quinta-feira, 10 de maio de 2012

Lição 7 – Sardes, a Igreja Morta - 2

Comentário Esperança - Cartas de João e Judas e Apocalipse de João À igreja em Sardes, 3.1-6

1 Ao anjo da igreja em Sardes escreve: Estas coisas diz aquele que tem os sete Espíritos de Deus e as sete estrelas: Conheço as tuas obras, que tens nome de que vives e estás morto. 2 Sê vigilante e consolida o resto que estava para morrer, porque não tenho achado íntegras as tuas obras na presença do meu Deus. 3 Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, guarda-o e arrepende-te. Porquanto, se não vigiares, virei como ladrão (na noite), e não conhecerás de modo algum em que hora virei contra ti. 4 Tens, contudo, em Sardes, umas poucas pessoas que não contaminaram as suas vestiduras e andarão de branco junto comigo, pois são dignas. 5 O vencedor será assim vestido de vestiduras brancas, e de modo nenhum apagarei o seu nome do Livro da Vida; pelo contrário, confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos. 6 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.

1 Quanto à indicação dos destinatários e à ordem de escrever. Sem dúvida a auto-apresentação  está em forte correlação com os versículos subseqüentes. Estas coisas diz aquele que tem os sete Espíritos de Deus. Eles são portadores de um poder divino, gerador de vida (Ap 1.4), que é referido de modo singularmente nítido à igreja: e as sete estrelas (Ap 1.16,20). Nesse caso, sua plenitude de Espírito vale para uma igreja espiritualmente morta. ― O Espírito de Deus é quem dá a vida‖ (Jo 6.63 [BLH]). O tema da vida ecoa até no oráculo do vencedor. Fazendo referência a esse tema, queremos arriscar-nos a propor que o trecho seja visto com base em Ezequiel, sobretudo os cap. 18 e 33–37. Com maior freqüência que qualquer outro profeta, ele fala de morrer, de morte e vida. Para ele, são centrais o tema da vivificação e o Espírito como poder da vida (Ez 37.5,10,14; 18.31). O inquérito judicial é conciso e arrasador, do qual, no entanto, segundo o v. 4, algumas pessoas devem ser excluídas. Bengel escreve: ― Essa é uma palavra terrível, que se torna suportável unicamente porque é proferida ainda na presente vida‖, e porque é o Senhor quem a profere, o qual dispõe da plenitude do Espírito e de poderes de ressurreição. Diante dele nem mesmo os mortos ficam sem esperança. Inicialmente atesta-se que a igreja ― tem. Tens nome de que vives. Era uma igreja de boa fama. Contudo essa fama engana. Também o nome de Esmirna, a fama de pobreza e miséria, engana. Aquela igreja trazia ―a toda hora a morte de Jesus em seu corpo‖ e apesar disso se encontrava no caminho da vida como a verdadeiramente ― rica‖ (Ap 2.9). No presente caso, no entanto, o Senhor tem de corrigir as aparências no sentido oposto. Ainda que à vista humana não havia nada que contradissesse a fama de Sardes de ser uma igreja viva e auspiciosa – internamente, nenhuma tensão para cisões e, externamente, nenhum horizonte de martírio – perguntamo-nos justamente: por que essa igreja foi deixada em paz dessa forma? Por que Satanás, que no mais não deixa de incomodar nenhuma igreja, se mantinha longe de Sardes? Era porque a igreja estava espiritualmente morta. Onde reina a morte pelo pecado, não há morte pelo martírio. Contudo ela ainda não se dá conta dessas correlações. Ela ainda não repete Ez 37.11: ―Os nossos ossos se secaram, e pereceu a nossa esperança; estamos de todo exterminados‖. Afinal, no seu meio ela tem a fama de ser viva, e dessa fama ela por sua vez se sustém. A igreja e seu contexto se embalam reciprocamente no sono. O Senhor, porém, sabe: Estás morto. Há muito ele enxerga por trás da fachada e vê que tudo é aparência. Em Sardes os cristãos estão falsamente satisfeitos e confiantes, são falsamente ativos, falsamente devotos e falsamente fiéis.

