quarta-feira, 2 de maio de 2018

Doenças do Brasil

Arnaldo Jabor, comentarista da CBN, é conhecido por seu sarcasmo e sua refinada ironia. Recentemente falou sobre algumas doenças que os brasileiros sofrem:

A primeira é a da apatia, do grupo resignado e que diz “não dá para fazer nada”;

A segunda, do cinismo, que olha para a situação toda de descalabro e descaso e diz “tem mais é que meter a mão, não vou respeitar mais nada, eles é que estão certos”;

A terceira, a indiferença, que afirma: “nem ligo mais para as coisas que estão acontecendo, na verdade nem quero saber de ouvir as notícias”;

A quarta é do ódio, pessoas que se tornam reativas e respondem à situação com raiva, “tem mais é que matar estes canalhas, colocar todos num paredão e exterminá-los!”,

A quinta, do radicalismo, são os kamikazes, suicidas vivos que dizem: “ainda bem que vou morrer um dia e para de ver estes canalhas em ação”, ou de atitudes radicais: “Fecha o Congresso! A ditadura tem de voltar!”

É natural que o excessivo contato com bactérias e fungos da corrupção e a exposição constante à radioatividade do mau humor e do cinismo dos poderes constituídos no Brasil, quebrem o sistema de imunidade do corpo e o levem a se tornar vulnerável e frágil, expostos às mazelas e enfermidades que circulam pelo intoxicado ar da combalida democracia brasileira. Em situações assim, precisamos de um bom sistema de proteção e bons antídotos que nos protejam.

Creio que um episódio da história mundial, pode nos inspirar. A operação Dínamo, evacuação militar que se deu em Dunkirk, na França, entre os dias 26 de maio e 4 de junho de 1940, entrou para a História como um dos momentos mais dramáticos da Segunda Guerra Mundial. As tropas britânicas que se encontravam naquela região da França empurradas pelos nazistas e chegaram a uma estreita faixa de área do Canal da Mancha. A situação dos 330 mil soldados se tornou desesperadora, a não ser que os britânicos enviassem embarcações para resgatá-los, e então aconteceu o inesperado. A Marinha Britânica convocou os civis a cruzarem o Canal e participarem da evacuação dos soldados. Incrivelmente, entre 800 e 1,2 mil embarcações, entre barcos pesqueiros, iates, se apresentaram para ajudar no resgate. E, no final, graças às incontáveis idas e vidas das pequenas embarcações civis cerca de 338 mil soldados foram salvos.

Nesta ocasião, Winston Churchil fez um dos mais importantes discursos da história: “... Nós não devemos enfraquecer ou fracassar. Iremos até ao fim... nunca nos renderemos”. Grandes crises são oportunidade de mudanças significativas. Homens fortes são forjados na luta e nos tempos de dificuldade, grandes estadistas e cidadãos surgem em períodos de derrocada e fracasso.

Rev. Samuel Vieira
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

NOSSA PAGINA

VOCÊ ESPECIAL

GOOGLE +