sexta-feira, 14 de julho de 2017

Aja Contra Intuitivamente

A tendência humana diante ao respostas aos estímulos recebidos consiste em ação/reação, que geralmente são gerados intuitiva, espontânea e emocionalmente. A atitude imediata é agir por impulso, emitindo a primeira resposta que vem à mente. Será que apenas reagir é o caminho mais sensato?

Uma lei da física afirma que para cada ação há uma reação igual e contrária. Isto é o que fazemos de forma comportamental, mas este é o único meio, a forma mais sábia? Deveríamos sempre reagir espontânea e intuitivamente, ou seria possível responder de forma, digamos, contraintuitiva.

imageAo considerar o estilo de vida que temos, e os resultados dos atos que praticamos, deveríamos lembrar que “fazer as coisas do mesmo jeito, trarão sempre os mesmos resultados”. As respostas automáticas e impensadas emitidas, nem sempre são as mais apropriadas. Agir sem refletir e ponderar é insensatez. Precisamos aprender isto. Atitudes intuitivas não moldam o caráter, nem ajudam a crescer emocionalmente, pois seus fundamentos são apenas neurológicos e biológicos, afinal, todo animal encurralado age instintivamente. Nossa forma de agir deveria seguir o mesmo padrão?

Não precisamos nos esforçar para ficarmos bravos com o motorista que nos corta no trânsito, nem com as pessoas que nos irritam já que nossa ira surge facilmente quando somos contrariados, mas precisamos de uma atitude muito superior para emitir um comportamento equilibrado diante das provocações. A Nike possui o famoso slogan: “Just Do It” (apenas faça isto!), mas, o que aconteceria se decidimos sugerir outro lema: “Faça o oposto do que você quer fazer”. Isto é, aja contraintuitivamente. 

A Bíblia propõe, de diferentes formas, que nossa atitude seja contraintuitiva:
“...Se alguém lhe ferir a face esquerda, vira-lhe a direita”
“...Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem”
“...Se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber”.
“...Não vos vingueis a vós mesmos, mas deixe seu direito ser assumido por Deus...” 
Agir desta forma não seria uma resposta contraintuitiva?

Quando uma pessoa me fere eu quero revidar. Quando agem de forma maligna comigo tenho vontade de responder à altura, se meu inimigo tiver fome, quero mais que ele morra de raquitismo, e de sede melhor ainda, porque é mais dolorido... ademais, não quero deixar para Deus o direito da minha vingança... prefiro fazer com minhas próprias mãos... Não é assim nossa resposta imediata?
Mas o que aconteceria se decidimos viver de forma contraintuitiva?

A pessoa que gosta de controlar, deixaria o outro livre. O auto absorvido, lutaria por se socializar; aquele que naturalmente fala demais, seria mais prudente no que diz; Quem é dominado pela luxúria abriria mão de sua paixão e controlaria seus impulsos; a pessoa esmagada pela culpa, encontraria liberdade; o gênio impulsivo e carregado de cólera, lutaria contra seu temperamento destrutivo; o mau humorado contra seus constantes desatinos; o estressado e ansioso buscaria serenidade e paz.

Uma atitude contraintuitiva nos leva para além dos limites da zona de conforto e a um território não familiar. Emitir apenas comportamentos intuitivos mostra nossa fragilidade emocional, e quão distante vivemos de um estilo de vida que Jesus queria ensinar aos seus seguidores. 

Por Samuel Vieira
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

VOCÊ ESPECIAL

GOOGLE +