2 Por meio de um chamado ao arrependimento muito insistente são martelados cinco imperativos para dentro do dormitório da comunidade. A figura da morte espiritual transita para a metáfora do sono espiritual (cf. Ef 5.14): Sê vigilante (―Acorda!‖). O chamado para despertar é imediatamente relacionado com a incumbência ao vigilante: e consolida (―fortalece‖) o resto (―restante‖) que estava para morrer (― está prestes a morrer‖). A mesma incumbência Ezequiel havia recebido outrora: ―eu te dei por atalaia sobre a casa de Israel‖ (Ez 3.17-19; 33.7-9). A igreja de Jesus é, conforme Ap 1.1, profetiza, ou seja, ―igreja de Ezequiel‖. Deve alertar seus arredores diante do juízo que se aproxima. Contudo, em Sardes o Ezequiel do NT dorme no ponto. Ele dorme e deixa dormir, i. é, morrer. Portanto, a perseverança (Ap. 1.9) definhou na igreja em Sardes definhou. Ela
diz: ― Ainda será demorada a vinda do Senhor, se é que ele virá!‖ Essa é a sua condição mortal do v. 1. Agora ela é despertada mais uma vez para o seu serviço de atalaia. Gramatical e objetivamente ―o restante‖ não é o mesmo que ―os restantes‖ em Ap 2.24. Aqui não ocorre a idéia de um resto fiel, antes pensa-se no contexto da igreja em Sardes, que estava para morrer. Contudo, entre a promulgação e a execução da sentença de morte forma-se um intervalo de clemência, no qual se precisa do testemunho da igreja. Porém, seria igualmente possível traduzir: ―que quer morrer‖. Sobre os condenados passa a dominar a resignação, cf. Ez 33.11: ―Por que é que vocês estão querendo morrer?‖ (BLH). O ambiente da igreja manifesta esse falta de vontade, obstinada e desanimada, uma dúvida secreta da graça, do arrependimento, da mudança e da renovação. No presente contexto ainda não vigora o quadro terrível de Ap 9.6: ―Naqueles dias, os homens buscarão a morte e não a acharão; também terão ardente desejo de morrer, mas a morte fugirá deles‖. Contudo a evolução corre nessa direção. Sardes deve intervir e instaurar a obediência da fé: Consolida (―Fortalece‖) o resto que quer morrer! Consta ainda, como o resultado conclusivo de uma investigação judicial: não tenho achado íntegras as tuas obras na presença do meu Deus. A igreja, que tinha a fama de ser ―igreja viva‖, ficou devendo uma parcela decisiva de seu ministério, a saber, o serviço de vigilância na noite da ausência de fé e esperança. O servo preguiçoso enterrara os seus talentos (Mt 25.25) e vivera para si mesmo. Novamente temos de recordar palavras de Ezequiel: Deus criticou os profetas daquele tempo porque deixavam os ímpios correrem inadvertidamente para a morte e se preservavam a si mesmos (Ez 13.5; 3.17-19; 33.6; 34.1-6). Em analogia, a igreja não vivia para a sua missão, que obteve quando se tornou igreja, e para a qual ela foi amada, redimida e criada (Ap 1.5,6).

3 O terceiro imperativo recorda esses primórdios da igreja: Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido (―Lembra-te, pois, de como recebeste e ouviste‖ [tradução do autor]). Do mesmo modo como Éfeso (cf. Ap 2.5), ela deve retomar o seu começo esquecido. O surgimento da igreja em Sardes é trazido à memória por meio de expressões que várias vezes descrevem o despertar para Cristo no NT. No centro estava a pregação missionária. Pessoas tornavam-se recebedoras e ouvintes. A solicitação de ―lembrá-lo‖ inclui que Deus mantém de pé a sua palavra. Ele oferece tudo pela segunda vez (cf. o comentário a Ap 2.5). Contudo, quem recebe e ouve precisa tornar-se alguém que guarda; e guarda-o. Não existe igreja viva sem essa preservação (cf. Ap 3.10). Estranhamente o quinto imperativo a Sardes: e arrepende-te, ocorre em último lugar. Talvez a comparação com a mensagem do livro de Ezequiel também explique essa seqüência. Ezequiel fala com muita freqüência do arrependimento, nada menos de sete vezes tanto no cap. 18 quanto no 33. Todas as vezes, a ênfase está em afastar-se e largar o pecado. Sob essa premissa, faz sentido que o conceito esteja no final, na medida em que a nova reflexão, compreensão e preservação do evangelho traga suas conseqüências: distanciamento da contaminação gentílica, cf. v. 4. A palavra de advertência reveste-se da imagem do assalto do ladrão, já conhecida de Is 49.9; Jl 2.9, que retorna no NT em Lucas, Paulo, Pedro e João. Se não vigiares, virei como ladrão (na noite). O ladrão vem como inimigo. Cristo, um assaltante! O ponto de comparação reside na total falta de expectativa da parte dos assaltados. E não conhecerás de modo algum em que hora virei contra ti. A figura não deve ser forçada no sentido de que uma igreja arrependida e alerta seria informada da hora. Contudo a vinda do Senhor perde o caráter de assalto para a igreja vigilante (cf. 1Ts 5.3,4). Em Ap 16.15 as correlações mostram-se de modo muito palpável (cf. o comentário correspondente). Aqui a ênfase está na ignorância fatal para o povo de Deus. Entre os cristãos de Laodicéia era a falta de reconhecimento sobre si próprios (Ap 3.17), na igreja em Sardes é a falta de conhecimento de Cristo, que antecede àquele. Os gentios podem ser desculpáveis por carência de conhecimento, já os cristãos são onerados por essa carência. ―O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento‖ (Os 4.6). Afinal, ignorância não é em todos os casos o mesmo que ignorância, assim como tampouco dormir é o mesmo que dormir. A sonolência da igreja é igual a dormir em serviço (Ap 3.2), motivo pelo qual traz conseqüências tão graves.

