sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

E se fosse possível fazer diferente?

Resoluções de Ano Novo são tão inúteis quanto mascar chicletes para resolver questões de matemática. Se você é mais jovem, possivelmente vai discordar de mim, mas depois dos 40, você vai entender o que eu digo... (e olha que Elis Regina falou em não confiar em ninguém com mais de 30 anos).

Mas, e se fosse possível mudar? E se a passagem deste ano se tornasse um marco e diferencial para sua história de vida, o que você faria de diferente?

Partindo do pressuposto de que é possível, escreva no papel as mudanças desejadas, até aquelas que lhe parecem absurdas, mas que se acontecessem, seriam maravilhosas. Depois leia a lista de resoluções, elimine as que forem bizarras demais e fique apenas com algumas mais razoáveis. Esta é uma dinâmica simples que ajuda na resolução de conflitos.

Depois disto, concentre-se em uma ou duas atitudes que mudariam sua vida, casamento, espiritualidade... Ore! Peça a Deus que o ajude e entenda que “melhores atitudes nos levam a maiores altitudes”.

A vida está cheia de exemplos de pessoas que mudaram para pior. Felizmente, há inúmeros relatos de pessoas que mudaram também, para melhor.

Considere um personagem bíblico: Daniel. Sim, aquele mesmo que foi lançado numa cova de leões por ordem de Dario, Imperador da Pérsia. Sua história pessoal é marcada pela brutalidade e violência. Levado cativo para a Babilônia, viu sua cidade destruída pelos inimigos, não há relatos de sua família, e por inferência podemos imaginar que seus pais foram mortos na guerra, os símbolos sagrados, o templo de Jerusalém, tudo estava destroçado. Seguiu uma longa viagem pelo deserto como escravo, humilhado. Ao chegar na Babilônia foi colocado sob supervisão de Aspenaz, que era o chefe dos eunucos.

Sabe qual o significado disto? Ele se tornou eunuco. Isto é, foi castrado para servir no palácio e transitar pelos haréns dos reis sem representar ameaça.

Sua existência foi de negação. Sua vida insistia em dizer não. Isto levou Daniel a desistir de viver? Suicidar? Se transformar numa vítima? Não! Antes se tornou um dos principais do reino e mesmo quando os babilônios foram derrotados pelo poder dos Medos e Persas, ele continuou em cargo de liderança política, por causa da respeitabilidade que possuía.

A Bíblia diz que Daniel tinha um “espírito excelente, conhecimento e inteligência, e era capaz de solucionar enigmas e casos difíceis (Dn 5.12), sendo fiel em todas as coisas não se achava nele erro nem culpa (Dn 6.4). Daniel decidiu que não seria escravo das circunstâncias, nem se transformaria numa vítima, mas tomou posições claras e assumiu o controle de sua história por causa do seu temor a Deus.

A verdade é que “não adianta sonhar com um ano novo, se as atitudes forem velhas”, mas é sempre possível construir um novo caminho, quando nos lembramos que o Carpinteiro de Nazaré é especialista em madeiras tortas.

Por Samuel Vieira
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

VOCÊ ESPECIAL

GOOGLE +