico ’ãdhonay ou ’ãdhônay ,54 "o Senhor, Adonai", aparecem no Antigo Testamento com "o" breve e com "o" longo (Is 6.1; Jz 13.8). O termo ocorre quase 450 vezes no Antigo Testamento, 310 vezes em conexão com o tetragrama e 134 vezes sozinho. É um nome próprio e significa literalmente "meu senhor" e, segundo Gesenius, é "somente usado para Deus" (1982, p. 12); forma "reservada como uma designação para Javé" (JENNI & WESTERMANN, vol. 1, 2001, p. 24). Adonai, "Senhor", é um nome divino e expressa a soberania de Deus no Universo. A desinência -ay indica plural, como acontece com o nome Elohim; o judaísmo considera Adonai comopluralis excellentiae. É diferente de ’ãdhôn,S5 "senhor, dono", referindo-se geralmente a homens, ou com o sufixo ’ãdhõní,s6 "meu senhor", forma pela qual Sara se dirigia a Abraão e Ana se dirigia a Eli (Gn 18.12; 1 Sm 1.15, 26).

Javé, o nome pessoal do Deus de Israel, é escrito pelas quatro consoantes mrP (YHWH) — o tetragrama. A escrita hebraica foi usada durante todo o período do Antigo Testamento sem as vogais. Elas nada mais são do que sinais gráficos diacríticos, criados pelos rabinos entre os séculos 5 e 9, e que são colocados sobre, sob e no meio de cada consoante. Até hoje, esses sinais ajudam muito na leitura de qualquer texto hebraico; todavia, quem já conhece a língua não precisa mais deles.

Êxodo 3.14 revela que Deus é o que tem existência própria, ou seja, existe por si mesmo. É o imutável, o que causa todas as coisas, é autoexistente, aquele que é, que era e o que há de vir, o eterno. Até hoje, os judeus religiosos preferem chamar Deus de "O ETERNO", como se encontra na edição de 1988 da Bíblia na Linguagem de Hoje e na edição da Sêfer da Bíblia Hebraica em lugar do tetragrama. Aqui, Deus explicou a Moisés o significado do nome Iavé.

Desde o patriarca Abraão até ao período do reino dividido, era costume invocar a Javé mediante o uso do seu nome (Gn 12.8; 13.4; 21.33; 1 Rs 18.24). Era necessário conhecer o nome para que se pudesse estabelecer um relacionamento de comunhão. Veja que Jacó perguntou ao anjo com quem lutava o seu nome (Gn 32.29). Manoá, o pai de Sansão, fez a mesma pergunta com o propósito de estabelecer um relacionamento espiritual (Jz 13.11- 17). Com Moisés, não foi diferente:

Então, disse Moisés a Deus: Eis que quando vier aos filhos de Israel e lhes disser: O Deus de vossos pais me enviou a vós; e eles me disserem: Qual é o seu nome? Que lhes direi? E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU.

Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós. E Deus disse mais a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: O SENHOR, o Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó, me enviou a vós; este é meu nome eternamente, e este é meu memorial de geração em geração (êx 3.13-15).

Javé estabeleceu um memorial ao seu nome, anunciado aqui, mas concretizado por ocasião da promulgação da lei, quando foi oficializado o concerto do Sinai (Êx 20.24). Aqui está a base do tetragrama YHWH. No texto hebraico, encontramos a frase ’ehyeh asher 'ehyeh;57 "EU SOU O QUE SOU". A substituição do “y” de ‘ehyeh pelo w do tetragrama vem de hãwãh,58 forma arcaica e sinônimo de hãyâh,59 "ser, estar, existir, tornar-se, acontecer", cuja primeira pessoa do imperfeito60 é ‘ehweh, e cuja terceira pessoa é yhweh.

Na poesia hebraica, usa-se com frequência a forma reduzida

60 O verbo hebraico apresenta-se somente em dois tempos: o dà ação ou do estado perfeito, terminado, que é o perfeito, e o da ação ou do estado não terminado, imperfeito, o qual serve ao mesmo tempo como futuro. Assim, o imperfeito aqui não é o mesmo que em nossa língua.

Yah. "Já é o seu nome; exultai diante dele" (Sl 68.4, TB).61 Isso pode explicar a presença da letra "a" no nome Yahweh. "Parece provável que a pronúncia original tenha sido YaHWeH, tanto por causa da forma verbal correspondente, o imperfeito de hãwãh, arcaicamente escrito yahweh, como de representações mais recentes desse nome em grego pelas palavras iaoue e iabe" (HAR- RIS; ARCHER, JR.; WALTKE, 1998, p. 346).

A partir de 300 a.C. o nome Adonai passou gradualmente a ser mais usado que o tetragrama até que o nome Javé tornou- -se completamente impronunciável pelos judeus. Para evitar a vulgarização do nome e para que a forma não fosse tomada em vão, eles pronunciavam por reverência ’ãdhonãy cada vez que encontravam o tetragrama no texto sagrado, na leitura da sinagoga. Na Idade Média, os rabinos inseriram no tetragrama as vogais de adhonay (HARRIS; ARCHER, JR.; WALTKE, 1998, p. 347).

As vogais de 'HS ( adõnãy) são (,=«);( = o) e (., = ã). Elas foram inseridas no tetragrama sagrado, resultando na seguinte forma: nin\ O resultado disso é a pronúncia "YeHoWaH". Mas os judeus ainda hoje pronunciam "Adonai" para lembrar na leitura bíblica na sinagoga que esse nome é inefável. Esse enxerto no tetragrama resultou no nome híbrido YEHOWAH, que a partir de 1520 os reformadores difundiram como "Jeová". A forma híbrida "Jeová" não é bíblica, mas foi assim que o nome passou para a cultura ocidental; aos poucos, contudo, esse nome vem sendo substituído pela forma Iavé ou Javé.