4 Na transição para o oráculo do vencedor, o Senhor chama atenção para determinados membros da comunidade: Tens, contudo, em Sardes, umas poucas pessoas que não contaminaram (―lambuzaram‖) as suas vestiduras. Ao nome de aparência do v. 1 contrapõem-se ―nomes‖ autênticos, os quais a igreja ―tem‖, a saber, pessoas. Elas são identificadas por suas vestiduras. Cabe recordar aqui a observação prévia a Ap 1.12-16: aquilo com que alguém se veste, isso ele é. Vestiduras lambuzadas significam uma essência pecadora. Em Sardes, como também em outras cidades, o pecado consistia em descambar para os cultos gentílicos. Ocorre aqui, porém, que as exceções são elogiadas. É para essas pessoas que vale a promessa: e andarão… junto comigo. Como tantas partes da passagem, essa expressão evoca a mensagem a Éfeso, a saber, a comunhão paradisíaca de Ap 2.1. Então elas estarão vestidas na cor da vitória, branco… pois são dignas (disso). Do enunciado naturalmente se poderia depreender novamente a idéia judaica do mérito (cf. Ap 2.23). Ou seja, recebem vestiduras brancas aqueles que na vida terrena mantiveram suas vestes incontaminadas (que as ―preservaram‖, Ap 16.15), i. é, que superaram a tentação do mundo gentílico e permaneceram fiéis a Cristo. Contudo, através do que eles permaneceram fiéis e foram vitoriosos? Pelo sangue do Cordeiro (Ap 12.11), por lavarem constantemente suas vestes no sangue do Cordeiro (Ap 7.14; 22.14) ou por adquirirem essas roupas junto a Jesus, sem dinheiro (Ap 3.18). Que ―dignidade‖ eles, portanto, evidenciam na ocasião escatológica de receber os trajes? É graça! Agraciados receberão, naquela hora, a graça! É óbvio que o termo ―digno‖ procede do pensamento comercial e tem um lugar na teologia judaica do mérito, contudo aqui ele é preenchido com o evangelho: graça é ―merecida‖ por graça. De sua plenitude nós recebemos graça sobre graça (Jo 1.16). Essa é e continuará sendo a descrição perfeita da vida cristã. Tornamo-nos cristãos quando passamos a ser recebedores sob a pregação missionária (v. 3).

5 O vencedor. A igreja não deve nem precisa ficar com os ―poucos‖ do v. 4 que permanecem fiéis a Jesus. Contudo, anuncia-se que nos fiéis se realizam três atos cuja formulação lingüística radica na esfera judicial: será assim vestido (―revestido‖) de vestiduras brancas. No sistema jurídico oriental havia o gesto de revestir alguém como sinal de proclamação de liberdade (como aparece claramente em Ap 6.11). Tirar a roupa significava desonrar o culpado (Ez 16.39; cf. Ap 3.18; 16.15). E de modo nenhum apagarei o seu nome do Livro da Vida. Em reuniões do tribunal são abertos livros. O ―livro da vida‖ pode ser melhor explicado a partir de Is 4.3 como a lista dos cidadãos da nova Jerusalém, anotada por Deus. Ser riscado da lista significaria ser excluído de seu povo. A esse aspecto refere-se novamente Ezequiel (Ez 13.9), quando fala contra os profetas que fracassam. Contudo Sardes agora não tem mais o antigo prenome do v. 1. Confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos. Testemunhar também é parte do tribunal, que está sendo imaginado numa sessão plena. Cristo se apresenta como testemunha. Ele é o mesmo que, conforme o v. 4, já acusou a igreja de Sardes (cf. ―na presença do meu Deus‖ [v. 2], ―diante do meu Pai‖ [v. 5]). Ali também se falava de uma ―apuração‖ legal. Agora, porém, ele não se envergonha de testemunhar favoravelmente às mesmas pessoas (Hb 2.11). Portanto, no julgamento da igreja abre-se um novo capítulo de fidelidade, que introduz experiências renovadas da fidelidade de Deus.

6 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Essa igreja é preenchida com esperança nova, não mais esperada, quando dá ouvidos ao seu Senhor. Tinha de reconhecer que estava amortecida. Contudo junto de Jesus há Espírito sem medida. O Senhor mantém sua oferta de vida integralmente de pé. A igreja ainda se sente letárgica pela pesada sonolência, mas agora ela crê novamente na sua tarefa em relação ao mundo que a cerca. Suas roupas estão lambuzadas, porém Jesus mantém à sua disposição uma brancura radiante e um nome tão convincente que ele pode ser citado na santidade perante Deus e seus anjos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

VOCÊ ESPECIAL

GOOGLE +