Massacre em Suzano: até onde jogos violentos podem influenciar a mente humana?

Semelhança entre assassino de Suzano  (direita) e personagem do jogo Free Fire  (esquerda) é notável. (Foto: Guiame) Autoridades ...

domingo, 28 de dezembro de 2014

Lição 1 – Deus dá a sua Lei ao Povo de Israel

Introdução. A obra Os Dez Mandamentos - Valores Divinos para uma Sociedade em Constante Mudança é um comentário exegético e explicativo apresentado de forma prática para facilitar a compreensão dessa parte da lei de Moisés. A lei foi dada a Israel como legislação para o povo antes de conquistar a terra de Canaã.
Inúmeros preceitos permanecem ainda hoje na legislação de praticamente todos os países do planeta. Sua origem divina é indiscutível, pois aparece no relato dessa comunicação de Deus a Moisés desde Êxodo 20.1 até Levítico 27.34. Além disso, a Bíblia declara esse fato de maneira direta. O presente trabalho tem por objetivo ajudar o povo de Deus a distinguir entre lei e evangelho, lembrando que os Dez Mandamentos não são a lei, mas parte dela, que introduz o sistema legal de Moisés.

A estrutura dos Dez Mandamentos se resumem no amor a Deus e ao próximo, diz respeito a Deus e à sociedade, que envolve pensamento, palavras e obras. O primeiro mandamento foi promulgado numa época que a idolatria norteava as nações, e a ordem "Não terás outros deuses diante de mim" era algo novo num código de leis. Trata-se do monoteísmo revelado que influenciou o mundo inteiro com a expansão do cristianismo.

O segundo mandamento revela que esse único Deus deve ser entendido e adorado em termos espirituais e imateriais e que o culto e o louvor a ele com uso de representações visuais são ofensivos e provocam a ira divina até a terceira e a quarta geração. Deus é espírito (Jo 4.24). É, pois, todo-importante que aquele que adora a Deus tenha a sua mente e o coração centrados nesse Deus que transcende a matéria e todas as coisas criadas. É grande o risco de inverter o objeto de adoração pelas representações visuais. Por isso, a adoração cristã genuína é completamente despida de toda representação visual, como imagens de escultura (Cl 3.16).

O terceiro mandamento trata daquilo que falamos com respeito a Deus e ao próximo e da forma pela qual usamos o nome de Deus. O quarto mandamento é de caráter social e espiritual: abrange a necessidade de descanso do trabalho para o ser humano, já que o descanso do sono noturno não é suficiente. A lei estabeleceu para Israel o sétimo dia da semana e, na graça, o sábado foi substituído pelo primeiro dia da semana, o dia da ressurreição de Jesus, e deixou de ser mandamento para ser praticado naturalmente, sem coerção alguma (At 20.7; Rm 14.2-6; Cl 2.16, 17).

O mandamento de honrar pai e mãe pode servir como ponte que conecta os dois grupos de mandamentos: o compromisso do ser humano com Deus e o compromisso do ser humano com o próximo. A observação desse preceito contribui para o bem-estar da sociedade e da igreja. Os pais são representantes de Deus na vida dos filhos, pois além de terem gerado os filhos, eles os cercam de cuidados especiais, provendo-os de alimentos, educação, saúde, roupa, afetos. Isso é um mistério. Desonrar e desobedecer, pois, aos pais é afrontar a Deus. Esse mandamento é extensivo às autoridades espirituais e civis.

O "Não matarás" é a proteção da vida; assassinar alguém é o pior crime que uma pessoa pode cometer, e isso é um golpe contra o próprio Deus, visto que o ser humano foi feito à sua imagem (Gn 9.6). A proibição contra o adultério é um apelo à pureza sexual e à proteção da família. É o compromisso de fidelidade entre os casais.

O mandamento seguinte proíbe o furto, remete à proteção da propriedade e de maneira indireta fala a respeito da necessidade do trabalho. Ninguém deve viver sem uma atividade; como diz o ditado, "mente desocupada é oficina de Satanás".