Os nomes Adonai e Javé são tão sagrados para os judeus que eles evitam pronunciá-los na rua ou no cotidiano. O segundo nem

61 A forma reduzida de Yahweh é Yah. Esta palavra aparece ligada ao verbo hebraico bbn (hillêt), "louvar" (BAUMGARTNER, 2001, vol. I, p. 248). O imperativo, halelü, juntado ao Yah, forma a palavra m_y?n; (haleluyah), ou, em grego, àUriXouía, (allêlouia), "louvai a Yah!"; portanto, "louvai ao SENHOR!" ou, ainda, "Louvai a YAHWEH! .mesmo nas sinagogas é pronunciado, e no dia a dia eles chamam Deus de há-shêm,62 "o Nome" (Lv 24.11, TB; 2 Sm 6.2).

Nos manuscritos da Septuaginta, encontramos kyrios,63 "dono, senhor, o Senhor" (BALZ & SCHNEIDER, 2001, vol. I, p. 2437), no lugar de ’ãdõnã(y) e yhvh. Alguns fragmentos gregos de origem judaica apresentam o tetragrama, mas outros usam kyrios. Isso não é novidade. Jerônimo (347-420) "conhece a prática de, em manuscritos gregos, inserir o nome de Deus (Yahweh) com caracteres hebraicos" (WÜRTHWEIN, 2013, p. 262). A Septuaginta, como tradução, foi submetida a revisões e recensões e, por isso, até hoje ninguém sabe qual foi exatamente o texto original ou o que foi alterado no transcorrer dos séculos. Uns afirmam que o nome kyrios é original: "Assim, no contexto de uma revisão arcaizante e hebraizante, o tetragrama parece ter sido inserido na tradução antiga no lugar de Kyrios" (op. cit., p. 262). Mas, para outros, é de origem cristã ou teria vindo dos judeus. O certo é que ambos foram usados desde a origem da tradução.

0 QUE SIGNIFICA TOMAR 0 NOME DE DEUS EM VÃO?

Há diversas interpretações sobre o terceiro mandamento do Decálogo. Tomar o nome de Deus em vão, em hebraico, lashshãw‘,64 "em vão" (êx 20.7; Dt 5.11), fala sobre a honra e a santificação do nome de Deus. O termo shaw ‘ aparece 52 vezes no Antigo Testamento e seu significado é vasto: "fraude, engano, inutilidade, inútil, imprestável, falsidade, desonestidade, futilidade, vacuidade". Seguem alguns exemplos: sem valor, "trazer ofertas vãs” (Is 1.13, ARA); sem resultado, "De nada adiantou castigar" (Jr 2.30, NVI); palavras vazias, falsas, "confiam na vaidade" (Is 59.4) ou "confiam no que é nulo" (ARA); informação falsa, falsa testemunha (Êx 23.1; Dt 5.20); além de "vaidade" ür 18.15), usado em relação aos ídolos.

Alguns expositores afirmam que o significado original dessa palavra era a magia: "É possível de se imaginar que também em Israel houve épocas de propensão a fazer uso do nome de Javé para fins de práticas obscuras e nocivas à comunidade" (RAD, 2006, p. 181). No entanto, parece que o cerne deste mandamento é proibir o costume de juramento falso, pois o verdadeiro juramento se fazia mediante a invocação do nome de Deus (Lv 19.12). Era uma necessidade imperiosa que todos falassem a verdade, como o dever de cada um honrar o compromisso assumido com os homens e diante de Deus.

É dever de todos cumprir os votos feitos a Deus; a lei é clara sobre essa responsabilidade (Nm 30.2; Dt 23.21). Essa exigência divina se faz necessária por causa da inclinação humana à mentira. Era grande a falsidade no relacionamento entre familiares e amigos. Ninguém podia confiar em ninguém, já que a falta de sinceridade era a marca do povo. Não era uma questão de desvio ocasional, mas de estilo de vida (Jr 9.2-5). Uma sociedade não pode viver numa decadência dessa; a vida se torna insuportável.

Mas as autoridades religiosas de Israel classificaram os juramentos em duas categorias: os que podiam ser descumpridos e os que não podiam. Há uma lista deles em Mateus 5.33-37; 23.16- 22. O Senhor Jesus reprovou com veemência essa violação dos escribas e fariseus. A interpretação rabínica da época permitia violar o terceiro mandamento e fazer de conta que ele não havia sido violado.

O terceiro mandamento é um apelo à santificação do nome de Deus. Na oração "Pai Nosso", Jesus nos ensinou a abrir a oração santificando o nome de Deus: "Santificado seja o teu nome" (Mt 6.9). Isso nada tem que ver com a pronúncia do nome Javé. Os teólogos das testemunhas de Jeová estão equivocados ao defenderem a doutrina da vindicação do nome Jeová, pois o tetragrama nem mesmo aparece no texto grego do Novo Testamento. Deus é absolutamente santo, sua santidade é infinita e inigualável; ele é santo em si mesmo, em sua essência e natureza. Assim, as palavras de Jesus estão fundamentadas no Antigo Testamento (Sl 30.4; 97.12; 111.9; Is 29.23; Ez 36.20-23). Tal atributo é a característica prima de Javé, e isso expressava o pensamento do povo. O mandamento não visa tornar o nome de Deus santo, pois ele já é santo, mas significa reconhecer e reverenciar a Deus pelo que ele é. Não se trata de uma petição para que o povo em geral reconheça isso, mas para que expresse a reverência que a sua santidade exige (Lv 11.44; 19.2; 20.7; 1 Pe 1.16).
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

VOCÊ ESPECIAL

GOOGLE +