sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Meditação

O homem moderno ocidental perdeu a arte da meditação, esta capacidade de refletir densamente sobre a vida, sobre Deus, sobre uma frase, pensamento, conceito, deixando que a mente aprofunde, os músculos relaxem e o coração descanse.

Muitos consideram a meditação uma perda de tempo, afinal, nos tornamos experts em atividades, entretenimento, planejamento. É a vitória do “homem de ação!”, marcado pela proatividade e parar a vida para refletir, pode parecer piegas, coisa de gente religiosa, mera distração burguesa ou até mesmo preguiça. Vemos muitas pessoas hoje obcecadas por fisiculturismo, uma espécie de culto ao corpo, como o próprio termo sugere; mas poucas pessoas interessadas em reflexão.

Meditação, contudo, traz ótimos benefícios para a vida, como a serenidade, descanso interior, quebra da rotina e atividade, paz de espírito e equilíbrio emocional, por isto atividades voltadas para este tema tem sido recomendadas por médicos e terapeutas como meio de equilibrar as tensões. 

Resultado de imagem para MeditaçãoMeditação e oração andam juntas, mas possuem grandes diferenças no conteúdo e forma. Oração é um meio de falar com um Ser que encontra-se “fora”, ela se dirige a Deus, há um diálogo presumível com o Eterno. Na meditação, temos uma introspecção e reflexão: olhamos para dentro, consideramos os eventos e refletimos. É possível meditar sem orar e orar sem meditar. Qualquer uma destas práticas isoladas é capenga porque considera apenas um aspecto da questão e por isto pode trazer sérias distorções.

Por exemplo, podemos orar irrefletidamente, balbuciar fórmulas ou mantras sem sentido, apenas para atender um apelo neurótico e repetitivo de um ritual vazio. Neste caso não conversamos com Deus; apenas tagarelamos. Jesus condenou as “vãs repetições” de pessoas que presumiam que “pelo seu muito falar seriam ouvidas” (Mt 6.7). Isto é oração sem reflexão, sem aprofundamento da alma, sem meditar no que faz ou mesmo considerar Àquele a quem se dirige a prece.

Por outro lado, podemos meditar sem orar. Neste caso, falamos apenas com nosso ser interior, e não consideramos a dimensão da sobrenaturalidade, do Outro, do Eterno que nos ouve. Achamos que a resposta está dentro de nós, uma espécie de auto-ajuda barata. Muitas vezes não temos resposta alguma em nós, e isto gera mais pânico que solução, como bem afirmou Lloyd Jones: “Reflexão é positiva, introspecção é mórbida”. Muitos meditam para se esvaziar, quando já estão vazios – de sentido, propósito e valor. O espaço vazio facilmente se torna um universo de confusão.

Meditação com oração, entretanto, nos plenifica. O grande desafio é orar, meditando; e meditar, orando. Os cristãos sempre usam os textos sagrados contidos nas Escrituras para refletir sobre Deus e seus princípios, além de outros devocionais para orientar a reflexão. Muitas vezes isto é transformador.

O Salmo 1 afirma: “Bem aventurado é o homem que tem seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite”. Meditar nas promessas de Deus, refletir sobre seu princípios é sempre restaurador para a mente e emoções. Se você não tem ainda esta pratica, comece em doses homeopáticas, com moderação. Quem sabe 10 minutos diários, sem barulho ou intervenção de motores, conversas, celulares ou computadores. Considere determinados pensamentos, peça a graça de Deus sobre seu coração agitado, eleve sua mente à Deus, leve sua família e negócios ao Pai celestial. Descanse. Não tenha pressa. Sossegue. Deixa sua alma fecundar. Muito de sua esterilidade e ausência de sentido tem a ver com o fato de que você perdeu o eixo central de sua vida. Deixe seu coração ser fecundado no silêncio, oração e meditação. Há muito barulho do lado de fora, e muito barulho interno. O profeta Isaias afirmou: “em vos converterdes e em sossegardes, está a vossa salvação”.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

VOCÊ ESPECIAL

GOOGLE +