quarta-feira, 16 de novembro de 2016

A eleição terminou. Vamos compreender a política

Donald Trump venceu. (Eu não consigo acreditar que acabei de digitar isso.) Talvez você tenha votado de uma maneira. Talvez de outra. E agora, cristão?

Para você que votou no republicano, eu diria que agiu bem em seu compromisso pela vida. Lute pelo nascituro. Lute pela minoria. Lute por todos que são oprimidos e abusados. Lute pelo que é verdadeiro, certo e admirável.

Para você que votou na democrata ou em um terceiro partido político, o seu medo é compreensível. Ninguém, a não ser Deus, sabe o que acontecerá nos próximos quatro anos. Embora os crentes creiam que as autoridades foram instituídas por Deus, devemos responsabilizar essas autoridades para que façam justiça a todos. Lembre-se de seus irmãos e irmãs cristãos em todo o mundo, sob melhores e piores governos, e saiba que Deus está em seu trono não menos hoje do que ontem para eles ou para você.

Eu acho que, provavelmente, uma coisa está clara para todos, depois dos resultados inesperados de ontem: a América é um país dividido. Ainda mais lamentavelmente, parte dessa divisão caracteriza as nossas igrejas. Você entende por que alguns de seus santos companheiros estão se sentindo chocados agora? Eu oro para que saiba.

Onde está a real ação política

Então, mais do que ninguém, esse é o momento importante para que cristãos e igrejas tirem a atenção das notícias nacionais e voltem seu foco para onde a real ação política acontece. Ela não ocorre em Washington, e nem a cada quatro anos. Não, não. É uma questão semanal, e ocorre em e por meio de nossas igrejas. Todas as semanas nossas congregações se reúnem como embaixadas do céu. Todas as semanas os nossos pastores fazem um discurso político e nós saímos como embaixadores com uma mensagem política. “O rei oferece o perdão para cada rebelde que se arrepender!”. Toda semana — e a semana toda — nossas igrejas deveriam exemplificar para as nações a retidão, justiça e amor divinos.

Uma igreja local é um corpo político padrão para o mundo. É a mais política das assembleias, uma vez que representa o Único que exerce julgamento final sobre presidentes e primeiros-ministros. Juntos, confrontamos, condenamos e convocamos nações com a luz das palavras do nosso Rei e a salinidade das nossas vidas.

Paulo perguntou aos judeus do seu tempo: “Tu, que pregas que não se deve furtar, furtas?”.

Tenho algumas perguntas. Você que pede por reforma da imigração, pratica hospitalidade para com estrangeiros?

Você que vota pelos valores da família, honra seus pais e ama seu cônjuge sacrificialmente?

Você que prega contra o aborto, defrauda física e emocionalmente sua namorada? Tem deixado a ambição mundana prorrogar o ter filhos? Nunca chega em casa a tempo para o jogo de futebol? Silenciosamente consente com o aborto em si quando as circunstâncias se tornam tensas? Ou você acolhe e ajuda as mães solteiras em sua igreja? Você incentiva a adoção?

Você que fala sobre a reforma que vise o bem-estar, ajuda os necessitados em sua congregação?

Você que proclama que todas as vidas são importantes, quem são os seus amigos? Todos eles se assemelham a você?

Você que lamenta justamente as injustiças estruturais, se esforça contra elas em sua própria congregação? Você se alegra com aqueles que se alegram e chora com os que choram?

Você que luta pelo casamento tradicional, se submete ao seu marido, ou ama a sua esposa, estimando-a como ao seu próprio corpo e lavando-a com a água da Palavra?

Você que está preocupado com a economia e o mercado de trabalho, obedece seu chefe com um coração sincero, não como um bajulador, mas como se obedecesse a Cristo?

Você que se preocupa com as taxas de impostos sobre as corporações, como trata seus funcionários? Você os ameaça, esquecendo que aquele que é seu mestre e deles está no céu, e que para com ele não há acepção de pessoas?

Você que opina nas redes sociais, compartilha com prazer a Ceia do Senhor com o membro da igreja com quem discorda? Você ora pelo seu bem espiritual?

Toda política é local

“Toda política é local”, disse o ex-presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Tip O’Neill. Ele falou melhor do que sabia.

Minha igreja, que alcança seis quarteirões do Capitólio dos EUA, está repleta de jovens que se mudaram para Washington, querendo fazer a diferença trabalhando em várias esferas do governo. E o trabalho deles é importante. A votação de ontem é importante. As pessoas têm razão em se alegrarem ou lamentarem por qualquer eleição. Afinal, bons governos são pré-requisitos para o bem-estar da vida, incluindo a vida da igreja.

Porém, como pastor, muitas vezes tenho que lembrar aos funcionários de Hill e aos lobistas e oficiais militares da rua K que o pré-requisito não é definitivo. A ação política final ocorre em nossas assembleias da igreja, uma vez que qualquer impacto político que nossos membros companheiros façam na e através da igreja durará eternamente.

É bom brincar com castelos de areia, mas você não deseja construir um castelo que durará para sempre? Não é isso que é ação real? Se você priorizar uma política de pré-requisito sobre a política decisiva, você não compreende a política.

Paz justa e duradoura

Abraham Lincoln, no início de sua segunda gestão, pediu à nação que se esforçasse para “alcançar e estimar uma paz justa e duradoura entre nós mesmos e com todas as nações”.

A minha pergunta para você, cristão, é essa: Onde devemos esperar alcançar e estimar uma paz justa e duradoura entre nós mesmos e com todas as nações? Ela não virá daquele que não é eleito e cujo domínio não tem limites? Daquele que nos comissionou ir a todas as nações com uma mensagem de paz? Esta paz duradoura não virá entre as pessoas que, com o poder do Espírito Santo, converterão as suas espadas em enxadas e as suas lanças em foices? A esperança de Lincoln não será finalmente cumprida em nossas igrejas locais?

Aqui está um começo: Guarde as espadas verbais que você pode ser tentado a usar contra aqueles que votaram de forma diferente da sua.

Eu amo como Mark Dever colocou isso: “Antes e depois da América, houve e haverá a igreja. A nação é um experimento. A igreja é uma certeza”.

Por: Jonathan Leeman. © 2016The Gospel Coalition. Original: The Election Is Over. Let’s Get Political.

Tradução: : Camila Rebeca Almeida. © 2016 Ministério Fiel. Todos os direitos reservados. Website: MinisterioFiel.com.br. Original: A eleição terminou. Vamos compreender a política

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

Jonathan Leeman é graduado em Jornalismo, possui mestrado em Divindade pelo Southern Baptist Seminary (EUA) e Ph.D. em Eclesiologia. É diretor de comunicação do Ministério 9Marks.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

VOCÊ ESPECIAL

GOOGLE +