O nono mandamento é a proteção da honra, pois dizer falso testemunho contra o próximo aqui aplica-se não apenas ao perjúrio nos tribunais para prejudicar alguém, mas também à divulgação de boatos falsos e mexericos.

E, finalmente, o décimo mandamento é contra o pecado do pensamento para ajudar o israelita a não violar os mandamentos anteriores do Decálogo.

A ordem natural dos Dez Mandamentos é a seguinte: Deus, família e sociedade. O estudo detalhado de cada um dos mandamentos do Decálogo mostra de maneira inequívoca o seu valor para Israel, principalmente por ocasião de sua saída do Egito. Sua influência está por toda parte ainda hoje, no Estado e na religião, nos manuais jurídicos e teológicos. Por essa razão, o Novo Testamento não impõe sanção jurídica, mas a graça trata essas coisas no campo espiritual, implicando a comunhão com a Igreja e com Deus. A ministração da justiça é assunto do Estado. A função da lei não é salvar, mas mostrar o pecado humano, restringir o perverso e nos conduzir a Cristo, lembrando que o Decálogo é parte da lei. Esta é santa porque é de origem divina, mas a sua função deve ser compreendida por todos os cristãos.

O livro Os Dez Mandamentos — Valores Divinos para uma Sociedade em Constante Mudança enfoca cada um desses preceitos com abundância de detalhes. O primeiro capítulo é uma visão panorâmica dos Dez Mandamentos. Os dez capítulos seguintes tratam dos dez preceitos do Decálogo e de sua aplicação na vida diária, família, igreja, sociedade e trabalho. Em cada estudo são apresentados os significados de cada palavra- -chave, em hebraico e grego, os comentários dos versículos do Pentateuco vinculados ao mandamento em foco e, finalmente, a sua interpretação no Novo Testamento. É importante conhecer o sentido de cada mandamento no Novo Testamento e como eles foram adaptados à graça.

O capítulo final mostra que obra de Deus para o cristão é a fé em Jesus, e não a prática dos Dez Mandamentos. Estes já estão incluídos nos dois grandes mandamentos de amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos. Estar debaixo da graça e não debaixo da lei significa que somos livres para servir ao Senhor Jesus Cristo, mas não para pecar, visto que o cristianismo é a única religião do planeta que tem o Espírito Santo. A terceira Pessoa da Trindade guia a vida cristã e controla nossos desejos.

Esequias Soares

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça comentários produtivos no amor de Cristo com a finalidade de trazer o debate para achar a verdade. Evite palavras de baixo calão, fora do assunto ou meras propagandas de outros blogs ou sites.

