domingo, 28 de dezembro de 2014

Lição 1 – Deus dá a sua Lei ao Povo de Israel

Introdução. A obra Os Dez Mandamentos - Valores Divinos para uma Sociedade em Constante Mudança é um comentário exegético e explicativo apresentado de forma prática para facilitar a compreensão dessa parte da lei de Moisés. A lei foi dada a Israel como legislação para o povo antes de conquistar a terra de Canaã.
Inúmeros preceitos permanecem ainda hoje na legislação de praticamente todos os países do planeta. Sua origem divina é indiscutível, pois aparece no relato dessa comunicação de Deus a Moisés desde Êxodo 20.1 até Levítico 27.34. Além disso, a Bíblia declara esse fato de maneira direta. O presente trabalho tem por objetivo ajudar o povo de Deus a distinguir entre lei e evangelho, lembrando que os Dez Mandamentos não são a lei, mas parte dela, que introduz o sistema legal de Moisés.

A estrutura dos Dez Mandamentos se resumem no amor a Deus e ao próximo, diz respeito a Deus e à sociedade, que envolve pensamento, palavras e obras. O primeiro mandamento foi promulgado numa época que a idolatria norteava as nações, e a ordem "Não terás outros deuses diante de mim" era algo novo num código de leis. Trata-se do monoteísmo revelado que influenciou o mundo inteiro com a expansão do cristianismo.

O segundo mandamento revela que esse único Deus deve ser entendido e adorado em termos espirituais e imateriais e que o culto e o louvor a ele com uso de representações visuais são ofensivos e provocam a ira divina até a terceira e a quarta geração. Deus é espírito (Jo 4.24). É, pois, todo-importante que aquele que adora a Deus tenha a sua mente e o coração centrados nesse Deus que transcende a matéria e todas as coisas criadas. É grande o risco de inverter o objeto de adoração pelas representações visuais. Por isso, a adoração cristã genuína é completamente despida de toda representação visual, como imagens de escultura (Cl 3.16).

O terceiro mandamento trata daquilo que falamos com respeito a Deus e ao próximo e da forma pela qual usamos o nome de Deus. O quarto mandamento é de caráter social e espiritual: abrange a necessidade de descanso do trabalho para o ser humano, já que o descanso do sono noturno não é suficiente. A lei estabeleceu para Israel o sétimo dia da semana e, na graça, o sábado foi substituído pelo primeiro dia da semana, o dia da ressurreição de Jesus, e deixou de ser mandamento para ser praticado naturalmente, sem coerção alguma (At 20.7; Rm 14.2-6; Cl 2.16, 17).

O mandamento de honrar pai e mãe pode servir como ponte que conecta os dois grupos de mandamentos: o compromisso do ser humano com Deus e o compromisso do ser humano com o próximo. A observação desse preceito contribui para o bem-estar da sociedade e da igreja. Os pais são representantes de Deus na vida dos filhos, pois além de terem gerado os filhos, eles os cercam de cuidados especiais, provendo-os de alimentos, educação, saúde, roupa, afetos. Isso é um mistério. Desonrar e desobedecer, pois, aos pais é afrontar a Deus. Esse mandamento é extensivo às autoridades espirituais e civis.

O "Não matarás" é a proteção da vida; assassinar alguém é o pior crime que uma pessoa pode cometer, e isso é um golpe contra o próprio Deus, visto que o ser humano foi feito à sua imagem (Gn 9.6). A proibição contra o adultério é um apelo à pureza sexual e à proteção da família. É o compromisso de fidelidade entre os casais.

O mandamento seguinte proíbe o furto, remete à proteção da propriedade e de maneira indireta fala a respeito da necessidade do trabalho. Ninguém deve viver sem uma atividade; como diz o ditado, "mente desocupada é oficina de Satanás".

O nono mandamento é a proteção da honra, pois dizer falso testemunho contra o próximo aqui aplica-se não apenas ao perjúrio nos tribunais para prejudicar alguém, mas também à divulgação de boatos falsos e mexericos.

E, finalmente, o décimo mandamento é contra o pecado do pensamento para ajudar o israelita a não violar os mandamentos anteriores do Decálogo.

A ordem natural dos Dez Mandamentos é a seguinte: Deus, família e sociedade. O estudo detalhado de cada um dos mandamentos do Decálogo mostra de maneira inequívoca o seu valor para Israel, principalmente por ocasião de sua saída do Egito. Sua influência está por toda parte ainda hoje, no Estado e na religião, nos manuais jurídicos e teológicos. Por essa razão, o Novo Testamento não impõe sanção jurídica, mas a graça trata essas coisas no campo espiritual, implicando a comunhão com a Igreja e com Deus. A ministração da justiça é assunto do Estado. A função da lei não é salvar, mas mostrar o pecado humano, restringir o perverso e nos conduzir a Cristo, lembrando que o Decálogo é parte da lei. Esta é santa porque é de origem divina, mas a sua função deve ser compreendida por todos os cristãos.

O livro Os Dez Mandamentos — Valores Divinos para uma Sociedade em Constante Mudança enfoca cada um desses preceitos com abundância de detalhes. O primeiro capítulo é uma visão panorâmica dos Dez Mandamentos. Os dez capítulos seguintes tratam dos dez preceitos do Decálogo e de sua aplicação na vida diária, família, igreja, sociedade e trabalho. Em cada estudo são apresentados os significados de cada palavra- -chave, em hebraico e grego, os comentários dos versículos do Pentateuco vinculados ao mandamento em foco e, finalmente, a sua interpretação no Novo Testamento. É importante conhecer o sentido de cada mandamento no Novo Testamento e como eles foram adaptados à graça.

O capítulo final mostra que obra de Deus para o cristão é a fé em Jesus, e não a prática dos Dez Mandamentos. Estes já estão incluídos nos dois grandes mandamentos de amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos. Estar debaixo da graça e não debaixo da lei significa que somos livres para servir ao Senhor Jesus Cristo, mas não para pecar, visto que o cristianismo é a única religião do planeta que tem o Espírito Santo. A terceira Pessoa da Trindade guia a vida cristã e controla nossos desejos.

Esequias Soares
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

VOCÊ ESPECIAL

GOOGLE +