segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Sacríficio que exige sacrifício

 Texto Base: João-1.0-11:0

A salvação nos é oferecida de graça, mas não significa que ela não tenha valor. Ela foi comprada com sacrifício. Vejamos os sacrifícios que
Jesus fez para no-la conceder:

1. O sacrifício da encarnação – A vinda de Jesus ao mundo foi uma troca que ele fez. Trocou a glória do céu pela ingratidão da terra (Jo 1.11). Paulo diz que Jesus “esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo” (Fp 2.7). Ao tornar-se homem por opção, Jesus abriu mão de sua majestade, deixando um cenário onde era permanentemente louvado pelos anjos, para vir fazer entre os humanos a sua habitação.

2. O sacrifício de uma vida pobre – Ao encarnar-se, Jesus não veio ser um rico senhor de escravos, ou um rei de pomposa corte. Não nasceu num palácio reluzente, nem em berço de ouro, mas entre animais. Não escolheu por nacionalidade a raça mais vitoriosa da época, mas uma que se achava sob o domínio daquela. Seus pais eram pobres (Lc 2.24 com Lv 12.8); ele mesmo foi chamado de “o filho do carpinteiro” (Mt 13.55); mesmo para o imposto religioso lhe faltava dinheiro (Mt 17.24-27). Ele sabia por experiência o que era passar dificuldade.

3. O sacrifício da sujeição à lei – Além de todos esses sacrifícios, acrescente-se este: o de submeter-se à lei. Por exemplo, ao oitavo dia de vida foi circuncidado. Aos doze anos, foi com os pais a Jerusalém para celebrar a Páscoa (Lc 2.42). De Criador do mundo (Jo 1.2), ele se humilha ao ponto de obedecer à lei nos mínimos detalhes. Eis porque Paulo escreve: “Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido debaixo de lei” (Gl 4.5).

4. O sacrifício da cruz – A morte na cruz representou o maior sacrifício. Primeiro, porque ao enfrentar a morte, ele entrou em contato com o “o salário do pecado”, já que se fizera pecado por nós (2Co 5.21). Além dessa humilhação, sua execução foi acompanhada de desprezo (Lc 23.11) e zombaria (Lc 23.35,36; Mc 15.29). Destaque-se ainda a crueldade da cruz. Tanto que Cícero disse: “A cruz é a mais cruel, a mais horrível das punições”. Por fim, a cruz foi para ele uma morte imerecida, já que “nenhum mal fez” (Lc 23.41). Como disse o poeta Gióia Júnior: “Essa cruz era minha”. 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

NOSSA PAGINA

VOCÊ ESPECIAL

GOOGLE +