sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Sem saída

Rubem Alves escreveu, um livro repleto de paródias e crônicas com título sugestivo: “Pensamentos que tenho quando não estou pensando”. Pensando nisto, queria propor outra reflexão similar: “Que solução é possível quando não há solução?”, ou, “pra onde ir quando não há pra onde ir?”

Pode parecer irônico, mas a verdade é que, muitas vezes somos colocados em desfiladeiros e emboscadas, trilhas que nos levam a lugar nenhum, e, emparedados não vemos a luz do sol nem qualquer saída plausível. Em inglês usa-se a expressão “no way out”, isto é, “sem saída”. 

Na conhecida série de J.R.R.Tolkien, “O Senhor dos anéis”, os protagonistas principais são quase sempre levados às situações limites. A frase “não há esperança!” é repetida muitas vezes. Embora seus livros sejam recheados de elfos, hobbits e seres místicos, e a realidade do mal seja concreta e palpável, não há de forma clara, a ideia de um Deus. Apesar deste “ocultamento intencional”, já que Tolkien era um católico praticante, sempre surge uma saída inesperada e a solução aparece.

São muitos os que pensam não haver uma saída. 
Creio que a depressão, o desespero e mesmo o suicídio sejam muitas vezes resultantes da incapacidade de se perceber qualquer possibilidade para vida. Acompanhei um amigo que passou por um duro processo de divórcio, e muitas vezes estive com ele encorajando-o, dizendo que as coisas iriam mudar, mas ele sempre insistia que não suportaria a tristeza. Num dia especialmente dolorido afirmei que ainda iriamos rir desta história, e ele, olhos vermelhos, chorando, tentando esboçar um sorriso me disse: “Não brinque com minha dor!” Tornando curta uma longa história, recentemente vi fotografias suas passeando com uma loira bonita pelo nordeste brasileiro: Acho que ele encontrou uma saída e está bem... 

Um dos livros que mais desafia o intérprete na Bíblia é Jó. Suas questões são filosoficamente graves. Deus é um dos personagens do texto que aparentemente se oculta e desaparece. Jó está sempre perguntando o porquê das coisas e Deus permanece silencioso. Num dado momento sua mulher se cansa de sua resignação e explode: “Ainda conservas a tua integridade? Amaldiçoa a Deus e morre!” Ela propõe a Jó uma ruptura radical de oposição a Deus e sugere que ele se suicide.

Como Jó responde a esta situação aparentemente sem saída? “Falas como qualquer doida, temos recebido o bem de Deus e não receberíamos também o mal”. Posteriormente afirma: “Eu sei que meu Redentor vive, e por fim se levantará sobre a terra”. Sua esperança, quando não há esperança, está em Deus, o único lugar para onde se pode caminhar quando não se vê saída. Sua fé constrói a ponte sobre o caos, a dor e o desespero, e lhe dá a resiliência necessária até que novas e miraculosas portas se abram.

Com Deus não há estradas sem saída. Quando o Mar Vermelho adiante se mostra intransponível, e o exército egípcio se encontra ameaçador por detrás, a saída aparece. O milagre de Deus acontece abrindo caminho seco e surpreendentemente enxuto para atravessar. Sempre há saída!

Rev. Samuel Vieira
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

VOCÊ ESPECIAL

GOOGLE +