Massacre em Suzano: até onde jogos violentos podem influenciar a mente humana?

Semelhança entre assassino de Suzano  (direita) e personagem do jogo Free Fire  (esquerda) é notável. (Foto: Guiame) Autoridades ...

sábado, 19 de julho de 2014

Política: um assunto altamente espiritual e bíblico

Nesta segunda postagem procurarei mostrar as bases bíblicas pelas quais a igreja não pode furtar-se de tratar da política, não em sentido partidário, mas como instrumento que não se dissocia da vida comunitária e pessoal e que tem os seus fundamentos no próprio Deus, desde que olhada em seu significado básico como a arte de governar. É óbvio que a abordagem, aqui, não será aprofundada até para não tornar a leitura cansativa. O propósito e mostrar da forma mais simples possível que certa aversão existente ao tema é mais fruto da forma como o homem lida com a política, a partir de sua natureza caída, pecaminosa, do que da própria política em si.

Como defendido por Charles Colson e Nancy Pearcey em sua obra: "E agora, como viveremos?", a primeira grande comissão dada por Deus ao homem foi a de governar e fazer cultura. A de governo aparece no primeiro capítulo de Gênesis, onde a expressão "sujeitai-a" (v. 28), referindo-se à Terra, não quer dizer outra coisa, senão administrá-la, governá-la, tornar-se responsável por cuidar do lugar que seria a sua habitação. Uma espécie de mordomo sobre a terra criada. A que se refere à cultura, aparece no capítulo dois (vv. 19,20), quando Deus transfere a Adão a responsabilidade de dar nomes a todos os animais, tarefa que envolvia inteligência, capacidade e domínio de conhecimento.

Olhada sob essa perspectiva, a política nada mais é do que cumprir este propósito estabelecido por Deus logo no início da existência humana. Claro está que estamos falando de um tempo antes da Queda, que interferiu de forma nociva na forma como o homem, posteriormente, passou a exercer o governo. Mas ainda assim no pacto de Deus com Noé (Gênesis 9), após o dilúvio, estava também implícita a ideia de administrar ou governar. Em outras palavras, Deus não tinha como propósito a anarquia, a casa desarrumada e largada às traças, mas que ela fosse cuidada e bem administrada, embora, agora, houvesse a interferência direta dos efeitos do pecado nas maquinações humanas.

O mesmo princípio aparece em Romanos 13, onde Paulo aponta a autoridade como instituída por Deus para o bem da sociedade. Isso não é nada mais nada menos do que política. Digamos que o contexto não favorecesse nenhuma defesa nesse sentido pela simples razão de o Cristianismo ter começado a sofrer duras perseguições naquele período. Se fosse influenciado pelo ambiente, Paulo poderia usar subterfúgios para negar a autoridade como instituída por Deus, já que, de forma injusta, os cristãos sofriam pela má ação dos governantes de Roma. Mas ele não deixou de reconhecer que, como instituição, a autoridade era uma espécie de freio para o mal e para organizar a vida em comum.

O próprio Jesus, ao responder aos fariseus que lhe inquiriam sobre os impostos pagos pelos judeus a Roma, vaticinou a política de forma indireta como algo indispensável para a vida em sociedade. O seu primeiro ato foi lhes pedir uma moeda. Com isto demonstrou que havia um meio circulante para as transações comerciais determinado por algum poder. O seu segundo passo foi perguntar de quem era a esfíngie que aparecia do outro lado do valor de face. Era de César. Quis ele dizer que era sob essa autoridade que eles estavam vivendo. Por fim, parafraseando, concluiu: "Cumpram os seus deveres como cidadãos sob o domínio de Roma e não deixem também de cumprir os seus deveres para com Deus". Ou como na paráfrase de Eugene Peterson: "Deem a César o que lhe pertence e a Deus o que lhe é devido", Lucas 20.25.

Nestas poucas palavras procurei mostrar que não podemos olhar a política como algo essencialmente mau. Como a arte de governar, ela foi instituída pelo próprio Deus. O que a torna nociva é o mau uso que se faz dela decorrente da natureza caída do homem. Mas isso não nos pode levar a estigmatizá-la. Mesmo após a Queda, ela foi o instrumento para tentar pôr ordem na vida em comum, como vemos, inclusive, na própria legislação dada por Deus a Israel. Portanto, política é um assunto altamente espiritual e bíblico, que precisa ser tratado com coerência e seriedade para que formemos bons cidadãos para o mundo até que o Reino de Deus se manifeste em plenitude.

Na próxima postagem, falarei sobre a relação do cristão com a política e o que se espera daqueles que se sentem vocacionados para exercê-la, seja em cargos eletivos, seja em outras funções, que, embora não dependam do voto, implicam em fazer política porque têm a ver com a vida em comum na sociedade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça comentários produtivos no amor de Cristo com a finalidade de trazer o debate para achar a verdade. Evite palavras de baixo calão, fora do assunto ou meras propagandas de outros blogs ou sites.