Marcadores

REFLEXÕES NOTÍCIAS LIÇÕES BÍBLICAS VIDEOS ESCOLA DOMINICAL DEVOCIONAIS COMENTÁRIOS ESTUDOS SAMUEL VIEIRA VIDA CRISTÃ EVENTOS SERMÕES PASTORAIS SILAS MALAFAIA JOSÉ GONÇALVES 2º TRIMESTRE 2012 HERNANDES DIAS LOPES POLITICA ILUSTRAÇÕES ELINALDO RENOVATO FAMÍLIA SILAS DANIEL 4º TRIMESTRE 2012 ALEXANDRE COELHO ELIENAI CABRAL 1º TRIMESTRE 2013 2º TRIMESTRE 2013 3º TRIMESTRE 2014 EPÍSTOLA DE TIAGO EVANGELHOS 3º TRIMESTRE 2013 DILMA ROUSSEFF MENSAGENS APOLOGÉTICA APOSTOLO CASAMENTO EPÍSTOLAS 2º TRIMESTRE 2014 4º TRIMESTRE 2013 FOTOS 3º TRIMESTRE 2012 FILIPENSES PROFETAS 1º TRIMESTRE 2015 2º TRIMESTRE 2016 4º TRIMESTRE 2014 ADULTOS DANIEL DOUTOR OS DEZ MANDAMENTOS DONS ESPIRITUAIS LUCAS MANDAMENTOS ROMANOS 2º TRIMESTRE 2015 CPAD ESEQUIAS SOARES HOMOSSEXUALIDADE 1º TRIMESTRE 2014 3º TRIMESTRE 2015 AGENDA MARIO SALES ÊXODO ELIEZER DE LIRA E SILVA RENATO BROMOCHENKEL ANTÔNIO GILBERTO 4º TRIMESTRE 2015 CRIME JOVENS MARCOS POLICIA REFORMA SÉRIES CLAUDIONOR DE ANDRADE FÁBULAS VIOLÊNCIA AUGUSTUS NICODEMUS LOPES ECLESIASTES GENESIS SALMOS ADULTÉRIO AÉCIO NEVES CIRO SANCHES ZIBORDI MARINA SILVA NATAL 1º TRIMESTRE 2012 FORNICAÇÃO FÉ E OBRAS HERESIAS LUIS INÍCIO LULA DA SILVA MARCO FELICIANO PROVÉRBIOS REINALDO AZEVEDO ANO NOVO BRASIL DINHEIRO INVESTIGAÇÃO MYLES MUNROE NAMORO PRESBÍTERO PROSPERIDADE SANTIFICAÇÃO SERMÃO DO MONTE 4º TRIMESTRE 2011 COPA DO MUNDO ESCATOLOGIA GEREMIAS DO COUTO GLOBO MULHER NELSON NED NOVELAS PETROBRAS PETROLÃO PORNOGRAFIA SEXO DEPUTADOS DIÁCONO EDUCAÇÃO ENTREVISTA FESTA FILHOS LAVA JATO LIBERALISMO LIDERANÇA MAGNO MALTA. MARIA MARTA MARTINHO LUTERO OBREIROS ORAÇÃO PARÁBOLA PRESIDENTE SABEDORIA 1º TRIMESTRE 2016 1º TRIMESTRE 2018 ADORAÇÃO ATIVISMO ATOR C. H. BROWN CORRUPÇÃO CUBA DENZEL WASHINGTON DIVÓRCIO ELIAS FILMES GRATIDÃO ISRAEL JEAN WYLLYS MARCHA PARA JESUS NORBERT LIERTH OPERAÇÃO PREGADORES PROTESTO REYNALDO ODILO SACERDOTES SAMUEL F.M. COSTA SEXUALIDADE TEOLOGIA TRABALHO 3º TRIMESTRE 2016 4º TRIMESTRE 2008 4º TRIMESTRE 2016 4º TRIMESTRE 2018 ABEL AGIOTAGEM ALEGRIA AMIGOS AMIZADE AMY WINEHOUSE ANCIÃO ARROGÂNCIA BABILÔNIA BIBLIOLOGIA BISPO CAIM CALVÁRIO CHARLES HADDON SPURGEON CHARLES R. SWINDOLL CORDEIRO CRIANÇAS CRISTO CRITICAS CÓDIGO DA VINCI DESIGREJADOS ELIEZER RODRIGUES ENVELHECER EUNÁPOLIS EXPOSITIVO F FARSA FEMINISMO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO GOMORRA HERRY POTTER HOMILÉTICA HUMILDADE INIMIGOS INIMIZADE JEJUM JOHN ANKERBERG JOHN WELDON JORDÃO JUSTOS LARRY WILSON LEIS LÍNGUA MAR VERMELHO MARCHISMO MARK BROWN MESTRE MOISÉS MUSICA NAMOROj NETO GUERRIERI OSTENTAÇÃO PASCOA PERDÃO PILATOS PREFEITOS PROVAÇÕES RELIGIÃO SALVAÇÃO SEGURANÇA SELEÇÃO BRASILEIRA SENADOR SODOMA TEMOR TEMPERAMENTOS TENTAÇÃO TESTEMUNHO VINDA DE CRISTO WARREN WIERSBE WILLIAM MACDONALD XUXA ÍMPIOS ÓDIO