Marcadores

REFLEXÕES NOTÍCIAS LIÇÕES BÍBLICAS VIDEOS ESCOLA DOMINICAL DEVOCIONAIS COMENTÁRIOS ESTUDOS SAMUEL VIEIRA VIDA CRISTÃ EVENTOS SERMÕES PASTORAIS SILAS MALAFAIA JOSÉ GONÇALVES 2º TRIMESTRE 2012 HERNANDES DIAS LOPES POLITICA ILUSTRAÇÕES ELINALDO RENOVATO FAMÍLIA SILAS DANIEL 4º TRIMESTRE 2012 ALEXANDRE COELHO ELIENAI CABRAL 1º TRIMESTRE 2013 2º TRIMESTRE 2013 3º TRIMESTRE 2014 EPÍSTOLA DE TIAGO EVANGELHOS 3º TRIMESTRE 2013 DILMA ROUSSEFF MENSAGENS APOLOGÉTICA APOSTOLO CASAMENTO EPÍSTOLAS 2º TRIMESTRE 2014 4º TRIMESTRE 2013 FOTOS 3º TRIMESTRE 2012 FILIPENSES PROFETAS 1º TRIMESTRE 2015 2º TRIMESTRE 2016 4º TRIMESTRE 2014 ADULTOS DANIEL DOUTOR OS DEZ MANDAMENTOS DONS ESPIRITUAIS LUCAS MANDAMENTOS ROMANOS 2º TRIMESTRE 2015 CPAD ESEQUIAS SOARES HOMOSSEXUALIDADE 1º TRIMESTRE 2014 3º TRIMESTRE 2015 AGENDA MARIO SALES ÊXODO ELIEZER DE LIRA E SILVA RENATO BROMOCHENKEL ANTÔNIO GILBERTO 4º TRIMESTRE 2015 CRIME JOVENS MARCOS POLICIA REFORMA SÉRIES CLAUDIONOR DE ANDRADE FÁBULAS VIOLÊNCIA AUGUSTUS NICODEMUS LOPES ECLESIASTES GENESIS SALMOS ADULTÉRIO AÉCIO NEVES CIRO SANCHES ZIBORDI MARINA SILVA NATAL 1º TRIMESTRE 2012 FORNICAÇÃO FÉ E OBRAS HERESIAS LUIS INÍCIO LULA DA SILVA MARCO FELICIANO PROVÉRBIOS REINALDO AZEVEDO ANO NOVO BRASIL DINHEIRO INVESTIGAÇÃO MYLES MUNROE NAMORO PRESBÍTERO PROSPERIDADE SANTIFICAÇÃO SERMÃO DO MONTE 4º TRIMESTRE 2011 COPA DO MUNDO ESCATOLOGIA GEREMIAS DO COUTO GLOBO MULHER NELSON NED NOVELAS PETROBRAS PETROLÃO PORNOGRAFIA SEXO DEPUTADOS DIÁCONO EDUCAÇÃO ENTREVISTA FESTA FILHOS LAVA JATO LIBERALISMO LIDERANÇA MAGNO MALTA. MARIA MARTA MARTINHO LUTERO OBREIROS ORAÇÃO PARÁBOLA PRESIDENTE SABEDORIA 1º TRIMESTRE 2016 1º TRIMESTRE 2018 ADORAÇÃO ATIVISMO ATOR C. H. BROWN CORRUPÇÃO CUBA DENZEL WASHINGTON DIVÓRCIO ELIAS FILMES GRATIDÃO ISRAEL JEAN WYLLYS MARCHA PARA JESUS NORBERT LIERTH OPERAÇÃO PREGADORES PROTESTO REYNALDO ODILO SACERDOTES SAMUEL F.M. COSTA SEXUALIDADE TEOLOGIA TRABALHO 3º TRIMESTRE 2016 4º TRIMESTRE 2008 4º TRIMESTRE 2016 4º TRIMESTRE 2018 ABEL AGIOTAGEM ALEGRIA AMIGOS AMIZADE AMY WINEHOUSE ANCIÃO ARROGÂNCIA BABILÔNIA BIBLIOLOGIA BISPO CAIM CALVÁRIO CHARLES HADDON SPURGEON CHARLES R. SWINDOLL CORDEIRO CRIANÇAS CRISTO CRITICAS CÓDIGO DA VINCI DESIGREJADOS ELIEZER RODRIGUES ENVELHECER EUNÁPOLIS EXPOSITIVO F FARSA FEMINISMO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO GOMORRA HERRY POTTER HOMILÉTICA HUMILDADE INIMIGOS INIMIZADE JEJUM JOHN ANKERBERG JOHN WELDON JORDÃO JUSTOS LARRY WILSON LEIS LÍNGUA MAR VERMELHO MARCHISMO MARK BROWN MESTRE MOISÉS MUSICA NAMOROj NETO GUERRIERI OSTENTAÇÃO PASCOA PERDÃO PILATOS PREFEITOS PROVAÇÕES RELIGIÃO SALVAÇÃO SEGURANÇA SELEÇÃO BRASILEIRA SENADOR SODOMA TEMOR TEMPERAMENTOS TENTAÇÃO TESTEMUNHO VINDA DE CRISTO WARREN WIERSBE WILLIAM MACDONALD XUXA ÍMPIOS ÓDIO